Página Principal > Cardiologia > Dupla anti-agregação plaquetária e anticoagulantes: uma combinação perigosa
pilulas brancas e vermelhas espalhadas pelo chão

Dupla anti-agregação plaquetária e anticoagulantes: uma combinação perigosa

Imagine que em seu consultório você recebe um paciente com fibrilação atrial, que precisa de anticoagulação, e sofreu recentemente um infarto agudo do miocárdio necessitando implante de stent farmacológico. Este paciente lhe apresenta a seguinte receita:

AAS 100mg por dia, clopidogrel 75mg por dia e rivaroxabana 20mg por dia.

A grande pergunta é, devemos manter esses medicamentos ?

Está provado que, para evitar trombose de stent, a dupla anti-agregação plaquetária (DAPT), seja com clopidogrel ou outro anti-agregante somado ao AAS, é mais eficaz em relação à anticoagulação. E está provado que, para prevenção de acidente vascular encefálico (AVE) em pacientes com FA, a anticoagulação é mais eficaz que a anti-agregação plaquetária.

Os números mostram que 80% dos pacientes com fibrilação atrial (FA) necessitam de anticoagulação e de 10 a 15% desses pacientes vão necessitar de intervenção percutânea em algum momento da vida. Neste contexto, o uso da DAPT associado à anticoagulação, inicialmente com varfarina, foi eficaz em reduzir eventos, porém com um risco elevado de sangramento maior em estudos não randomizados, o que em pacientes com síndrome coronariana aguda representa um aumento no risco de morte em 5 vezes em 30 dias.

Estudos observacionais mostraram taxas de sangramento maior de 0 a 15% com a tríplice terapia em 30 dias, e uma meta-análise com 10 estudos envolvendo 1.349 pacientes mostrou uma incidência de 2,2% de sangramento maior em 30 dias. No entanto, esses estudos eram pequenos, com populações heterogêneas, com diferentes cointervenções e diferentes interpretações de sangramento maior. Ainda sim, 2,2% de incidência de sangramento parece bem razoável em relação ao benefício da terapia.

O grande problema é que o estudo mostrou uma incidência de 12% de sangramento maior em 1 ano. Esse valor seria inaceitável e atingiria principalmente pacientes com implante de stent farmacológico, que necessitariam de DAPT por um período de tempo maior. Portanto, as proposições iniciais como medidas de atenuação de risco e manutenção de benefício seriam: utilizar a menor dose de AAS eficaz; utilizar inibidor de bomba de prótons para evitar sangramento gastrointestinal, manter o INR muito bem controlado, de preferência entre 2 e 2,5.

Mais do autor: ‘Devo prescrever AAS para pacientes sem doença arterial coronariana?’

Com o surgimento de novos anticoagulantes orais (ACO) e a não necessidade de mensuração do INR, a vida dos pacientes com FA e necessidade de anticoagulação ficou mais confortável. Os estudos RELY, ROCKET AF e ARISTOTLE provaram que tanto a dabigatrana quanto a rivaroxabana e apixana não eram inferiores em relação a varfarina na prevenção de AVE na FA, respectivamente. Porém, o sangramento com o uso destes medicamentos associados a DAPT permanecia inaceitável, daí a necessidade de novos estudos que testassem alternativas seguras e eficazes em relação a essa questão.

Neste contexto, destoa-se o estudo PIONEER-AF-PCI que comparou três terapias, varfarina, AAS e clopidogrel como terapia base e rivaroxabana 15mg e clopidogrel 75mg, ou rivaroxabana 2,5mg 2 vezes ao dia, AAS 100mg e clopidogrel 75mg como terapias alternativas. O objetivo deste estudo foi avaliar a segurança dos três esquemas em uma população de pessoas com FA em pacientes com necessidade de intervenção percutânea.

A terapia base de comparação adotada foi a varfarina (INR entre 2 -3), o AAS 100mg e o clopidogrel 75mg. A terapia de rivaroxabana 15mg e clopidogrel sem o AAS teve origem no estudo WOEST, que provou em uma população de médio porte que a retirada do AAS reduziu significativamente as taxas de sangramento.

Já o esquema com rivaroxabana 2,5mg AAS e clopidogrel foi proveniente do estudo ATLAS em portadores de SCA. O PIONEER envolveu 2.124 pacientes com idade média de 70 anos, e selecionou pacientes portadores de angina estável, instável, infarto sem e com supra de segmento ST. Dois terços dos pacientes receberam terapia com stents farmacológicos e o controle da anticoagulação com varfarina (INR entre 2 e 3) foi considerado bastante eficiente (65%).

Os resultados mostraram que a terapia com rivaroxabana é segura e eficaz, a taxa de sangramento foi significativamente menor em relação à varfarina (26,7% no grupo da varfarina, 18% no grupo da rivaroxabana, AAS e clopidogrel e 16,8% no grupo da rivaroxabana e clopidogrel) sem diferenças significativas na incidência de morte cardiovascular, infarto ou AVE (6% no grupo da varfarina, 5,6% no grupo da rivaroxabana, AAS e clopidogrel e 6,5% no grupo da rivaroxabana e clopidogrel).

Com isso podemos concluir que a terapia tríplice (ACO + DAPT) está condenada sendo preferível as terapias alternativas avaliadas no estudo PIONEER-AF-PCI.

É médico e também quer ser colunista do portal da PEBMED? Inscreva-se!

Autor:

Referências:

  • Rubboli A, Colletta M, Herzfeld J, Sangiorgio P, Di Pasquale G. Periproce- dural and medium-term antithrombotic strategies in patients with an indication for long-term anticoagulation undergo- ing coronary angiography and interven- tion. Coron Artery Dis 2007;18:193-9.
  • Wang TY, Robinson LA, Ou FS, et al. Discharge antithrombotic strategies among patients with acute coronary syndrome previously on warfarin anticoagulation: physician practice in the CRUSADE regis- try. Am Heart J 2008;155:361-8.
  • Pérez-Gómez F, Alegría E, Berjón J, et al. Comparative effects of antiplatelet, anticoagulant, or combined therapy in pa- tients with valvular and nonvalvular atrial fibrillation: a randomized multicenter study. J Am Coll Cardiol 2004;44:1557-66.
  • Leon MB, Baim DS, Popma JJ, et al. A clinical trial comparing three antithrom- botic-drug regimens after coronary-artery stenting. N Engl J Med 1998;339:1665-71.
  • ACTIVE Writing Group of the ACTIVE Investigators. Clopidogrel plus aspirin ver- sus oral anticoagulation for atrial fibrillation in the Atrial fibrillation Clopidogrel Trial with Irbesartan for prevention of Vas- cular Events (ACTIVE W): a randomised controlled trial. Lancet 2006;367:1903-12.
  • Camm AJ, Kirchhof P, Lip GY, et al. Guidelines for the management of atrial fibrillation: the Task Force for the Man- agement of Atrial Fibrillation of the Euro- pean Society of Cardiology (ESC). Europace 2010;12:1360-420.
  • Paikin JS, Wright DS, Crowther MA, Mehta SR, Eikelboom JW. Triple anti- thrombotic therapy in patients with atrial fibrillation and coronary artery stents. Circulation 2010;121:2067-70.
  • C. Michael Gibson, M.D., Roxana Mehran, M.D., Christoph Bode, Fox, M.B., Ch.B, et al. Prevention of Bleeding in Patients with Atrial Fibrillation Undergoing PCI PIONEER-AF-PCI. n engl j med 375;25 nejm.org December 22, 2016

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.