Efeitos cardiovasculares dos opioides e estratégias para reduzi-los

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Os opioides são os mais potentes analgésicos, tradicionalmente utilizados em situações autolimitadas ou em pacientes em paliação. Entretanto, algumas ocasiões como dores agudas muito fortes, avaliadas por escalas clínicas de dor, e quadros como edema agudo de pulmão, têm suscitado o aumento da utilização desta droga. Essa situação gera mortes não intencionais por opioides, muito pelo efeito depressor do sistema respiratório, mas também por eventos cardiovasculares, como infarto agudo do miocárdio, arritmias, efeitos hemodinâmicos ou endocardite.

Leia também: Prescrição de opioides ou corticoides para pneumonia e sinusite em crianças

Os opioides naturais não interferem na repolarização cardíaca, entretanto os sintéticos são pró-arrítmicos, é recomendável a monitorização do intervalo QT em pacientes utilizando metadona, por exemplo. Pacientes com distúrbios do sistema elétrico de condução podem estar especialmente sujeitos aos efeitos dos opioides sintéticos, enquanto opioides naturais tendem a causar mais depressão respiratória.

Efeitos cardiovasculares dos opioides

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Complicações

Os opioides apresentam uma miríade de complicações cardiovasculares, incluindo hipotensão, bradicardia, rubor, vasodilatação periférica e síncope. Por outro lado, a abstinência de opioides desencadeia hipertensão, taquicardia, cardiomiopatia de estresse e potencialmente síndrome coronariana aguda. Por isso é importante estar atento e desenvolver estratégias voltadas para detecção precoce e ação rápida na depressão respiratória, arritmias cardíacas e sob o risco de endocardite.

Saiba mais: Veja 5 erros que você deve evitar ao prescrever opioides na emergência

É importante, para reduzir os riscos de complicações no uso de opioides, ser criterioso e prudente em relação a quantidade prescrita e evitar o uso crônico. Além disso deve-se reconhecer precocemente sinais de dependência retirando o medicamento e referenciando o paciente a centros de tratamento ou a consultas com profissionais especializados.

Mensagem final

Nos últimos anos houve um aumento no uso de opioides, guiados principalmente por escalas clínicas de dor, levando a uma maior mortalidade por complicações cardiovasculares e respiratórias. Deve-se estar atento a sinais de dependência química, as populações com risco de arritmia ou síndrome coronariana aguda e deve-se evitar o tratamento crônico a menos que com indicação explícita.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Krantz MJ, Palmer RB, Haigney MCP. Cardiovascular Complications of Opioid Use: JACC State-of-the-Art Review. J Am Coll Cardiol. 2021 Jan;77(2):205–223. doi: 10.1016/j.jacc.2020.11.002

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Tags

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar