Eliminando o câncer de colo de útero em tempos de Covid-19

Tempo de leitura: 3 min.

No ano de 2020, foi realizada uma Resolução da Assembleia Mundial da Saúde que foi considerada inédita, pois convocou os 194 países da OMS, pela primeira vez, a fim de eliminar um câncer específico no mundo, o câncer de colo de útero.

As metas foram ambiciosas, e o objetivo central da eliminação do câncer cervical foi definida como o alcance de uma taxa de incidência baixa o suficiente para que a doença fosse considerada controlada como um problema de saúde pública, de acordo com a OMS esse limite seria de 4 casos por 100.000 mulheres por ano.

Leia também: Vacinação para HPV e risco de câncer cervical invasivo

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login
Endometriosis

Intervenção tripla

A escala de eliminação possuía um desenho de intervenção tripla chamada ’90-70-90′, explicada da seguinte forma: alcançar 90% das meninas totalmente vacinadas contra o papilomavírus humano (HPV) aos 15 anos; 70% das mulheres examinadas pelo menos duas vezes na vida com um teste de alto desempenho, como o teste de HPV (por volta dos 35-45 anos de idade); e 90% das mulheres identificadas com doença cervical (incluindo lesão cervical pré-cancerosa e câncer invasivo) recebendo tratamento e cuidados adequados.

Expectativas em relação à vacina contra HPV

Globalmente, a ampla cobertura de vacinação e triagem de qualidade garantida com teste de HPV têm o potencial de evitar até 13 milhões de casos de câncer cervical na próxima metade do século.

Nos países desenvolvidos, por exemplo Austrália a eliminação é antecipada em curto ou médio prazo, estimada em uma década, e para os EUA dentro de duas a três décadas. Para muitos países de renda baixa e média, essa trajetória é longa e portanto, a ‘intervenção tripla’ da OMS até 2030 surge visando salvar a vida de muitas mulheres ao longo desse caminho.

A realidade em tempos de pandemia

Porém, na prática, a pandemia Covid-19 vem gerando um impacto catastrófico e duradouro nas economias nacionais, freando toda a força envolvida nos objetivos elencados pela ONU.

No início deste ano, a revista Nature divulgou um artigo esmiuçando o quanto a pandemia Covid-19 está protelando os planos de eliminação do câncer de colo do útero.

O contexto atual afetou gravemente os programas de vacinação contra o HPV de rotina, causando importante diminuição no número total médio diário de vacinações durante os tempos de restrições de circulação e lockdown.

Saiba mais: Novas recomendações para rastreamento para o câncer de colo de útero e vacinação contra o HPV

Os programas de rastreio cervical também tiveram pausas ou participação reduzida. já que os mesmos reagentes e sistemas podem ser necessários tanto para o teste de HPV como de Covid-19.

Enquanto dezenas de empresas e instituições acadêmicas estavam na corrida para desenvolver testes caseiros rápidos para e vacinas contra SARS-CoV-2 dentro de 6 meses da declaração da pandemia Covid-19, uma década se passou desde que o teste de HPV foi estabelecido como a ferramenta de triagem mais eficaz, mas pouquíssima tecnologia para detecção de HPV foi aprovada pelos grandes órgãos reguladores.

Duas pandemias

Os autores do artigo da Nature acreditam que apenas uma parceria global eficaz de organizações públicas, privadas e da sociedade civil seria capaz de acelerar a expansão dos programas de vacinação contra HPV rumo a eliminação deste câncer previnível.

O câncer cervical também é considerado uma pandemia, com um número de mortes estimadas de até 342 mil mulheres no ano de 2020, número que equivale a quase vinte por cento do número de mortes por Covid-19 no mesmo ano. Grande parte do aparato tecnológico de testes que surgiu em velocidade meteórica para a detecção da Covid-19 também poderia ser utilizado na detecção do HPV, já que diversos deles já foram amplamente aprovadas por órgãos reguladores e estão disponíveis em larga escala.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Ginsburg O, Basu P, Kapambwe S, et al. Eliminando o câncer cervical na era Covid-19. Nat Cancer. 2021;2:133–134. doi: 10.1038/s43018-021-00178-9
Compartilhar
Publicado por
Juliana Olivieri

Posts recentes

Questões sobre a saúde mental da juventude LGBT+

Junho é o mês em que a temática LGBTQIA+ ganha destaque. Vamos abordar questões importantes…

2 horas atrás

Novo tratamento para pacientes com atrofia muscular espinhal é incluído no SUS

O SUS vai disponibilizar um novo tratamento com o medicamento Nusinersena, indicado para atrofia muscular…

22 horas atrás

Whitebook: linfonodomegalia

Em nossa publicação semanal de conteúdos do  Whitebook vamos falar sobre a apresentação clínica da…

1 dia atrás

Blog do Nurse: novidades no sininho! 

Você sabia que agora o app queridinho dos enfermeiros pode ser atualizado no sino de…

2 dias atrás

Teste do pezinho: um panorama da origem até os dias atuais

O teste do pezinho é realizado através de gotas de sangue colhidas do calcanhar do…

2 dias atrás

Tratamento endovascular para AVC de artéria basilar é melhor que tratamento convencional?

Foi publicado um estudo randomizado comparando a eficácia do tratamento endovascular com o tratamento clínico…

2 dias atrás