Neurologia

Encefalopatia de Hashimoto: fatos e mitos

Tempo de leitura: 2 min.

“Os homens podem estar sempre a pesquisar, sempre a aprender, e ainda há, para além, o infinito”, dizia Ellen G. White, sabiamente. Ser cientista é estar ciente de que o objeto de estudo se revela a cada dia, hora, minuto, segundo, e ter a humildade diante da grandiosidade que é a ciência.

Ser médico ou pesquisador, da mesma forma, pode exigir que se retomem conceitos, bem estabelecidos ou não, principalmente quando as evidências não os sustentam.

Leia também: Como diagnosticar encefalites auto-imunes?

Encefalopatia de Hashimoto

Pode-se especular que Lord Brain e Jellinek pensassem algo do gênero em sua descrição inicial, quando, críticos, questionaram seu próprio relato sobre encefalopatia de Hashimoto com a frase “whether we have described a syndrome or a coincidence.”

Tal doença até então permanece sem critérios diagnósticos, apesar dos sinais cardinais bem marcados: encefalopatia com alteração da consciência, anticorpos antitireoperoxidase/antitireoglobulina e exclusão de outras causas.

Além de hipóteses escassas acerca da patogenia autoimune da doença – por exemplo, uma atividade de ligação com a proteína acídica fibrilar glial verificada por imunofluorescência – as raras autópsias tiveram resultados inespecíficos.

Mais da autora: Cannabis: heroína ou vilã?

Aliados a esses confundidores estão as notas históricas primeiramente da indisponibilidade de dosagem de outros marcadores de encefalite autoimune à época de muitos dos relatos, e ainda a especificidade questionável do anti-TPO, presente também em casos de doenças desmielinizantes e encefalites autoimunes gerais.

Sem intenção de qualquer iconoclastia neurológica sem sentido, ou de levantar polêmicas infundadas, é preciso reconhecer quando estamos longe de determinar se uma entidade de fato faz carreira solo. Fica então o questionamento: a encefalopatia de Hashimoto tem sua nosologia independente ou faz apenas parte de uma síndrome, tendo embarcou em um trem maior do que ela mesma durante todos esses anos?

Referência bibliográfica:

  • KENNETH, TL., RUËGG, S. The neuromythology of Hashimoto encephalopathy: The emperor has no clothes. Published Online on December 27, 2019. Neurology® 2020;94:1-2. doi:10.1212/WNL.0000000000008776
Compartilhar
Publicado por
Rachel Alencar

Posts recentes

Úlcera Infecciosa: panorama clínico [podcast]

No episódio desta semana do podcast do Whitebook, a especialista em oftalmologia Dra. Juliana Rosa…

10 horas atrás

Check-up Semanal: cirurgia na estenose aórtica, salina versus manitol no TCE pediátrico e mais! [podcast]

No episódio de hoje, confira as últimas notícias sobre TAVI e cirurgia na estenose aórtica,…

12 horas atrás

Residência médica no Brasil: do sonho ao burnout?

Um estudo publicado no JAMA revisou artigos publicados na literatura que abordam o nível de…

13 horas atrás

Ômicron XE: entenda o que é a variante recombinante do SARS-CoV-2

A Ômicron XE é uma combinação das sublinhagens BA.1 e BA.2 da variante Ômicron, sendo…

15 horas atrás

Suporte pós-extubação para prematuros: qual a melhor técnica de ventilação mecânica?

Várias técnicas de suporte respiratório estão disponíveis para minimizar o uso de ventilação mecânica invasiva…

15 horas atrás

O que todo clínico precisa saber sobre alterações hepáticas e hipertireoidismo?

O hipertireoidismo é uma enfermidade que afeta múltiplos órgãos e sistemas, como sistema nervoso, cardiovascular…

17 horas atrás