Ginecologia e Obstetrícia

Endometriose e adenomiose: há relação com distúrbios causados pelo consumo de produtos químicos?

Tempo de leitura: 2 min.

A paciente que apresenta endometriose tem grandes chances de também apresentar adenomiose no futuro. Apesar dos estudos mostrarem uma relação da endometriose e adenomiose com uma alteração inflamatória na paciente, pouco se sabe da etiologia de ambas patologias. Sendo assim, é necessário indagar e pesquisar mais sobre o assunto, para que assim possamos prestar uma melhor assistência a essas mulheres, afinal a incidência de endometriose e adenomiose vem subindo com o passar dos anos.

Leia também: Efeito da supressão hormonal pós-operatória na fertilidade de pacientes com endometriose

Análise recente

Neste ano de 2022, foi publicado um artigo na Frontiers in Physiology com o objetivo de descrever possíveis reações entre o consumo de substância causadoras de distúrbios endócrinos como causa da endometriose e adenomiose. Estas substâncias são classificadas como produtos químicos exógenos que interferem nas funções fisiológicas normais do sistema endócrino, potencialmente causadoras de efeitos adversos à saúde e promotora de doenças. Infelizmente, devido a industrialização é difícil não sermos expostos à essas substâncias nocivas.

De acordo com o autor, dioxinas (combustão, incineração de resíduos, erupções vulcânicas, incêndios florestais), bifenilos policlorados – PCB (transformadores elétricos, óleos de imersão para microscópios, pesticidas, papel de cópia sem carbono), bisfenol A – BPA/bisfenol S – BPS (brinquedos infantis, garrafas de água, latas de alimentos, selantes dentários, revestimentos), Ftalatos (cosméticos, equipamentos médicos, medicamentos, tintas, adesivos, produtos de cuidado pessoal) e parabenos (cosméticos, produtos farmacêuticos) são substâncias que provocam distúrbios endócrinos e estão associadas ao surgimento de patologias como endometriose e adenomiose.

Mensagem final

São necessários mais estudos para determinar como ocorre essa relação entre essas substâncias e o surgimento da endometriose e/ou adenomiose. Teria relação com alterações genéticas ou epigenéticas desta paciente? Ou somente seu consumo já estaria relacionado ao desenvolvimento da endometriose e adenomiose? Vamos ficar atentos, pois novos estudos devem surgir nos próximos anos, nos auxiliando na correta propedêutica e terapêutica dessas patologias com alta prevalência nas mulheres modernas.

Saiba mais: Histerectomia total videolaparoscópica em pacientes com endometriose profunda

Compartilhar
Publicado por
Letícia Suzano Lelis Bellusci

Posts recentes

Barreiras de acesso à saúde de pessoas trans e não binárias no SUS [podcast]

Como profissionais de saúde podem abordar a redesignação de gênero com pessoas transexuais e orientação…

6 horas atrás

WONCA 2022: Como jovens médicos modificarão o futuro da medicina de família?

A última sessão plenária do WONCA 2022 encerrou o evento com esperanças em relação às…

23 horas atrás

Monkeypox: orientações aos profissionais de saúde

Monkeypox é um vírus cuja transmissão se dá por contato com secreções respiratórias e lesões…

1 dia atrás

Monkeypox e Epididimite são os destaques da semana no Whitebook

Monkeypox e Epididimite são os novos conteúdos do Whitebook. Confira a lista completa com os…

2 dias atrás

Síndrome pós-COVID-19: quais os desafios nos cuidados nutricionais?

Neste artigo, veja em detalhes o que os estudos recentes têm apontado acerca dos cuidados…

2 dias atrás

As taxas de infecção aumentam com o uso de técnicas de esterilização de uso imediato?

Neste estudo, confira se a esterilização a vapor de uso imediato aumenta as chances de…

2 dias atrás