Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Ginecologia e Obstetrícia / Endometriose: qual o melhor exame para iniciar a investigação?
dismenorreia

Endometriose: qual o melhor exame para iniciar a investigação?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: < 1 minutos.

Nos consultórios de atenção básica, bem como os de urgência/emergência, queixas de dor pélvica, dismenorreia intensa, dispaurenia, massas anexiais e infertilidade são relativamente comuns. Nesse sentido, cabe ao médico iniciar devidamente a investigação para melhor definição diagnóstica. Uma das hipóteses que devem ser levantadas nesses casos é a endometriose, doença que pode inclusive aumentar o risco de câncer de ovário. Morbidade que consiste na implantação de tecido endometrial de forma ectópica. A partir disso, qual seria o melhor método complementar que posso solicitar nesse momento?

Como diagnosticar a endometriose

Há de consideramos, a princípio, que o padrão ouro no diagnóstico da endometriose é a inspeção laparoscópica seguida da confirmação histológica. Entretanto, há uma utilização considerável de outros exames complementares, entre eles: a ressonância nuclear e a ultrassonografia via vaginal. Ressaltando que neste último, acrescenta-se um preparo intestinal que melhora a acurácia dos diagnósticos.

Leia mais: Existe uma maneira melhor de diagnosticar a endometriose?

A diferença no preparo está em permitir uma melhor visualização das estruturas anexiais e do retossigmoide. Nesse sentido, as características ultrassonográficas são: espessamento linear hipoecogênico ou nódulos/massas com ou sem contornos regulares. Além disso, os locais que apresentam maior frequência de tecido endometrial ectópico são os ovários e depois o peritônio pélvico.

Ultrassonografia x Ressonância Magnética

Ressaltamos que a ultrassonografia com preparo pode e deve ser o primeiro exame a ser solicitado dado a sua facilidade de acesso e baixo custo. Além disso, é um método acurado e efetivo na detecção da endometriose. Em comparação à  ressonância magnética, o custo-benefício da ultrassonografia é maior, devendo a RNM estar reservado a casos mais específicos.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

6 comentários

  1. Avatar

    Esqueceu de mencionar o exame CA125.

    • Avatar
      ROBSON JOSE GUEDES OLIVEIRA

      É bom, no entanto é pouco específico, talvez seja mais útil para acompanhamento terapêutico.

  2. Avatar

    Eficácia do ultrassom transvaginal com preparo intestinal não tem igual

  3. Avatar
    ROBSON JOSE GUEDES OLIVEIRA

    A Ultrassonografia Endovaginal com preparo gastrintestinal é melhor que a ressonância magnética para diagnóstico de endometriose profunda pélvica.

  4. Avatar

    Existe um melhor período do ciclo menstrual para realização da ressonância para detectar a endometriose?

  5. DOWGLAS

    Maria, o mais adequado seria no período que o tecido endometrial está mais espesso. Na fase periovulatória, ou seja aproximadamente no 14º dia – se ciclos de 28 dias – adiante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.