Cirurgia

Endometriose: tratamento videolaparoscópico pode ajudar na dor e qualidade de vida?

Tempo de leitura: 2 min.

O manejo da dor na paciente com endometriose ainda é um desafio para os ginecologistas ao redor do mundo.  Em torno de 10% das mulheres em idade reprodutiva são afetadas por essa patologia, 60% de adolescentes e adultas com dores pélvicas crônicas e até 50% de mulheres com infertilidade. De acordo com Rindos (2020) a excisão videolaparoscópica das lesões de endometriose diminuem as dores e melhoram a qualidade de vida das pacientes nos primeiros 6 a 12 meses após o procedimento, quando comparadas com cirurgias placebo. 

Leia também: Novo guideline de endometriose e o enfoque na paciente adolescente

Análise recente

Em dezembro de 2020 foi publicado um estudo de coorte no Journal of Minimally Invasive Gynecology com objetivo de avaliar a melhora da dor e qualidade de vida das mulheres com endometriose. Foram selecionadas 61 mulheres com endometriose comprovadas por anatomopatológico e que foram submetidas a excisão videolaparoscópica das lesões de endometriose entre 2011 a 2015. Todos os cirurgiões retiraram as lesões visíveis com o objetivo de melhorar a dor pélvica das pacientes. As pacientes foram submetidas ao Endometriosis Health Profile Questionnaire (EHP-30) para avaliar a melhora da qualidade de vida e dor das pacientes meses após o procedimento e depois de alguns anos também. O EHP-30 é o único questionário validado e aplicável para realizar essa avaliação.

Saiba mais: Endometriose e irregularidade menstrual: trabalho noturno pode ter relação com o aumento de risco

De acordo com Rindos (2020) as pacientes apresentaram uma melhora significativa nas cinco escalas do questionário EHP-30 (dor, controle e impotência, bem estar emocional, suporte social e autoestima) no primeiro mês após a videolaparoscopia, e persistiu durante o acompanhamento de seis a oito anos quando comparado com a linha de base da escala. Outro resultado importante desse estudo é a comparação entre as pacientes que foram submetidas a cirurgias com preservação uterina e as que foram submetidas a histerectomia videolaparoscopica. Ambos os procedimentos tiveram o mesmo resultado em relação a dor e qualidade de vida, portanto, a histerectomia não tem essa finalidade. 

Mensagem final

O tratamento videolaparoscópico de endometriose com preservação uterina é considerado uma das melhores maneiras para controle da dor pélvica e melhora da qualidade de vida das pacientes com essa patologia. Lembrando que a terapia hormonal controla os sintomas de 80% das pacientes por apenas dois anos, além de mascarar o desenvolvimento da doença, podendo dificultar a cirurgia quando indicada e piorar o quadro de infertilidade da paciente.

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Letícia Suzano Lelis Bellusci

Posts recentes

Hiperprolactinemia: pontos de atenção [podcast]

A hiperprolactinemia é um aumento de prolactina circulante. Ouça o episódio e saiba os pontos…

11 horas atrás

Aférese terapêutica no ambiente da terapia intensiva: uma revisão narrativa

Neste artigo, focamos na análise da plasmaférese terapêutica (TPE), que é a retirada de plasma…

12 horas atrás

A relação entre Covid-19 e amamentação

Estudos comprovam que mães que já tiveram Covid-19 protegem o lactente do vírus ao transmitir…

13 horas atrás

Os oito subtipos clínicos de pacientes pediátricos com obesidade

A obesidade é uma questão de abrangência mundial. Conheça estudo que classifica os subtipos de…

14 horas atrás

Fatores relacionados à função física um ano após artroplastia total de joelho

Um estudo analisa os fatores associados ao pós-operatório da artroplastia total de joelho em pacientes…

15 horas atrás

Midazolam ou dexmedetomidina intranasais na anestesia pediátrica: Qual apresenta menos eventos adversos?

Um estudo teve o objetivo de avaliar a eficácia do uso intranasal de midazolan e…

16 horas atrás