Medicina Baseada em Evidências

Ensaios clínicos podem ser conduzidos à distância?

Tempo de leitura: 2 min.

Há aproximadamente um ano atrás, a pandemia causada pelo novo coronavírus trouxe diversas dificuldades em pesquisas que envolviam testes clínicos. Inúmeras restrições surgiram e impediram o desenvolvimento de trabalhos, a coleta de dados e o acompanhamento adequado de intervenções. Dois autores publicaram recentemente no JAMA um artigo que faz um levantamento aproximado do impacto provocado pelo cenário atual nessas pesquisas e propõe soluções interessantes.

Leia também: IM/ACP 2021: telemedicina e estratégias para o exame físico

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Ensaios clínicos na pandemia

Cerca de 1.773 ensaios clínicos foram suspensos na pandemia e aqueles que não foram encerrados certamente passam por desafios em tudo aquilo que é necessário seguimento presencial. Muitos pesquisadores propuseram alternativas de acompanhamento remoto. Houve um aumento aproximado de 9% para 57% entre janeiro e maio de 2020 em pesquisas conduzidas remotamente. Realizar ligações por telefone e teleconsultas e até mesmo enviar por correio medicações e equipamentos de monitorização foram algumas das ações utilizadas como novas abordagens dentro da pandemia.

O artigo cita ainda um ensaio clínico randomizado, duplo cego, realizado em Missouri, que analisou a eficácia da Fluvoxamina comparada com placebo em 152 pacientes recém-diagnosticados com Covid-19. Essa pesquisa foi conduzida de maneira totalmente remota — termo de consentimento livre e esclarecido; entrega de oxímetro, termômetro e monitor de pressão arterial; entrega da medicação; e coleta de dados: em nenhum momento foi necessário contato físico entre os pesquisadores e os pacientes do espaço amostral.

Ademais, o texto sugere a possibilidade de que esse acompanhamento remoto pode perdurar após a pandemia, pois facilitaria o acompanhamento de indivíduos com múltiplas comorbidades e com dificuldade de locomoção. É possível até mesmo realizar o desenvolvimento de uma “van” com dispositivos portáteis — exames como eletrocardiograma, ultrassom e espirometria, por exemplo, estão consistentemente mais disponíveis.

Por outro lado, é necessário também questionar até que ponto os dados obtidos em sistemas como esse são válidos, pois a coleta de informação pode não ser tão rigorosa quanto uma pesquisa presencial e os resultados podem não ser reproduzíveis.

É preciso cautela. Ainda que grandes barreiras presentes em ensaios clínicos presenciais possam ser abolidas com o uso de métodos remotos — como a dificuldade de locomoção — existem inúmeros desafios que ainda permanecerão — como a preocupação com a toxicidade do tratamento testado.

Saiba mais: Preprints: fonte de benefícios ou de fake news para a ciência?

Existem evidências de que o recrutamento presencial de pacientes para pesquisas é mais eficaz, algumas intervenções (especialmente comportamentais) são menos potentes se remotas, medidas que necessitam de equipamentos e técnicas especiais (coleta de sangue, biópsias, exames de imagem avançados etc) podem ser impossíveis de serem realizados remotamente, e os resultados subjetivos (típicos em um processo à distância) não são substitutos para resultados objetivos presenciais. Ou seja, dados obtidos de maneira objetiva e subjetiva podem ser analisados de maneira conjunta para uma melhor compreensão das intervenções.

Conclusão

O artigo conclui ressaltando que os pesquisadores devem reduzir locomoções inoportunas dos participantes das pesquisas, a fim de diminuir gastos desnecessários e inconveniências. Todavia, para continuar garantindo evidências de alta qualidade, as decisões para conduzir ensaios clínicos randomizados remotamente devem considerar a influência dessas alterações na validade e integridade dos dados obtidos.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • McDermott MM, Newman AB. Remote Research and Clinical Trial Integrity During and After the Coronavirus Pandemic. JAMA. Publicado online em 22/04/2021. doi:10.1001/jama.2021.4609
Compartilhar
Publicado por
André Aranda

Posts recentes

Infecção fúngica invasiva: conceitos básicos sobre diagnóstico

A infecção fúngica invasiva é frequente em indivíduos hospitalizados, particularmente naqueles em tratamento oncológico. Saiba…

9 horas atrás

Nova calculadora: Risco de Insuficiência Cardíaca (GWTG)

A ferramenta estima a mortalidade intra-hospitalar nos pacientes admitidos com insuficiência cardíaca. Leia o post…

10 horas atrás

PEBMED e HA: estudo sobre saúde da população transgênero [podcast]

No episódio de hoje, Marcelo Gobbo comenta sobre um estudo que avaliou a saúde da…

10 horas atrás

Dia Nacional da Dermatite Atópica: mitos e fatos sobre a doença

Em 14 de setembro, é celebrado o Dia Mundial de Conscientização da Dermatite Atópica (DA).…

12 horas atrás

Qual é a resposta sorológica à vacina da Pfizer em pacientes em hemodiálise?

Trabalho publicado no JAMA estudou a imunogenicidade da vacina da Pfizer em pacientes que fazem…

13 horas atrás

Ministério da Saúde volta a liberar vacinação de adolescentes contra a Covid-19

O Ministério da Saúde voltou a recomendar a vacinação de adolescentes de 12 a 17…

14 horas atrás