Entenda o esquema vacinal a ser seguido por pacientes pediátricos a partir de 2024

Vacina contra covid-19 será incluída no calendário nacional de crianças até 5 anos de idade.

A partir do ano que vem, o foco das campanhas de vacinação vai ser nas crianças de 6 meses e menores de 5 anos. E o esquema vacinal completo contra covid-19 contará com três doses, que deverão ser aplicadas seguindo os intervalos recomendados para esta faixa etária.

Leia também: Covid-19 em pacientes diabéticos: há diferenças?

Entenda o esquema vacinal a ser seguido por pacientes pediátricos a partir de 2024

Esquema vacinal

  • Crianças* de 6 meses até 4 anos, 11 meses e 31 dias:

1ª dose – Intervalo de 4 semanas – 2ª dose – intervalo de 8 semanas – 3ª dose.

*A criança que tiver tomado as três doses este ano, não vai precisar repetir doses em 2024.

  • Crianças a partir de 5 anos:

Apenas as que integram os grupos prioritários* é que receberão uma dose de reforço em 2024 (imunocomprometidos; com comorbidades e deficiência permanente; indígenas; ribeirinhos; quilombolas; que vivem em instituições de longa permanência e em situação de rua).

A partir de 2024, a vacina pediátrica contra a covid-19 fará parte do Calendário Nacional de Vacinação, anunciou o Ministério da Saúde. Recentemente, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomendou aos países que priorizem a imunização da população de alto risco e avaliem o cenário epidemiológico local a fim de traçar estratégias para a vacinação infantil. A imunização de crianças está autorizada em mais de 60 países, incluído o Brasil, desde o final de 2021.

Ainda assim, os números nacionais deixam claro que crianças são igualmente suscetíveis às formas graves e letais da doença, como a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e a Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P). Pois, somente entre janeiro e agosto de 2023, foram registrados 3.441 casos e 84 óbitos de SRAG por covid-19 em bebês de até 1 ano de idade.

Diante deste cenário, e considerando o elevado risco de morbimortalidade pediátrica por covid-19, o benefício das vacinas contra a doença supera, e muito, o risco da não imunização. “Já tivemos 4 mil pessoas morrendo de covid-19 por dia no Brasil. Depois da vacina, essa média caiu para 42 pessoas”, afirma a secretária de Vigilância em Saúde e Ambiente, Ethel Maciel, lembrando que a melhor e mais eficaz forma de prevenção é a vacina.

Saiba mais: Vacinas bivalentes contra a covid-19

Monitoramento sistemático

A vacina autorizada pelas agências regulatórias para crianças de 6 meses a 4 anos de idade foi a Pfizer-BioNTech (três doses), com base na revisão de dados de segurança e um estudo de Fase 1/2/3. A eficácia registrada foi de 80,3% na prevenção de infecção pela ômicron, variante dominante em diversos países, incluindo os Estados Unidos.

No Brasil, o monitoramento sistemático e contínuo da segurança das vacinas (Fase 4) é feito pelo Ministério da Saúde, por meio do Programa Nacional de Imunizações, e da Anvisa. Eventos Supostamente Atribuíveis à Vacinação ou Imunização (ESAVI) são notificados e investigados, com o objetivo de elucidar a relação causal entre as vacinas e os eventos.

Este artigo foi revisado pela equipe médica do Portal.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo