Enxaqueca: Diagnóstico e tratamento em 10 etapas

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

A enxaqueca é um distúrbio de cefaleia primária altamente incapacitante com uma prevalência em 1 ano de ~ 15% na população em geral. De acordo com o Global Burden of Disease Study, a enxaqueca é o segundo distúrbio neurológico mais prevalente em todo o mundo, responsável por mais incapacidades do que todos os outros distúrbios neurológicos combinados.

Ela se manifesta clinicamente com ataques recorrentes de cefaleia e uma variedade de sintomas associados. Em aproximadamente um terço um terço dos indivíduos, a cefaleia é às vezes ou sempre precedida ou acompanhada por distúrbios neurológicos transitórios, denominados de aura. Além disso, existe a possibilidade de uma evolução para enxaqueca crônica, na qual as crises se tornam altamente frequentes.

Acredita-se amplamente que a patogênese da enxaqueca envolve a ativação periférica e central do sistema trigeminovascular, e que a depressão alastrante cortical seja o substrato neurofisiológico subjacente da aura da enxaqueca. No entanto, muito permanece desconhecido sobre processos patogênicos específicos e poucas opções de tratamento baseadas em mecanismo existem atualmente.

Os tratamentos incluem medicamentos agudos e preventivos e uma variedade de terapias não farmacológicas. Apesar dessas opções de tratamento e dos critérios diagnósticos abrangentes, o atendimento clínico permanece abaixo do ideal – diagnósticos errôneos e subtratamento são desafios substanciais para a saúde pública. 

Dados de base populacional da Europa indicam que a medicação preventiva para enxaqueca é usada por apenas 2–14% dos indivíduos elegíveis, uma descoberta alarmante. Uma abordagem abrangente é necessária para facilitar o diagnóstico preciso e o manejo baseado em evidências.

Enxaqueca: Diagnóstico e tratamento em 10 etapas

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Estudo sobre o diagnóstico e tratamento da enxaqueca

A Danish Headache Society, European Headache Federation (EHF) e European Academy of Neurology desenvolveram uma abordagem em dez etapas para o diagnóstico e tratamento da enxaqueca.  O objetivo da abordagem é apoiar os cuidados e a tomada de decisão clínica por médicos generalistas, neurologistas e especialistas em cefaleia.

Etapa 1: Quando suspeitar de enxaqueca

  • Suspeite de enxaqueca sem aura em uma pessoa com cefaleia recorrente moderada a intensa, principalmente se a dor for unilateral e / ou pulsante e quando a pessoa apresentar sintomas associados, como fotofobia, fonofobia, náusea e / ou vômito.
  • Suspeite de enxaqueca com aura em uma pessoa com os sintomas acima e distúrbios visuais e/ou hemissensoriais recorrentes e de curta duração.
  • Suspeita de enxaqueca crônica em uma pessoa com ≥15 dias de dor de cabeça por mês.
  • A suspeita de enxaqueca deve ser reforçada por uma história familiar e se o início dos sintomas ocorrer na puberdade ou próximo a ela.

Etapa 2: Diagnóstico de enxaqueca

  • Faça um histórico médico cuidadoso, aplicando os critérios da ICHD-3.
  • Utilize ferramentas de diagnóstico validadas e de triagem, como diários de cefaléia, o questionário de “three-item ID-Migraine questionnaire”  e “the five-item Migraine Screen Questionnaire (MS-Q). 
  • Considere diagnósticos diferenciais, incluindo outros transtornos de cefaleia primários e secundários.
  • Use neuroimagem apenas quando houver suspeita de um distúrbio de cefaleia secundária.

Etapa 3: Educação e “foco” no paciente

  • Forneça a cada paciente uma explicação completa da enxaqueca como uma doença e dos princípios de seu tratamento.
  • Considere os fatores predisponentes e desencadeadores.
  • Cumpra os princípios do cuidado escalonado para alcançar a terapia individualizada ideal.

Medicações de primeira linha (AINES + antieméticos, se necessário) > Três ataques sem sucesso no tratamento. > Medicações de Segunda linha (Triptanos, considerar combinações com AINES) > Três ataques consecutivos sem sucesso no tratamento > Trocar para outro triptano. > Falha em todos os triptanos > Drogas de terceira linha (“ditans”ou “gepans”)

Etapa 4: Tratamento agudo

  • Ofereça medicação para fase aguda a todas as pessoas que tenham crises de enxaqueca.
  • Aconselhe o uso de medicamentos agudos no início da crise de enxaqueca, pois a eficácia depende do uso oportuno com a dose correta.
  • Aconselhe os pacientes que o uso frequente e repetido de medicamentos agudos corre o risco de desenvolver  cefaleia por uso excessivo de medicamentos 
  • Use AINEs (ácido acetilsalicílico, ibuprofeno ou diclofenaco de potássio) como medicamento de primeira linha.
  • Use triptanos como medicação de segunda linha.
  • Considere combinar triptanos com AINEs de ação rápida para evitar recidivas recorrentes.
  • Considere “ditanss” e “gepants” como medicamentos de terceira linha.
  • Use antieméticos procinéticos (domperidona ou metoclopramida) como medicamentos orais adjuvantes para náuseas e / ou vômitos.
  • Evite alcalóides de ergotina, opioides e barbitúricos.

Etapa 5: Tratamento preventivo

  • Considere o tratamento preventivo em pacientes que são afetados pela crise de enxaqueca em ≥ 2 dias por mês, apesar do tratamento agudo otimizado.
  • Use betabloqueadores (atenolol, bisoprolol, metoprolol ou propranolol), topiramato ou candesartana como medicamentos de primeira linha.
  • Use flunarizina, amitriptilina ou (em homens) valproato de sódio como medicamentos de segunda linha.
  • Considere os anticorpos monoclonais CGRP como medicamentos de terceira linha.
  • Considere os dispositivos neuromoduladores, a terapia biocomportamental e a acupuntura como adjuvantes da medicação aguda e preventiva ou como tratamento preventivo autônomo quando a medicação for contra-indicada.

Etapa 6: Gerenciando a enxaqueca em populações especiais

  • Em pacientes com enxaqueca de início tardio aparente, suspeite de uma causa subjacente.
  • Em pessoas mais velhas, considere os maiores riscos de cefaleia secundária, comorbidades e eventos adversos com a idade avançada.
  • Em crianças e adolescentes com enxaqueca, apenas o repouso na cama pode ser suficiente; caso contrário, use ibuprofeno para tratamento agudo e propranolol, amitriptilina ou topiramato para prevenção.
  • Em mulheres grávidas ou amamentando, use paracetamol para tratamento agudo e evite medicação preventiva sempre que possível.
  • Em mulheres com enxaqueca menstrual, considere a terapia preventiva perimenstrual com um AINE de ação prolongada ou triptano.

Etapa 7: Acompanhamento, resposta ao tratamento e falha

  • Avalie as respostas ao tratamento logo após o início (após 2–3 meses) ou uma mudança de tratamento e regularmente a partir de então (a cada 6–12 meses).
  • Avalie a eficácia do tratamento avaliando a frequência dos ataques, a gravidade dos ataques e a incapacidade relacionada à enxaqueca.
  • Quando os resultados são abaixo do ideal, reveja o diagnóstico, a estratégia de tratamento, a dosagem e a adesão.
  • Se todo o tratamento falhar, questione o diagnóstico e considere o encaminhamento a um especialista.

Etapa 8: Gerenciando complicações

  • Eduque os pacientes com enxaqueca sobre o risco de cefaleia por uso excessivo de medicamentos.
  • Gerencie a cefaleia por uso excessivo de medicamentos por meio de explicação e retirada do medicamento usado em excesso; a retirada abrupta é preferida, exceto para opioides.
  • Reconhecer e, quando possível, modificar os fatores de risco para a transformação da enxaqueca episódica em enxaqueca crônica.
  • Encaminhe pacientes com enxaqueca crônica para atendimento especializado.
  • Uma vez que a hipótese de cefaleia por uso excessivo de medicamentos foi descartada, inicie a terapia medicamentosa preventiva para enxaqueca crônica; as opções de tratamento baseadas em evidências são topiramato, onabotulinumtoxinA e anticorpos monoclonais CGRP.

Etapa 9: reconhecer e gerenciar comorbidades

  • Certifique-se de que as comorbidades sejam identificadas em pacientes com enxaqueca, pois podem afetar a escolha do tratamento e os resultados.
  • Ajuste os tratamentos de acordo e considere as possíveis interações entre os efeitos adversos relacionados ao medicamento e o perfil de comorbidade do paciente.

Leia também: Você sabe identificar o que é uma enxaqueca vestibular?

Etapa 10: Acompanhamento de longo prazo

  • A atenção primária deve ser responsável pelo manejo de longo prazo dos pacientes com enxaqueca.
  • O encaminhamento de um especialista de volta à atenção primária deve ser oportuno e acompanhado por um plano de tratamento abrangente.
  • O paciente pode ser encaminhado de volta ao atendimento primário assim que a eficácia sustentada com terapia preventiva por até 6 meses for obtida sem efeitos adversos substanciais relacionados ao tratamento.

Autor:

Referências bibliográficas:

 

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar