Ginecologia e Obstetrícia

Enxaqueca e resultados perinatais adversos na gravidez

Tempo de leitura: 2 min.

Os quadros de enxaqueca acometem em torno de 28% de mulheres em idade fértil. Fisiopatologicamente, a migrânea cursa com processo inflamatório sistêmico, disfunção endotelial e aumento, portanto, de eventos tromboembólicos relacionados a gravidez.

Uma revisão sistemática publicada no Obstetrical Gynecological Survey em 2019 já estudou os efeitos adversos de pacientes com migrânea relacionados à origem placentária, incluindo Doenças Hipertensivas e parto prematuro.

Leia também: Migrânea: como identificar e tratar?

Análise recente

No American Journal of Obstetrics and Gynecology do último 30 de abril de 2022 foi publicado um estudo para testar a hipótese de estudo em pacientes nuliparas com antecedente de migrânea referida e sua associação com taxas maiores de efeitos adversos na gravidez.

O estudo nuMOM2b (Nulliparous Pregnancy Outcomes Study Monitoring Mothers-to-be — estudo de monitoramento gestacional de nulíparas que desejam ser mães) envolveu 10.038 mulheres americanas com gestações únicas em seguimento desde a gravidez precoce até o parto. Incluíram-se mulheres no primeiro trimestre com história de migrânea. Definiu-se como Desfecho Gestacional Adverso ≥ 1 se algum dos seguintes eventos estiverem presentes:

  • hipertensão gestacional;
  • pré-eclâmpsia/eclâmpsia;
  • parto pré-termo;
  • pequeno para idade gestacional (feto ao nascimento);
  • natimorto.

Os antecedentes patológicos como hipertensão, obesidade, tabagismo e outras comorbidades foram comparados entre participantes do estudo que tinham ou não migrânea.

Achados

Concluíram o estudo 9.450 pacientes com 19,1% (1752) queixando-se de migrânea desde a primeira visita ao pré-natal. Após ajuste de todos os fatores que diferiram para p< 0,1 em análises univariáveis, as participantes com migrânea apresentaram taxas maiores de desfechos adversos gestacionais (OR ajustada 1,26, 95% IC; 1,12-1,41). Essas pacientes com migrânea também referiram proporcionalmente maior proporção de tabagismo recente, doenças autoimunes e doenças renais crônicas.

Saiba mais: Migrânea com aura: lamotrigina pode ser uma alternativa eficaz na profilaxia?

Olhando para os desfechos individualmente, as participantes evoluíram com chances maiores de doenças hipertensivas e partos prematuros. Os desfechos com atenção a natimortos e pequenos para idade gestacional não apresentaram prevalência relevante.

“Os quadros de migrânea podem então estar subrreconhecidos como fatores de risco para efeitos adversos gestacionais”, finalizam os autores.

Compartilhar
Publicado por
João Marcelo Martins Coluna

Posts recentes

Quando pensar em traumatismo por abuso em crianças? (caso clínico)

Como reconhecer um caso de traumatismo por abuso em crianças? No clinical drops, você recebe…

14 horas atrás

WONCA 2022: Congresso abre discussões sobre importância da Medicina da Família em tempos atuais

Acompanhe a cobertura completa do congresso internacional de medicina de família (WONCA 2022) aqui no…

17 horas atrás

O impacto de dez comorbidades na mortalidade por SDRA

Estima-se que a síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) representa 10,4% do total de internações…

18 horas atrás

CDC aprova o uso da vacina Moderna contra covid-19 para crianças de 6 a 17 anos

O CDC aprovou, por unanimidade, o uso da vacina contra covid-19 da Moderna para crianças…

19 horas atrás

Qual o melhor tratamento para a artrite reumatoide? Estudo de vida real compara DMARDs biológicos e sintéticos alvo específicos

Estudo que comparou a efetividade de quatro diferentes bDMARDs e tsDMARDs no tratamento da artrite…

22 horas atrás

Caso raro: em cirurgia inédita no Brasil, médica queima tumor de bebê dentro do útero materno

Em cirurgia inédita no Brasil, um bebê de 29 semanas de gestação passou por um…

23 horas atrás