Epilepsia de lobo temporal: aspectos importantes para a prática clínica

As epilepsias são responsáveis por grande parte dos atendimentos neurológicos. A epilepsia de lobo temporal é uma das mais prevalentes, cerca de 60%. Entenda:

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar esse conteúdo crie um perfil gratuito no AgendarConsulta.

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

As epilepsias são responsáveis por uma grande parcela dos atendimentos neurológicos. Dentre as causas focais, as epilepsias de lobo temporal (ELT) são as mais prevalentes, com estimativa de 60%. Com isso, o seu reconhecimento é de suma importância para realizar o diagnóstico e tratamento e, por consequência, diminuir o grande impacto gerado na qualidade de vida destes pacientes.

Algumas características são de grande valia que auxiliam no seu reconhecimento e na sua condução. São elas:

  • Surgimento no final da primeira década e início da 2ª década: Os adolescentes e os adultos jovens são os mais acometidos desta epilepsia, e, portanto, há um impacto psicológico, social e econômico intenso em suas vidas.
  • Dentre as causas principais da epilepsia de lobo temporal, destacam-se as seguintes: genética, mal-formação congênita, anóxia peri-parto, traumatismos cranianos, hemorragia intra-craniana, injúria vascular isquêmica, má formação artério-venosa, hemangioma cavernoso, glioses e malácias secundárias a injúrias diversas, tumores, infecções (encefalites e meningites) e esclerose hipocampal.
  • As crises epilépticas de lobo temporal possuem características quanto à aura e às crises. As auras tendem a ser sensitivo-sensoriais em até 90% dos casos, havendo descrição de alterações psíquicas, alucinações auditivas, dé-jàvu, jamais-vu, sensação de medo, desconforto gástrico, alterações gustativas, olfatórias (muito relatado), visuais e somestésica dentre as principais, dependendo da região acometida. As crises podem durar um total de 60 a 90 segundos.
  • Vale ressaltar que a ELT pode ser classificada em Epilepsia Temporal Mesial (ETM) ou Epilepsia Temporal Lateral (ETL), tendo cada uma as suas peculiaridades.
  • A ETM é a mais prevalente, correspondendo a 80% das ELT. A ocorrência de crises febris prolongadas nos primeiros anos de vida, o que se torna seu fator de risco mais importante, estando associado a esclerose do hipocampo, a sua principal causa. Esta pode ser unilateral ou bilateral, tendo o paciente um ou dois focos independentes que podem acarretar as crises. O acometimento do hemisfério dominante do paciente está relacionando com crises disperceptivas e seu pós-ictal com desorientação. As crises acometendo o hemisfério não dominante podem ser apresentadas na forma de vômitos, de urgência urinária e de atos de cuspir, além do pós ictal sem alterações marcantes. Importante mencionar que essas crises epilépticas raramente generalizam.
  • Já a ETL, devido ao seu vasto território, está relacionada a diversas causas, e em razão das múltiplas conexões locais acometidas, tende a gerar crises motoras e a generalizar com facilidade.
  • A fenomenologia, ou seja, a semiologia das crises, pode ter características peculiares que ajudam na sua investigação. Na ETM, o paciente pode apresentar movimentos oro-faciais, automatismos manuais, além de postura distônica de membro contralateral durante o evento epiléptico
  • Quanto ao tratamento, é importante avaliar a refratariedade ao tratamento farmacológico, algo típico da história da ETM.
  • Na Epilepsia de Lobo Temporal, particularmente a Epilepsia Temporal Mesial pode ter um grande benefício do tratamento cirúrgico, a amigdalo-hipocampectomia transtemporal, do qual pode reduzir cerca de 80% das crises epilépticas, e, em alguns casos, pode alcançar 99,9% de redução.
  • Por fim, ressalta-se que, mesmo após a cirurgia ter sido um sucesso e o paciente não tenha apresentado crises, não está indicada a retirada dos medicamentos anti-epilépticos ou sua redução, por pelo menos um período de 2 anos a partir do tratamento cirúrgico.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Referências:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastre-se grátis Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe e-books, e outros materiais para aprimorar sua prática médica e gestão Baixe e-books, e outros materiais
para aprimorar sua prática
médica e gestão

Especialidades

Tags