Leia mais:
Leia mais:
Enxaqueca e resultados perinatais adversos na gravidez
Epilepsia e gravidez: como devemos abordar?
Síndrome do Gêmeo Desaparecido: entenda o caso [podcast]
Dia Mundial de Conscientização da Epilepsia
Check-up Semanal: retinoblastoma, Candida auris, via aerea supraglótica na PCR extra-hospitalar e mais! [podcast]

Epilepsia e gravidez: como devemos abordar?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

No passado, as mulheres com epilepsia já foram aconselhadas a evitar a gravidez, mas hoje, ela não é mais considerada uma contraindicação para a mesma.  Neste cenário, algumas perguntas são importantes:

epilepsia e gravidez

Qual o impacto da epilepsia no curso da gravidez? 

Mulheres com epilepsia correm maior risco de uma série de complicações perinatais em comparação com a população em geral, incluindo pré-eclâmpsia, parto prematuro, hemorragia, restrição de crescimento fetal, natimorto e um risco dramaticamente aumentado de mortalidade materna.  A cesariana também é mais comum entre as mulheres com epilepsia.  Embora a observação desses riscos tenha sido consistente em várias populações, as razões subjacentes a esses aumentos não são bem compreendidas.

Qual impacto a gravidez tem no risco das crises epilépticas?

Pelo menos metade das mulheres com epilepsia não terá alteração de seu padrão de crise durante a gravidez, mas algumas experimentam piora das mesmas em comparação com sua linha de base. Possíveis fatores de risco para o aumento das crises durante a gravidez incluem: frequência basal das mesmas antes da gravidez, epilepsia subjacente relacionada à localização (focal), politerapia de drogas antiepilépticas (DAEs), adesão do paciente e farmacocinética alterada de drogas durante a gravidez.

Qual efeito as DAEs têm no feto?

As maiores malformações congênitas são mais comuns em fetos expostos in utero em comparação com filhos de mulheres não tratadas com epilepsia e mulheres sem epilepsia. Em todos os estudos, o valproato apresenta o maior risco de maiores malformações.  A fenitoína , o fenobarbital e o topiramato também foram associados a taxas basais relativamente altas de malformações. Muitos regimes de politerapia também aumentam o risco. A exposição in utero a algumas drogas está associada a um desenvolvimento cognitivo e neurológico prejudicado.

Novos dados de um grande estudo de coorte sugerem que as mulheres grávidas com epilepsia devem ser submetidas ao monitoramento periódico de medicamentos terapêuticos desde o início da gravidez e estar cientes de que pode ser necessário aumentar a dosagem das DAEs durante a gestação.

As novas descobertas vêm do estudo Maternal Outcomes and Neurodevelopmental Effects of Antiepileptic Drugs (MONEAD), um grande estudo de coorte prospectivo de 20 locais comparando mulheres grávidas com epilepsia com um grupo controle de mulheres não grávidas com epilepsia.

Informações básicas do novo trabalho, publicado em 14 de fevereiro no  JAMA Neurology , explicam por que o tratamento de mulheres grávidas com epilepsia requer atenção especial à dosagem de medicamentos.
As DAE não são apenas potencialmente teratogênicas, mas o tratamento é ainda mais complicado por alterações farmacocinéticas induzidas pela gravidez (diminuição da ligação proteica, metabolismo hepático alterado e aumento do fluxo sanguíneo renal).

O aumento da eliminação de DAE durante a gravidez pode diminuir as suas concentrações da linha de base pré-concepção e podem aumentar significativamente ao risco de crise.

O que você precisa saber sobre o monitoramento de drogas antiepilépticas e ajuste de dose 

Dadas as alterações no volume de distribuição e o aumento da depuração renal e do metabolismo hepático das DAEs associadas à gravidez, os seus níveis sanguíneos devem ser monitorados em intervalos regulares.

É preciso dosar os níveis das drogas e ajustar as dosagens conforme necessário para manter a concentração sérica alvo individualizada do paciente: Como fazer?

  • Rotineiramente em intervalos de quatro semanas durante a gravidez, e começando quando a gravidez é descoberta;
  • Uma vez na visita pós-parto de seis semanas;
  • Imediatamente, se o paciente relatar ou apresentar aumento das crises ou piora da gravidade das mesmas e
  • Imediatamente, se o paciente sentir tontura, visão turva ou outras queixas comuns associadas à toxicidade das medicações.

Quando os níveis sanguíneos não estão disponíveis, um relatório de 2019 da Liga Internacional Contra a Epilepsia (ILAE) observa que é razoável aumentar a dose da DAE após o primeiro trimestre para mulheres com epilepsia quando as seguintes condições se aplicarem:

  • O tratamento envolve DAEs que são propensos a alterações marcantes na depuração ( lamotrigina , levetiracetam e oxcarbazepina ) com a gravidez;
  • Crises tônico-clônicas;
  • O controle das crises foi sensível às mudanças nos níveis de DAE antes da gravidez e
  • A paciente entrou na gravidez com a menor dose efetiva de DAE

Leia também: Qual malformação cerebral traz mais risco de epilepsia neonatal?

Existem várias questões importantes a serem abordadas pela equipe de atendimento quando uma mulher com epilepsia engravida.  Portanto, o manejo bem-sucedido dessas gestações envolve, idealmente, consulta pré-natal e bom diálogo entre obstetrícia e neurologia. Lembre-se, as DAEs não são apenas potencialmente teratogênicos, elas precisam ser monitorizadas.

Autor(a):

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades
#  Pennell PB, Karanam A, Meador KJ, et al; for the MONEAD Study Group. Antiseizure medication concentrations during pregnancy: Results from the Maternal Outcomes and Neurodevelopmental Effects of Antiepileptic Drugs (MONEAD) Study: https://jamanetwork.com/journals/jamaneurology/fullarticle/2789145. JAMA Neurol 2022; Epub 2022 Feb 14. # Tomson T, Battino D, Bromley R, et al. Management of epilepsy in pregnancy: a report from the International League Against Epilepsy Task Force on Women and Pregnancy. Epileptic Disord 2019; 21:497. https://www.uptodate.com/contents/management-of-epilepsy-during-preconception-pregnancy-and-the-postpartum-period/abstract/2
Referências bibliográficas:

    O Portal PEBMED é destinado para médicos e demais profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

    Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.