Página Principal > Colunistas > Escala de Coma de Glasgow: confira o que mudou a partir do ATLS 10
ATLS 10

Escala de Coma de Glasgow: confira o que mudou a partir do ATLS 10

Tempo de leitura: 3 minutos.

A Escala de Coma de Glasgow (ECG), publicada pela primeira vez em 1974, até hoje é usada como medida clínica objetiva da gravidade da lesão cerebral em pacientes, incluindo os politraumatizados. Seguindo nossa série de postagens sobre a Décima Edição do Advanced Trauma Life Suport (ATLS 10), traremos para vocês a principais mudanças que ocorreram no uso da escala.

Leia mais: Ressonância magnética funcional pode explicar como pacientes acordam do coma

Nesta edição, os autores seguiram a tendência de atualizações propostas por Sir Graham Teasdale e trouxeram uma comparação entre escala original x escala revisada:

ECG ORIGINAL ESCALA REVISADA PONTUAÇÃO
Abertura ocular (O) Abertura ocular (O) OCULAR
     
Espontânea Espontânea 4
Ao estímulo verbal Ao estímulo verbal 3
Ao estímulo doloroso À pressão 2
Nenhuma Nenhum 1
  Não testável NT
     
Resposta verbal (V) Resposta verbal (V) VERBAL
Orientado Orientado 5
Conversa confusa Confuso 4
Palavras inapropriadas Palavras 3
Sons incompreensíveis Sons 2
Nenhuma Nenhuma 1
  Não testável NT
Resposta motora (M) Resposta motora (M) MOTORA
Obedece a comandos Obedece a comandos 6
Localiza dor Localizando 5
Movimento de retirada Flexão normal 4
Flexão anormal (decorticação) Flexão anormal 3
Extensão (descerebração) Extensão 2
Nenhum (flácido) Nenhuma 1
  Não testável NT

Pontuação ECG = (O [4] + V [5] + M [6]) = Melhor pontuação possível 15; pior pontuação possível 3. * Se uma área não puder ser avaliada, nenhuma pontuação numérica será dada àquela região e será considerada “não testável”.

Na tabela a seguir, traremos uma explicação da escala revisada:Observações sobre as mudanças da escala:

Critério: ESCALA REVISADA
  Abertura ocular (O)
Olhos abertos previamente à estimulação Espontânea
Abertura ocular após ordem em tom de voz normal ou em voz alta Ao estímulo verbal
Abertura ocular após estimulação da extremidade dos dedos À pressão
Ausência persistente de abertura ocular, sem fatores de interferência Nenhuma
Olhos fechados devido a fator local Não testável
   
  Resposta verbal (V)
Resposta adequada relativamente ao nome, local e data Orientado
Resposta não orientada mas comunicação coerente Confuso
Palavras isoladas inteligíveis Palavras
Apenas gemidos Sons
Ausência de resposta audível, sem fatores de interferência Nenhuma
Fator que interfere com a comunicação Não testável
   
  Resposta Motora (M)
Cumprimento de ordens com 2 ações Obedece a comandos
Elevação da mão acima do nível da clavícula ao estímulo na cabeça ou pescoço Localizando
Flexão rápida do membro superior ao nível do cotovelo, padrão não anormal Flexão normal
Flexão do membro superior ao nível do cotovelo, padrão predominante anormal Flexão anormal
Extensão do membro superior ao nível do cotovelo Extensão
Ausência de movimentos dos membros superiores/inferiores Nenhum
Fator que limita resposta motora Não testável

A publicação original das atualizações da ECG orienta pressão no leito ungueal por 10 segundos (no exemplo, eles utilizam uma caneta para pressionar) para avaliar resposta ocular. Atenção: os estímulos dolorosos como a fricção do esterno são explicitamente desencorajados.

  1. Locais para estímulo de pressão além do leito ungueal: trapézio e incisura supraorbitária, sendo estes últimos usados na resposta motora.

Significado das pontuações:

Uma pontuação de 8 ou menos na ECG configura uma definição geralmente aceita de coma ou lesão cerebral grave. Pacientes com lesão cerebral que tenham uma pontuação ECG de 9 a 12 são categorizados como tendo “Lesão moderada” e indivíduos com escore ECG de 13 a 15 são designados como tendo “lesão leve”.

Em 2018, as atualizações da ECG também incluíram as pupilas, porém a nova edição do ATLS não contemplou esta mudança.

Leia mais sobre o ATLS 10:

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Dayanna de Oliveira Quintanilha

Médica no Hospital Naval Marcílio Dias ⦁ Residência em Clínica Médica na UFF ⦁ Graduação em Medicina pela UFF ⦁ Contato: dayquintan@hotmail.com

Referências:

2 Comentários

  1. Parabéns…excelente artigo .

  2. Francisca Honorato leite

    Sou enfermeira, trabalho em emergência num hospital do interior da Bahia, região oeste, cidade Wanderley, e às dificuldades são em Messas. Essas orientações me ajudaria muito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.