Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Neurologia / Esclerose Múltipla e refrigerante estão relacionados? Descubra
esclerose múltipla

Esclerose Múltipla e refrigerante estão relacionados? Descubra

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 3 minutos.

Títulos como esse parecem sensacionalista, mas não deixa de ser o que o paciente pergunta durante uma consulta de rotina. Afinal, refrigerantes ou bebidas ricas em açucares interferem nos sintomas de pacientes com esclerose múltipla? Em março deste ano a American Academy of Neurology (AAN) publicou um texto em seu portal, justamente sobre este tema.

Para pessoas com esclerose múltipla (EM), beber cerca de 290 calorias por dia de refrigerante ou outras bebidas adoçadas com açúcar, ou o equivalente a cerca de duas latas de refrigerante não dietético, pode estar associado a sintomas mais graves e a um nível mais alto de incapacidade em comparação com pessoas com esclerose múltipla que raramente consomem bebidas adoçadas com açúcar. Está afirmação é de um estudo preliminar divulgado em 5 de março deste ano, que será apresentado na 71ª Reunião Anual da Academia Americana de Neurologia em Filadélfia, de 4 a 10 de maio de 2019. As pessoas que raramente consumiam bebidas açucaradas ingeriam uma média de sete calorias em bebidas açucaradas por dia, ou o equivalente a uma lata e meia de refrigerante não dietético por mês. Refrigerantes e outras bebidas doces foram o único tipo de alimento que estava relacionado aos sintomas da esclerose múltipla no estudo.

“Os pacientes com EM geralmente querem saber como a dieta e os alimentos específicos podem afetar a progressão de sua doença”, disse a autora do estudo Elisa Meier-Gerdingh, do Hospital St. Josef em Bochum, Alemanha, e membro da Academia Americana de Neurologia. “Embora não tenhamos encontrado um link com a dieta geral, curiosamente, encontramos um link com aqueles que bebiam refrigerantes, sucos artificiais, chás e cafés adoçados”.

Leia maisChocolate quente pode ajudar pessoas com esclerose múltipla?

O estudo envolveu 135 pessoas com esclerose múltipla. Os participantes preencheram um questionário sobre sua dieta. Pesquisadores, em seguida, analisaram o quão perto cada dieta dos participantes era da dieta DASH (Dieta para redução de hipertensão). A dieta DASH recomenda cereais integrais, frutas e legumes, produtos lácteos com baixo teor de gordura, carnes magras, aves, peixes, nozes e legumes e limita alimentos que são ricos em gordura saturada e açúcar.

“Escolhemos estudar a dieta DASH porque a adesão à dieta DASH está associada a um menor risco de outras doenças crônicas, como pressão alta, diabetes e doenças cardiovasculares”, disse Meier-Gerdingh.

Os pesquisadores também mediram o nível de incapacidade dos participantes usando a Expanded Disability Status Scale (EDSS), um método comum para quantificar a incapacidade variando de 0, sem sintomas, a 10 pontos, morte devido à EM. Um total de 30 participantes apresentava incapacidade grave. No geral, os pesquisadores não encontraram uma ligação entre o que os participantes comiam e seu nível de incapacidade. Para refrigerantes e bebidas açucaradas, os participantes foram divididos em cinco grupos com base no quanto bebiam. As pessoas do grupo de topo consumiam uma média de 290 calorias de bebidas açucaradas por dia, enquanto o grupo mais baixo raramente ingeria bebidas açucaradas.

O estudo descobriu que os participantes que consumiram a maior quantidade de bebidas adoçadas com açúcar foram cinco vezes mais propensos a ter deficiência grave do que as pessoas que raramente bebiam bebidas adoçadas com açúcar. Das 34 pessoas do grupo de topo, 12 tinham deficiência grave, em comparação com 4 das 34 pessoas no grupo de baixo. O grupo de topo teve em média uma pontuação de incapacidade de 4,1 pontos, enquanto o grupo de baixo teve uma média de 3,4 pontos.

“Embora esses resultados precisem ser confirmados por estudos maiores que acompanham as pessoas durante um longo período de tempo, e os resultados não mostram que refrigerantes e bebidas açucaradas causam incapacidade mais grave, sabemos que os refrigerantes não têm valor nutricional e as pessoas com EM pode querer considerar reduzir ou eliminá-los de sua dieta “, disse Meier-Gerdingh.

As críticas ao estudo incluem o número relativamente pequeno de participantes. O levantamento também avaliou a dieta dos participantes e as bebidas adoçadas com açúcar ao mesmo tempo que a deficiência, por isso não é possível distinguir se é realmente um aspecto da dieta, como bebidas açucaradas, que contribui para uma maior incapacidade ou se a doença mais grave afeta a capacidade de uma pessoa ter uma dieta saudável. Estudos adicionais são necessários para avaliar se as bebidas açucaradas afetam o curso da doença.

É médico e quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.