Página Principal > Colunistas > Escores SOFA x qSOFA na sepse
diagnostico medicina

Escores SOFA x qSOFA na sepse

Tempo de leitura: 2 minutos.

A sepse é uma condição clínica de elevada importância em decorrência da morbimortalidade em pacientes críticos. De acordo com a Global Sepsis Alliance, atinge 27 milhões de pessoas no mundo por ano. O estudo que embasou o uso do SOFA e do quickSOFA foi inicialmente realizado em hospitais da Pensilvânia, nos Estados Unidos. A abordagem e estratégia terapêutica na sepse vai além da antibioticoterapia na primeira hora e reposição da volemia, e seu reconhecimento precoce salva vidas.

O conceito mais recente a define como uma infecção associada à disfunção orgânica (sepse 3.0, ano de 2016). O uso de drogas vasopressoras para manter uma pressão arterial média acima de 60 mmHg ou lactato acima do que 2 mmol/L, mesmo após adequada reposição volêmica, está relacionado ao conceito de choque séptico.

O escore SOFA é considerado padrão ouro no diagnóstico da sepse e está relacionado a maior mortalidade; todavia não é prático, pois envolve parâmetros laboratoriais (plaquetas, creatinina, bilirrubinas, PaO2). O escore varia de 0 a 4, e uma pontuação igual ou superior a 2 representa disfunção orgânica.

Uma tentativa de selecionar os pacientes com maior potencial de complicação envolve o escore quickSOFA, tendo como parâmetros: PA sistólica <100 mmHg, FR>22irpm e GCS<15. Cada variável conta 1 ponto (0 a 3) e pontuação igual ou maior a 2 sugere maior mortalidade e aumento de permanência em UTI. O qSOFA, apesar de não ser útil como diagnóstico, pode ser uma ferramenta de triagem útil, permitindo selecionar os pacientes que possuem um risco aumentado de pior desfecho.

Surviving Sepsis 2018: o que muda na sepse com essa atualização?

Autor:

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.