Página Principal > Colunistas > Especial de Carnaval: como cuidar de alguém com intoxicação alcoólica no plantão?
visão embaçada de um médico

Especial de Carnaval: como cuidar de alguém com intoxicação alcoólica no plantão?

Tempo de leitura: 2 minutos.

Em um homem saudável, o álcool ingerido começa a ser absorvido em 10 min, primariamente no delgado (80-90%). Em 30 a 90 min após a ingestão há o pico de concentração plasmática. Como o metabolismo hepático retira apenas 15-20 mg/dl/h, qualquer ingestão acima desses valores provocará intoxicação.

As primeiras manifestações são alterações comportamentais já bem vistas e experimentadas pela maioria de vocês. O perigo está nas formas avançadas, em especial, o cenário de rebaixamento do nível de consciência, onde a pessoa “sai carregada” do evento. Há risco potencial de vômito, broncoaspiração e hipoxemia. Além disso, cardiopatas estão sob risco de efeitos deletérios diretos, como as arritmias cardíacas.

Então, imagine-se em um plantão de Carnaval, e um grupo traz um amigo desacordado. A história é que “bebeu demais”. Por onde começar (na tabela 1 há aspectos especiais a serem avaliados)? Primeiro divida o atendimento em dois caminhos paralelos:

  1. Suporte dos sinais vitais – via aérea, oxigenação e circulação;
  2. Obter mais informações com familiares/amigos.

Tabela 1: avaliação do paciente com intoxicação alcoólica aguda

Sinais trauma: o paciente bêbado tem maior risco de quedas e acidentes. Uso outras drogas: em especial, os depressores, como heroína e benzodiazepínicos, pois potencializam os efeitos do álcool.
Medicações uso recente. Vômito: muito comum, é potencial causa de broncoaspiração → hipoxemia → PCR.
Comorbidades, em especial cardiopatia. Olho nas pupilas! No paciente pouco cooperativo, pode ser a dica para lesão estrutural e déficit focal.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Na avaliação inicial (tabela 2), colete laboratório com hemograma, bioquímica e hepatograma. Faça glicemia capilar imediatamente. Se houver sinais focais ou história de trauma, tomografe crânio e cervical; uma radiografia de tórax também entra na lista.

Tabela 2: manejo do paciente bêbado

E o tratamento? Hidratação é a pedra fundamental. Use cristaloide, bolus inicial 10-20 ml/kg e depois 20-30 ml/kg/24h. Acrescente glicose no soro, mínimo de 100 g (400 kcal). Ao contrário de outras intoxicações exógenas, a lavagem gástrica é pouco útil, dada a rápida absorção do álcool. A reposição de tiamina é mais importante no alcoólatra e deve ser feita antes da infusão de glicose (100 mg parenteral ou 300 mg oral).

Na pessoa hígida, que só bebeu demais no Carnaval, não é tão importante assim. Drogas antieméticas como metoclopramida ou ondansetrona são ótimas para reduzir o risco de vômito; se o paciente persistir vomitando, um decúbito lateral direito (posição de segurança) ajuda. Não há ainda um antídoto para os efeitos do álcool nem medicações para prevenir a ressaca. Imagina o sucesso no dia que lançarem!!!

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autor:

3 Comentários

  1. LEONARDO Lopez

    Muito Boa está informação. Excelente explanação.

  2. ANDRE LUIS PEREZ SOLERA

    Ocorrencia diaria… piorada nas festas

  3. Boa noite. Paciente hígidos sem intoxiação grave, precisam de hidratação endovenosa?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.



Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.