Neurologia

Estafilocinase: Novo trombolíticio é testado na Rússia no estudo FRIDA

Tempo de leitura: 2 min.

Um estudo com estafiloquinase, randomizado, financiado pelo governo russo, com resultados positivos foi publicado na Lancet Neurology mês passado.

A estafilocinase não imunogênica é estafilocinase recombinante modificada com baixa imunogenicidade, alta atividade trombolítica e seletividade para fibrina. O objetivo do estudo russo com o trombolíticio foi avaliar a segurança e eficácia de um único bolus intravenoso de estafilocinase não imunogênica em comparação com alteplase em pacientes com AVC isquêmico agudo em 4,5 h após o início dos sintomas.

O estudo

Fizeram um estudo randomizado, aberto, multicêntrico, de grupos paralelos em 18 centros clínicos na Rússia. 

De 385 pacientes recrutados de 18 de março de 2017 a 23 de março de 2019, 336 (87%) foram incluídos no estudo. 

  • 168 (50%) pacientes foram aleatoriamente designados para receber estafilocinase não imunogênica e 168 (50%) para receber alteplase.
  • A duração mediana do acompanhamento foi de 89 dias (IQR 89–89).
  • 84 (50%) de 168 pacientes no grupo de estafilocinase não imunogênica tiveram um resultado favorável no nonagésimo dia em comparação com 68 (40%) de 168 pacientes no grupo de alteplase (odds ratio [OR] 1.47, 95%IC 0,93 a 2,32; p = 0,10). A diferença na taxa de resultado favorável no nonagésimo dia foi de 9,5% (IC 95% -1,7 a 20,7).
  • A hemorragia intracraniana sintomática ocorreu em cinco (3%) pacientes no grupo de estafilocinase não imunogênica e em 13 (8%) pacientes no grupo de alteplase (p = 0,087).
  • No nonagésimo dia, 17 (10%) pacientes no grupo de estafilocinase não imunogênica e 24 (14%) pacientes no grupo de alteplase morreram (p = 0,32)
  • 22 (13%) pacientes no grupo de estafilocinase não imunogênica tiveram eventos adversos graves, em comparação com 37 (22%) pacientes no grupo de alteplase (p = 0,044).

Leia também: Trombectomia mecânica tem eficácia em casos agudos de AVC isquêmico?

Conclusões

O estudo apresenta número limitado de pacientes e desenhado para avaliação de não-inferioridade, com resultados melhores do que o trombólitico rTPA, padrão ouro nos centros de AVC. 

Um pouco estranho um ativador do plasminogênio de origem bacteriana, descrito em 1948 “ressurgir das cinzas” em uma estudo patrocinado pelo governo russo e demonstrar não inferioridade ao rTPA, sem sequer ter sido apresentado formalmente antes.

Autor:

Referências bibliográficas:

 

Compartilhar
Publicado por
Felipe Resende Nobrega

Posts recentes

20 de janeiro – Dia Nacional da Parteira Tradicional

O dia 20 de janeiro é considerado o Dia Nacional da Parteira Tradicional, em homenagem…

1 hora atrás

Casos de diabetes no Brasil aumentam 26,61% em dez anos, revela levantamento

Nos últimos dez anos houve um aumento de 26,61% no número de casos de diabetes…

1 hora atrás

Mão-pé-boca: doença do verão

No verão, o número de casos de crianças com a doença mão-pé-boca aumenta. O blog…

15 horas atrás

Sobrecarga médica no cenário atual da Covid-19

No episódio de hoje do podcast da PEBMED, confira sobre o cenário atual da Covid-19…

16 horas atrás

Medicina Baseada em Evidências: como não afundar no oceano de informações?

A 7 edição da Revista PEBMED será sobre Medicina Baseada em Evidências. Aqui, mapeamos os caminhos…

17 horas atrás

Encefalopatia hepática encoberta: o que é?

A encefalopatia hepática é uma alteração metabólica e reversível de déficit cognitivo ou alteração de…

18 horas atrás