Cardiologia

Estatina venosa durante o infarto do miocárdio é eficaz?

Tempo de leitura: 2 min.

A estatina é um medicamento com diversos benefícios cardiovasculares, ela atua na redução da progressão da placa aterosclerótica, além de reduzir a inflamação e os níveis de LDL colesterol. A droga já provou seu benefício quando utilizada em altas doses na doença arterial coronariana aguda, entretanto o tempo ideal e o regime da administração parecem incertos.

Os estudos com estatina pós-infarto e pré-procedimentos invasivos nas coronárias são conflitantes em reduzir eventos cardiovasculares maiores em 30 dias. Entretanto, pode ser vista uma redução no tamanho do infarto e na apoptose celular caso a estatina seja administrada precocemente. Esse efeito se daria independentemente da redução do LDL colesterol, pelas propriedades anti-inflamatórias da droga e ativação de enzimas cardioprotetoras.

Diante desses fatos um grupo de pesquisadores resolveu testar os efeitos da atorvastatina injetável durante o infarto do miocárdio em comparação a atorvastatina oral após o evento.

Leia também: Qual o risco x benefício das estatinas em idosos?

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Características do estudo

É importante frisar inicialmente que o experimento foi feito em porcos, com isquemia induzida (através de um balão na artéria descendente anterior) e que receberam dieta hipercolesterolêmica 10 dias antes do evento.

O estudo separou os animais em 3 grupos, cada um com 7 animais, o primeiro grupo recebeu atorvastatina venosa durante o infarto (0,5 mg/kg), enquanto o segundo grupo recebeu apenas o veículo da injeção, sem a droga. Já o terceiro grupo recebeu atorvastatina oral após o infarto (1 mg/kg). Após o evento inicial os animais do grupo 1 e 3 receberam atorvastatina oral por 42 dias, enquanto o grupo 2 recebeu placebo.

A avaliação dos danos do infarto e do remodelamento foram avaliados através de ressonância cardíaca no terceiro e quadragésimo segundo dia. Foram levados em conta padrões de remodelamento, fibrose, cavidades das câmaras entre outras variáveis.

Houve também a coleta de amostras de sangue para a avaliação de lipídeos, citocinas inflamatórias e o perfil hepático.

Resultados

O resultado foi uma redução de 10% do tamanho do infarto no grupo da estatina venosa em relação aos outros grupos. Além de 50% de preservação do miocárdio. No 42º dia houve redução da cicatriz do infarto nos grupos que receberam estatinas. Entretanto, o grupo da estatina venosa teve 24% a mais de redução. Além de apresentar menor prejuízo a função miocárdica e um perfil inflamatório melhor do que o grupo que utilizou placebo.

Conclusão

Ainda que a terapia para o infarto reduza a mortalidade dos pacientes, a insuficiência cardíaca ainda é uma desagradável consequência que temos de encarar devido ao remodelamento cardíaco. Apesar desse estudo ter sido conduzido em animais e não mostrar desfechos clínicos, ele mostra que a estatina venosa, administrada no momento do infarto é uma opção promissora ao menos para reduzir os impactos negativos sobre o infarto no músculo cardíaco.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Mendieta G, et al. Intravenous Statin Administration During Myocardial Infarction Compared With Oral Post-Infarct Administration. J Am Coll Cardiol. 2020 Mar; 75 (12) 1386-1402.
Compartilhar
Publicado por
Gabriel Quintino Lopes

Posts recentes

Dia nacional de conscientização sobre retinoblastoma: o que eu preciso saber sobre esse tumor?

Dia 18 de setembro é o Dia Nacional de Conscientização e Incentivo ao Diagnóstico Precoce…

39 minutos atrás

Whitebook: Dia Mundial da Sepse

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook Clinical Decision vamos fazer a apresentação…

5 horas atrás

Origens e fundamentos da MBE – Parte 1: Relação entre o tratamento precoce com antibióticos para sepse e ida à feira

Nesse artigo, vamos analisar mais detalhadamente o primeiro princípio fundamental da medicina baseada em evidências…

7 horas atrás

Infecção puerperal e sepse materna: um evento prevenível?

A sepse puerperal é cinco causas mais frequentes de morte materna no mundo, sendo responsável…

21 horas atrás

Podcast Integrado: O papel do SUS para o profissional de saúde [podcast]

Confira o podcast dos canais da PEBMED sobre o papel do SUS para o profissional…

22 horas atrás

O que pode te ajudar no tratamento do paciente séptico?

Como manejar o paciente séptico do ponto de vista hemodinâmico ao longo das próximas horas…

23 horas atrás