Estudo sueco aborda a associação de depressão perinatal e mortalidade

A depressão perinatal é definida como a depressão que ocorre durante a gravidez (antenatal) ou semanas após o parto (pós-parto)

A depressão perinatal afeta cerca de 10 a 20% das mulheres. Sabe-se que essa morbidade tem risco aumentado de mortalidade materna, suicídio e outros desdobramentos que afetam a qualidade de vida.

Diante de evidências que a depressão perinatal está associada com o aumento da mortalidade materna, um grupo de autores suecos desenvolveram um estudo, cujo objetivo foi investigar essa associação na população da Suécia. O resultado desse estudo, foi publicado recentemente no British Medical Journal.

Grávida com depressão perinatal

Metodologia

Trata-se de um estudo de coorte de base nacional. Foram identificadas todas as gestações no registro médico de nascimento sueco entre 1º de janeiro de 2001 e 31 de dezembro de 2017 (n=1.803.987; 1.041.419 mulheres). Foram excluídas gestações múltiplas (n=51.806), gestações subsequentes por depressão perinatal incidente (n=35.133) ou gestações com registros incompletos ou errôneos (n=681), restando 1.716.367 gestações de 1.029.215 mulheres. Foram identificadas 86.551 mulheres que receberam o primeiro diagnóstico de depressão perinatal (ou seja, sem diagnóstico prévio) através de registro de atendimento especializado ou tratadas com antidepressivos.

Leia mais: O que preciso saber para o atendimento de asfixia perinatal?

Para cada mulher afetada, foram selecionadas aleatoriamente dez mulheres que não apresentavam esse distúrbio na base do estudo e pareadas usando um método de amostragem por densidade de incidência.

O desfecho primário foi óbito por qualquer causa, enquanto os desfechos secundários foram óbitos por causas específicas. Enquanto a variável exposição foi depressão perinatal, definida como qualquer diagnóstico de depressão por meio de atendimento especializado ou dispensação de antidepressivos durante a gestação e até um ano após o parto.

Principais achados

Foram notificados 522 óbitos (0,82 por 1.000 pessoas/ano) entre mulheres com diagnóstico de depressão perinatal. A idade mediana dessas mulheres foi de 31 anos. Quando comparadas a mulheres sem esse diagnóstico, a depressão perinatal estava associada a um risco aumentado de morte (RR 2,11; IC95% 1,86-2,40). Esse risco de morte parece ser maior na depressão pós-parto que naquela anteparto (HR 2,71; IC95% 2,26-3,26 vs 1,62; IC 95%, 1,34-1,94).

A associação foi mais pronunciada no primeiro ano após o diagnóstico, mas permaneceu até os 18 anos de seguimento do estudo. Quanto as causas, a associação mais fortes foi observada com o suicídio.

Conclusões e mensagem final

Esse artigo acrescenta a literatura vigente que mulheres com depressão perinatal clinicamente diagnosticada apresentam risco aumentado de mortalidade, independentemente da história psiquiátrica e de fatores familiares. A associação é mais forte para morte não natural, particularmente devido ao suicídio, e durante o primeiro ano após o diagnóstico.

Esses dados corroboram a importância que o tema saúde mental deve ser pautada nos sistemas de saúde. E especialmente a saúde mental da população obstétrica, outrora muito ignorado, vem mostrando cada vez mais sua prevalência e associação com desfechos desfavoráveis na saúde materno-infantil.

Leia ainda: Doença hemolítica perinatal: como manejar?

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  • Hagatulah N, Bränn E, Oberg AS, Valdimarsdóttir UA, Shen Q, Lu D. Perinatal depression and risk of mortality: nationwide, register based study in Sweden. BMJ. 2024 Jan 10;384:e075462. DOI: 10.1136/bmj-2023-075462.