Europa é o novo epicentro da pandemia de coronavírus; no Brasil, RJ e SP têm transmissão comunitária

Tempo de leitura: 3 min.

Em coletiva de imprensa hoje, 13, o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que a Europa é o novo epicentro da pandemia da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV2). Entre as justificativas está o fato de que os casos por dia da Europa ultrapassaram a quantidade diária da China durante pico da epidemia no país.

O continente agora contabiliza mais casos e mortes do que o resto do mundo junto, com exceção da China. Além disso, a China já está em processo eficiente de controle do vírus, com as atividades começando a voltar ao normal no país. Ao todo, a OMS anunciou hoje mais de 132 mil casos, de 123 países e territórios, com mais de 5 mil mortes.

Para o diretor-geral, é muito importante que os países tomem medidas mais drásticas para conter a transmissão do coronavírus, já que foi o que conseguiu ser efetivos na China e Coreia do Sul. Para ele, a essa altura,ainda é muito difícil prever quando os casos se estabilizarão e se continuarão crescendo neste ritmo.

Com a nova definição, é necessário considerar como caso suspeito pessoas que vieram qualquer país da Europa ou tiveram contato próximo com algum viajante. Mas desde o dia 9, o Ministério da Saúde já adotou recomendações da OMS de realizar testes de coronavírus em pacientes internados com síndrome respiratória aguda grave em cidades que já possuem casos, mesmo sem histórico de viagem ou contato, e naqueles pacientes com síndrome gripal que forem atendidos em unidades da Rede Sentinela, que abrange mais de 114 unidades e postos de saúde no país.

Coronavírus no Brasil

No Brasil, os casos continuam crescendo rapidamente, e o Ministério da Saúde confirmou, hoje, em coletiva de imprensa, 98 casos em 12 estados, sendo São Paulo o maior centro. Segundo o balanço de secretarias de saúde junto do Hospital Albert Einstein, porém, os casos já chegaram a 150. A pasta confirmou também que as capitais de São Paulo e Rio de Janeiro têm casos de transmissão comunitária, quando não é possível identificar a fonte.

Com base nas orientações da OMS, também foi recomendado às secretarias de saúde de todo o país que grandes eventos sejam cancelados e as férias escolares sejam antecipadas. Alguns governadores, como do Rio de Janeiro e Brasília, já adotaram as medidas a partir de segunda-feira, 16.

O presidente Jair Bolsonaro teve teste negativo para a doença após voltar de viagem dos Estados Unidos com seu secretário de comunicação, que teve confirmação laboratorial da Covid-19.

Leia também:

Coronavírus

Os sintomas mais comuns apresentados são de uma infecção respiratória, sendo o principal a tríade: febre, tosse e dificuldade para respirar. Outros sinais e sintomas respiratórios e até gastrointestinais podem aparecer; casos mais graves podem apresentar pneumonia e síndrome respiratória aguda grave.

São considerados casos suspeitos:

  • Febre + pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, batimento das asas nasais entre outros) + histórico de viagem para área com transmissão local ou contato próximo com caso suspeito nos últimos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintomas; OU
  • Febre OU pelo menos um sinal ou sintoma respiratório (tosse, dificuldade para respirar, batimento das asas nasais entre outros) + contato próximo de caso confirmado de coronavírus (Covid-19) em laboratório, nos últimos 14 dias anteriores ao aparecimento dos sinais ou sintomas.

O diagnóstico é feito com exames de aspirado de nasofaringe (ANF) ou swabs combinado (nasal/oral) ou também amostra de secreção respiratória inferior (escarro ou lavado traqueal ou lavado bronca alveolar). O profissional deve realizar duas coletas de amostras e encaminhar para o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen). Uma das amostras será enviada ao Centro Nacional de Influenza (NIC) e outra amostra será enviada para análise de metagenômica. A confirmação acontece quando há detecção do RNA viral.

Confira aqui a lista de hospitais de referência para o novo coronavírus no país!

Os casos suspeitos, prováveis e confirmados devem ser notificados de forma imediata (até 24 horas) pelo profissional de saúde responsável pelo atendimento. As informações devem ser inseridas na ficha de notificação, neste link, e a CID10 que deverá ser utilizada é a: B34.2 – Infecção por coronavírus de localização não especificada.

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Clara Barreto

Posts recentes

Ceratite infecciosa e lentes de contato: O que precisamos saber?

A ceratite infecciosa é a complicação mais séria que pode decorrer do uso de lentes…

18 horas atrás

Hemorragia intracraniana em pacientes que tomam anticoagulantes orais

A hemorragia intracraniana é potencialmente devastadora associada à terapia anticoagulante. Sua reversão é uma emergência. Saiba…

18 horas atrás

Covid-19: Pesquisa do Ministério da Saúde vai avaliar comportamento dos brasileiros durante a pandemia

A PrevCOV do Ministério da Saúde tem o objetivo de entender o comportamento da Covid-19…

20 horas atrás

Formigamento no dedo mínimo da mão: pode ser a síndrome do túnel cubital

A síndrome do túnel cubital é a segunda neuropatia compressiva mais comum (perde apenas para…

21 horas atrás

Eliminando o câncer de colo de útero em tempos de Covid-19

No ano de 2020, os 194 países da OMS foram convocados, pela primeira vez, a…

22 horas atrás

Covid-19: papel da homocisteína na estratificação de risco

As diferenças epidemiológicas entre os países sugere que fatores étnicos e genéticos tenham impacto nas…

23 horas atrás