Exames de imagem para diagnóstico e manejo das artropatias induzidas por cristais

Recomendações publicadas pela EULAR sobre o uso dos exames de imagem para o diagnóstico e manejo das artropatias induzidas por cristais

As artropatias induzidas por cristais são doenças articulares muito frequentes na população geral e contemplam a gota, a doença por depósito de pirofosfato de cálcio (CPPD) e a doença por Depósito de Fosfato Básico de Cálcio (DFBC). Cada uma dessas doenças possui fenótipos específicos, e a necessidade do uso de exames de imagem é frequente, inclusive permitindo a diferenciação entre elas.

Nesse sentido, a European Alliance of Associations for Rheumatology (EULAR) publicou recentemente recomendações baseadas em evidência sobre o uso dos exames de imagem na prática clínica para o diagnóstico e manejo das artropatias induzidas por cristais.

Exames de imagem para diagnóstico de artropatias

Métodos

A produção das recomendações foi aprovada pelo Conselho da EULAR e coordenada por dois reumatologistas e dois metodologistas. Foram convidados 25 reumatologistas especialistas em artropatias por cristais, radiologistas musculoesqueléticos, metodologistas, profissionais de saúde dois representantes da EMEUNET e dois pacientes, representando 11 países. Após reuniões, foram elencadas 14 perguntas de pesquisa e foi conduzida uma revisão sistemática da literatura para cada uma delas.

A partir da revisão, foram definidos 5 princípios gerais e produzidas 10 recomendações sobre o uso da imagem nas artropatias induzidas por cristais.

Leia também: A artroplastia patelofemoral deve ser indicada isoladamente em artroses?

Princípios gerais

As artropatias por cristais são doenças tipicamente caracterizadas por episódios agudos de inflamação, mas também podem apresentar sintomas crônicos da doença (com surtos de inflamação associados ou não).

O uso dos exames de imagem na avaliação desses pacientes fornece informações relevantes a respeito do depósito dos cristais, inflamação e dano estrutural associado.

As alterações na imagem causadas pela presença de depósitos de cristais podem não representar consequências clínicas para o paciente.

A análise das imagens obtidas de pacientes com artropatias induzidas por cristais deve ser realizada por pessoal com experiência no tema.

Recomendações

  • Na avaliação por imagem de pacientes portadores ou com suspeita de artropatias induzidas por cristais, deve ser considerada a aquisição de imagens das regiões sintomáticas, bem como de sítios de acometimento característico por cada doença (por exemplo, primeira metacarpofalangiana na gota e joelhos e punhos na CPPD).
  • Na suspeita de gota, a ultrassonografia e a tomografia com dupla energia (DECT) são os exames de escolha para o diagnóstico da doença.
  • A realização da artrocentese com sinovianálise (considerada o padrão-ouro para o diagnóstico das artropatias induzidas por cristais) pode ser dispensada nos casos de suspeita de gota nos quais existam alterações típicas nos exames de imagem (por exemplo, duplo contorno e tofos na US ou depósitos sugestivos de urato monossódico na DECT).
  • A radiografia convencional e a US são os exames de escolha para avaliação dos pacientes com suspeita de CPPD. Nos casos em que exista a hipótese de acometimento axial (por exemplo, a síndrome do dente coroado), a TC da região afetadas por ser informativa.
  • A realização de imagem para o diagnóstico de DFBC é fundamental, e a radiografia ou a US podem ser utilizadas para esse propósito.
  • Na gota, a monitorização dos depósitos de urato monossódico pode ser realizada através da DECT ou do US. O US apresenta como vantagem adicional a possibilidade de avaliação da inflamação. As informações fornecidas por esses métodos podem ser úteis para complementar a avaliação clínica e laboratorial. Na indisponibilidade dos 2 métodos, a radiografia convencional pode ser utilizada para avaliar dano estrutural às articulações.
  • Na CPPD e na DFBC, a repetição seriada de exames de imagem não é recomendada, a menos que haja uma mudança inesperada no quadro clínico.
  • Na gota, a avaliação dos depósitos de urato monossódico através do DECT ou do US podem auxiliar na predição do risco de ocorrência de surtos inflamatórios pela doença.
  • O US pode ser utilizado para guiar procedimentos de artrocentese e infiltração, especialmente nos casos com dificuldades anatômicas para sua realização.
  • A utilização dos exames de imagem como ferramenta de educação dos pacientes com artropatias induzidas por cristais podem auxiliar na maior adesão ao tratamento.

Saiba mais: Tromboembolismo venoso após artroplastia total de joelho e de quadril

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  • Mandl P, D'Agostino MA, Navarro-Compán V, et al. 2023 EULAR recommendations on imaging in diagnosis and management of crystal-induced arthropathies in clinical practice. Ann Rheum Dis 2024;0:1–8. DOI: 10.1136/ard-2023-224771.

Especialidades