Oncologia

Exercício é remédio em pacientes com ou após o câncer!

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Todo mundo sabe que praticar exercícios físicos é uma forma de manter uma boa saúde. O que nós – oncologistas – já sabíamos mas não era consenso é que pacientes oncológicos em recuperação ou mesmo em tratamento também podem (e devem) se exercitar  pelo menos três vezes por semana. Essa informação veio das novas diretrizes publicadas simultaneamente pelo American College of Sports Medicine (ACSP)  junto com a American Cancer Society (ACS) endossadas por várias outras entidades. 

Existem cerca de 15,5 milhões de pessoas nos EUA que tiveram câncer e espera-se que este número dobre na próxima década. Desde 2010, a ACSP recomenda a prática de exercícios físicos para melhorar a capacidade física, reduzir fadiga, melhorar a qualidade de vida aumentando a recuperação funcional. Apesar dessas recomendações a maioria dos pacientes COM câncer ou APÓS o câncer não são fisicamente ativos de forma regular.

A baixa adesão a essa recomendação resultou na criação de novas diretrizes mais proativas (exercício é remédio!). O objetivo é reduzir este déficit no cuidado dos pacientes, aumentar o engajamento dos médicos em avaliar, encaminhar os pacientes, estimular e reforçar que, no geral, fazer exercícios é seguro na maioria dos pacientes oncológicos, mas exige também a quebra de paradigma entre os profissionais de saúde e pacientes sobre este tema antes tratado como um tabu. Para os serviços médicos e financiadores dos Sistema de Saúde surge o desafio de como financiar a estruturação dessas equipes e como recompensar os pacientes que adotam essa prática. Tudo deve ser feito para que um paciente seja o mais ativo possível, para evitar a inatividade

SAIBA MAIS: Exercícios aliviam depressão por câncer, doenças cardiovasculares e crônicas

Mais  evidências científicas foram obtidas desde então (> 300% de aumento). Foram publicados mais de 2500 estudos randomizados sobre exercícios em pacientes oncológicos de 2010-2018. Eles mostram que exercícios aeróbicos ou uma combinação de exercícios aeróbicos com treinos de resistência – essas prescrições de exercícios que os americanos chamam de “FITT” (frequency, intensity, time and type) – podem melhorar sintomas de ansiedade, a saúde óssea, sintomas de depressão, reduzir o risco de cardiotoxicidade, melhorar a função cognitiva, diminuir o risco de quedas, menor risco de linfedema, menos dor, menos náuseas, melhora da fadiga e do sono, melhora a tolerância ao tratamento oncológico, melhora da atividade sexual. Ou seja, traz uma melhora na qualidade de vida em geral.

Evidentemente, pacientes que tiveram câncer devem receber uma avaliação global de saúde, não só cardiovascular, mas idealmente avaliação de força muscular, resistência, flexibilidade e composição de gordura, massa muscular, etc antes de iniciar exercícios físicos. E devem receber supervisão específica para as suas necessidades conforme o tipo de câncer, fase do tratamento, limitações para receber uma prescrição de exercícios individualizada. Isso, naturalmente, cria barreiras para os pacientes, mas é importante ressaltar que a grande maioria pode iniciar exercícios aeróbicos de baixa intensidade (caminhada ou bicicleta) sem maiores dificuldades. 

VEJA TAMBÉM: Outubro rosa: quais os benefícios da atividade física no câncer de mama?

As publicações reforçaram o conceito de que também a atividade física pode reduzir a probabilidade de desenvolver sete tipos de cânceres: câncer de cólon, mama, endometrial, rim, bexiga, esôfago e estômago. Pessoas fisicamente ativas tem até 70% menor risco de serem diagnosticadas câncer em geral em comparação com indivíduos sedentários. 

Exercício então é tratamento padrão! Se possível pratique exercícios aeróbicos de intensidade moderada por 30 minutos, 3 x/ semana, ou mais. Vale caminhar, nadar, dançar, andar de bicicleta. Melhor ainda se alternar com musculação 2x/ semana. 

“É simples e essencial. Levante-se e comece a se mexer”, concluiu Kathryn Schmitz, da Penn State University,  ao The New York Times. 

Tá esperando o quê?

Autor:

Referências bibliográficas:

  • American Cancer Society. Exercise Is Medicine in Oncology: Engaging Clinicians to Help Patients Move Through Cancer Kathryn H. Schmitz, PhD, MPH et al. CA Cancer J Clin 2019;0:1-17. © 2019 DOI: 10.3322/caac.21579. Available online at cacancerjournal.com
  • Campbell KL, B.Sc. P.T., M.Sc., Ph.D., F.A.C.S.M., et al. Exercise Guidelines for Cancer Survivors: Consensus Statement from International Multidisciplinary Roundtable. DOI: 10.1249/MSS.0000000000002116
Compartilhar
Publicado por
Gilberto Amorim

Posts recentes

Efeito das lentes de contato rígidas gás permeáveis no Ceratocone

O uso de lentes de contato é uma das medidas muito utilizadas na reabilitação visual…

6 horas atrás

Whitebook: Intoxicação por cloroquina no ECG

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook vamos falar um pouco sobre a…

10 horas atrás

O paciente como um todo: entendendo o indivíduo, a família e o contexto

A experiência que cada paciente tem é única e esse entendimento, pelo médico, é fundamental…

1 dia atrás

As aplicabilidades da escala de coma de Glasgow [podcast]

No episódio de hoje, Felipe Nobrega comenta sobre o uso da escala de coma de…

1 dia atrás

Tempo mínimo de tratamento para a pneumonia adquirida na comunidade: o estudo PCT

A duração difundida do tratamento antimicrobiano para pneumonia adquirida na comunidade, de 5 a 10…

1 dia atrás

Modelo de predição de parto prematuro para mulheres em trabalho de parto prematuro

O paradigma envolvendo o parto prematuro é a dificuldade de diagnóstico, uma vez que seus…

1 dia atrás