Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cirurgia / Existe benefício no tratamento cirúrgico da radiculopatia lombar?
médicos cirurgiões realizando cirurgia para radiculopatia lombar

Existe benefício no tratamento cirúrgico da radiculopatia lombar?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

A radiculopatia lombar, também conhecida como ciática, é uma síndrome dolorosa por irradiação acometendo o território de uma raiz nervosa. Pode cursar com déficit sensitivo ou motor ou mesmo apenas dor.

A compressão radicular ocorre mais frequentemente por hérnias de disco ou alterações degenerativas na região lombar embora também possa ser causada por processos infecciosos, neoplásicos, inflamatórios, doenças vasculares ou alterações congênitas.

A prevalência desta condição varia de 1,6-13,4% sendo maior em homens entre 45-64 anos embora possa ocorrer em outras idades. É uma causa frequente de atendimento médico.

O tratamento pode envolver manejo cirúrgico para tratar da causa subjacente ou uso de métodos não cirúrgicos para tratamento sintomático.

Radiculopatia lombar

Recentemente, uma revisão sistemática publicada analisou estudos entre 2007-2019 comparando resultados da abordagem cirúrgica e do tratamento conservador da radiculopatia lombar.

Foram selecionados artigos nas plataformas PubMed, Cochrane e clinicaltrials.gov. Os critérios de inclusão utilizados foram estudos em língua Inglesa, ensaios clínicos controlados ou randomizados envolvendo etiologia não relacionada a infecções, neoplasias, lesões traumáticas ou congênitas.

Leia também: Lombalgia: atualização sobre o manejo de pacientes com dor lombar

Foram analisadas as seguintes intervenções cirúrgicas: discectomia, laminectomia, laminotomia, foraminectomia, nucleotomia, nucleoplastia envolvendo micro acessos ou acessos minimamente invasivos. As estratégias conservadoras avaliadas foram: fisioterapia, tratamento farmacológico, manipulação espinhal, tratamento quiroprático e estratégias combinadas.

Os estudos selecionados envolviam avaliação da melhora da dor, melhora funcional, sintomas neurológicos, retorno ao trabalho, qualidade de vida, complicações pós cirúrgicas, reoperações, segurança, custos de tratamento e uso de opioides.

Os parâmetros selecionados foram avaliados em curto (menos de 12 semanas), médio e longo prazo (mais de 52 semanas).

Resultados

Foram encontradas 1954 citações, das quais após revisão de título e resumo foram excluídos 1717, e 225 após revisão completa do texto, sobrando 12 artigos referentes a oito estudos. Dos trabalhos selecionados sete abordavam eficácia, sete segurança e três custos de tratamento.

Os resultados revisados evidenciaram melhora dos parâmetros em curto a médio prazo com as estratégias cirúrgicas, mas não evidenciaram diferenças a longo prazo. A cirurgia reduziu a dor nas pernas em 6-26 pontos a mais do que intervenções não cirúrgicas medidas numa escala visual analógica de 0 a 100 pontos de dor considerando até 26 semanas de acompanhamento. Diferenças entre os grupos não persistiram em um ano ou mais.

Melhorias na função física e incapacidade foram pequenas a curto e médio prazo e semelhantes no longo prazo. As diferenças na Qualidade de vida não foram encontradas a curto e médio prazo, e foram inconsistentes a longo prazo (evidência insuficiente). Sintomas neurológicos e retorno ao trabalho não foram diferentes em nenhum momento.

Veja mais: Dor lombar na sala de emergência: indicações de imagem

As estratégias cirúrgicas se mostram seguras. As principais complicações envolveram lesões durais, entretanto, a incidência destas complicações é baixa e complicações maiores envolvendo mortes não ocorreram nos estudos. A eficácia de custos do tratamento cirúrgico foi intermediária podendo não ser efetiva para o paciente, o custo médio por ano de vida ajustado à qualidade foi de U$51.150-86.322.

Existem limitações na revisão analisada. Dos estudos utilizados, cinco apresentam alto risco de viés incluindo métodos inadequados de ocultação aleatória ou de alocação, falta de cegamento, atrito e crossover.

Em resumo , as estratégias cirúrgicas se mostraram eficientes a curto e médio prazo para melhora da dor, mas não a longo prazo. Os demais parâmetros analisados apresentaram pouca diferença quanto as estratégias comparadas. A cirurgia se mostrou segura e com custo intermediário a ser avaliado como benéfico ou não pelo usuário.

Autor:

Referências bibliográficas:

  • Clark, R., Weber, R.P. & Kahwati, L. Surgical Management of Lumbar Radiculopathy: a Systematic Review. J GEN INTERN MED (2019) doi:10.1007/s11606-019-05476-8
  • Hsu PS, Armon C, Levin K. Acute Lumosacral Radiculopathy: Pathophysiology, Clinical Features, and Diagnosis. Waltham, MA: UpToDate Inc.; 2017.
  • Konstantinou K, Dunn KM. Sciatica: review of epidemiological studies and prevalence estimates. Spine. 2008;33(22):2464-2472.
  • Tosteson AN, Skinner JS, Tosteson TD, et al. The cost effectiveness of surgical versus nonoperative treatment for lumbar disc herniation over two years: evidence from the Spine Patient Outcomes Research Trial (SPORT). Spine. 2008;33(19):2108-2115.
  • van den Hout WB, Peul WC, Koes BW, Brand R, Kievit J, Thomeer RT. Prolonged conservative care versus early surgery in patients with sciatica from lumbar disc herniation: cost utility analysis alongside a randomised controlled trial. BMJ (Clinical Research ed). 2008;336(7657):1351-1354.
  • Anderson JL, Heidenreich PA, Barnett PG, et al. ACC/AHA statement on cost/value methodology in clinical practice guidelines and performance measures: a report of the American College of Cardiology/American Heart Association Task Force on Performance Measures and Task Force on Practice Guidelines. Circulation. 2014;129(22):2329-2345.
  • Neumann PJ, Cohen JT, Weinstein MC. Updating costeffectiveness—the curious resilience of the $50,000-per-QALY threshold. The New England Journal of Medicine. 2014;371(9):796-797. 25.
  • National Guideline Centre. National Institute for Health and Care Excellence: Clinical Guidelines. In: Low Back Pain and Sciatica in Over 16 s: Assessment and Management. London: National Institute for Health and Care Excellence; 2016.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.