Ginecologia e Obstetrícia

Existe diferença na frequência do orgasmo entre pessoas com diferentes orientações sexuais?

Diversos estudos já mostraram que existe diferença na frequência de orgasmos durante o sexo entre homens e mulheres heterossexuais. No entanto, pouco se sabe sobre essa disparidade entre pessoas com diferentes orientações sexuais.

Para examinar as diferenças de gênero, orientação sexual e práticas na frequência do orgasmo, pesquisadores analisaram cerca de 50 mil adultos, divididos em:

  1. homens heterossexuais (n = 26.032)
  2. homens gays (n = 452)
  3. homens bissexuais (n = 550)
  4. mulheres heterossexuais (n = 24.102)
  5. mulheres gays (n = 340)
  6. mulheres bissexuais (N = 1.112)

Homens heterossexuais foram mais propensos a dizer que geralmente/sempre têm orgasmo durante o sexo (95%), seguido por homens gays (89%), homens bissexuais (88%), mulheres lésbicas (86%), mulheres bissexuais (66%) e, por último, mulheres heterossexuais (65%).

Mulheres que relataram orgasmos mais frequentes foram mais propensas a: receber mais sexo oral, ter maior duração do sexo, ser mais satisfeita com o seu relacionamento, pedir o que quer na cama, elogiar o seu parceiro na cama, trocar mensagens eróticas, usar lingerie, experimentar novas posições sexuais, aceitar estimulação anal, realizar fantasias e expressar amor durante o sexo.

Mulheres foram mais propensas ​​ao orgasmo se seu último encontro sexual incluísse beijo, estimulação genital e/ou sexo oral, além da penetração vaginal.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Para os pesquisadores, os resultados confirmam as perspectivas feministas e evolutivas, que indicam que a frequência do orgasmo é menor entre as mulheres. As frequências para mulheres heterossexuais só se aproximaram das dos homens quando outros comportamentos foram adicionados (por exemplo, sexo oral, estimulação manual). Esses achados são consistentes com a visão de que há diferenças biológicas entre homens e mulheres na relação sexual.

No entanto, os resultados também demonstram que essa disparidade pode ser reduzida, abordando fatores socioculturais e incentivando uma maior variedade de atividades durante a relação sexual. O fato de que as mulheres lésbicas tiveram orgasmos mais frequentemente do que as heterossexuais sugere que muitas mulheres heterossexuais poderiam experimentar maiores taxas de orgasmo.

Referências:

  • Frederick, D.A., John, H.K.S., Garcia, J.R. et al. Arch Sex Behav (2017). doi:10.1007/s10508-017-0939-z
Compartilhar
Publicado por
Vanessa Thees

Posts recentes

Nova classificação para complicações relacionadas a cirurgias de retina

O descolamento de retina regmatogênico (DRR) é a emergência relacionada à retina mais comum e…

2 horas atrás

Superinfecção bacteriana em pacientes com pneumonia grave por Covid-19

A real incidência e impacto das complicações por infecção badcteriana nos pacientes intubados por formas…

3 horas atrás

Aumento de casos de puberdade precoce tem relação com a pandemia?

O crescimento incomum da puberdade precoce foi identificado por pesquisadores ao compararem os números de…

5 horas atrás

Intubação na escassez de sedativo: quais as alternativas medicamentosas? [podcast]

Neste episódio, o Dr. Filipe Amado falará sobre como realizar intubação no cenário de escassez…

19 horas atrás

Diagnóstico de mieloma múltiplo: o papel dos exames de imagem

O mieloma múltiplo (MM) é uma neoplasia hematológica que resulta da proliferação clonal de plasmócitos…

20 horas atrás

5 mnemônicos para salvar o plantão

Os mnemônicos, que já são consagrados como estratégia de estudo, também podem nos ajudar na…

21 horas atrás