Enfermagem

Fadiga pandêmica: identificação e cuidados de enfermagem

Tempo de leitura: 3 min.

O fenômeno conhecido como fadiga pandêmica merece a atenção da comunidade de saúde. No ano de 2020 o mundo conheceu realmente a força da pandemia causada pelo vírus Sars-CoV-2, causador da Covid-19. A doença provocou uma situação crítica no mundo e depois de milhares de vidas perdidas outros problemas começam a ser desvelados.

Vivenciamos um tempo prolongado e ininterrupto de exposição a situações de forte carga emocional. Estamos frente a necessidade de adaptações, sendo necessário frequentes adaptações no vivenciar de um esgotamento físico e emocional que parece não ter fim. No período de mais de um ano, frequentemente nos deparamos com diminuição da nossa qualidade de vida, nesse período o distanciamento social, o isolamento, a modificação das rotinas familiares, escolares, de trabalho, desemprego, doença e morte. A fadiga pandêmica é um problema que deve ser conhecido e identificado pelos profissionais de saúde. 

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Conheça os principais sinais e sintomas da fadiga pandêmica

  • Cansaço exaustivo diário;
  • Distúrbios do sono;
  • Tristeza e sentimento de incertezas;
  • Sentimento de melancólico,
  • Sentimento de aflição ou angústia;
  • Dores musculares;
  • Cefaléia ou cefalalgia;
  • Agitação, impaciência e conflitos em relacionamentos interpessoais;
  • Uso exagerado da internet e das redes sociais;
  • Uso exagerado de álcool e outras substâncias;
  • Choro fácil e desestabilidade emocional;
  • Sentimento de mal-estar não compreendido.

Os profissionais de enfermagem devem saber identificar e estimular o autocuidado. Lembre-se que nesses tempos de pandemia a telenfermagem pode ser uma saída para a orientação, assim como informativos que podem chegar até a comunidade e modificar a compreensão da população sobre o fenômeno. Os problemas de saúde mental, muitas vezes levam tempo para ser percebidos pela pessoa em sofrimento e isso o leva a um detrimento de sua saúde. Por esse motivo é importante estimular uma conduta aliada a prevenção de agravos e prejuízos à saúde mental da população que já vem sofrendo com tantas outras questões que se tornaram vulnerabilidades nesses tempos de pandemia. Dessa forma, algumas atitudes podem contribuir para evitar a fadiga pandêmica, oriente o usuário do serviço de saúde ou a população à:

  • Criar uma rotina diária de atividades a serem realizadas;
  • Estabelecer limites pessoais frente às situações estressoras;
  • Constituir um planejamento para o lazer, dentro das possibilidades, criando atividades que saudáveis e agradáveis;
  • Realizar reuniões remotas com pessoas que tenha afinidade, afinal a tecnologia pode ajudar com a socialização;
  • Desenvolver e recuperar algum hobby preferido;
  • Considerar suas crenças espirituais e religiosas e não deixe de praticá-las;
  • Filtrar o conteúdo midiático sobre o adoecimento e morte;
  • Regular o tempo de acesso a internet e aos seus conteúdos;
  • Buscar espaços de divisão de emoções, para tentar dividir o que sente;
  • Se alimente bem e tenha hábitos saudáveis;
  • Faça atividade física e evite o sedentarismo;
  • Procure profissionais para o cuidado em saúde, a terapia é uma ótima saída.

A recorrência de sinais pode levar a pessoa direto a um quadro de fadiga pandêmica. Por isso é necessário informar o usuário que não conseguindo lidar com as questões supracitadas é extremamente necessário buscar o serviço de saúde mais próximo, o apoio familiar e de pessoas próximas. Toda comunidade deve ser solidária nesse momento que estamos vivendo, então estimular o cuidado em saúde mental na rede, deve envolver a comunidade. Os cuidados devem assumir outra frente caso a necessidade da pessoa seja maior do que a descrita, para evitar complicações e surgimento de outras doenças como transtornos de ansiedade e depressão. Lembre-se que a assistência remota é plausível nos cuidados de saúde mental. Divulgue em sua comunidade os sintomas para que a população possa identificar tal problemática, uma vez que muitos passam por este problema mas não sabem identificar.

Profissionais da enfermagem e a saúde mental

Nós enfermeiros devemos sempre cuidar da saúde mental da população, mas não se esqueçam que nós também estamos vulneráveis a esse problema. Os enfermeiros e técnicos de enfermagem, são os grupos mais vulneráveis à fadiga pandêmica, pois vivem o estresse relacionado às diversas facetas do cuidado, associado ao isolamento domiciliar e o medo de contaminar seus familiares. Os sintomas da fadiga pandêmica podem ser recorrentes nos profissionais de saúde, principalmente nos profissionais de enfermagem. Por esse motivo, uma vigília com os colegas deve sempre existir. O corpo da enfermagem que coabita a atenção à saúde a pessoa com Covid-19, deve prever esse problema e criar espaços nos locais de cuidado para cuidar também do profissional de enfermagem. 

Nesse sentido, os espaços no ambiente laboral são fundamentais para cuidar de quem cuida. Lembre-se que a saúde mental é importante para todos, por isso, vamos cuidar informar a população e cuidar de todos que precisem de suporte. 

Autor:

Referências Bibliográficas

  • Dantas, Eder Samuel OliveiraSaúde mental dos profissionais de saúde no Brasil no contexto da pandemia por Covid-19. Interface – Comunicação, Saúde, Educação [online]. v. 25, suppl 1 [Acessado 19 Maio 2021] , e200203.
  • Folha informativa covid-19: escritório da Opas e da OMS no Brasil. Organização Pan-Americana da Saúde [Internet]. 2020 [acesso 9 jun 2020]. Disponível: https://bit.ly/2UAed9u
  • Minervino Alfredo José, Oliveira Marina Barbosa de, Cunha Kaio Aranda Lima da, Bereza Ygor Thalles Almeida. Desafios em saúde mental durante a pandemia: relato de experiência. Rev. Bioét.  2020  Dec;  28( 4 ): 647-654.
  • SCHMIDT, B., et al. Saúde mental e intervenções psicológicas diante da pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Estud. psicol. (Campinas) [online]. 2020, vol. 37, e200063. 

 

Compartilhar
Publicado por
Rafael Polakiewicz

Posts recentes

Fatores de risco para câncer de mama avançado após 2 anos de mamografia negativa

A mamografia pode reduzir em 15% a 20% a mortalidade por câncer de mama, mas…

27 minutos atrás

Relação da disbiose e autismo [podcast]

Dolores Henriques e Paula Hartmann conversam sobre o que há na literatura sobre a relação da…

1 hora atrás

Pré-natal do parceiro: desafios e soluções

O pré-natal do parceiro é uma das formas de inclui-los na paternidade consciente e ativa,…

2 horas atrás

Anemia ferropriva: suplementação de ferro reduz transfusões e tempo de internação 

Estudos analisam a influência da suplementação pré-operatória de ferro sobre resultados cirúrgicos de pacientes com…

3 horas atrás

Avaliação da deficiência de ferro durante a gestação

A deficiência de ferro pode chegar a prevalência de 59% nas gestantes ao redor do…

21 horas atrás

Recomendações pré-concepcionais para paciente com diabetes (tipo 1 ou 2) da ADA

Além da atenção focada em alcançar metas glicêmicas e os cuidados pré-concepcionais de rotina devem…

1 dia atrás