Home / Colunistas / Falência ovariana prematura: anticoncepcional ou terapia de reposição hormonal, qual escolher?

Falência ovariana prematura: anticoncepcional ou terapia de reposição hormonal, qual escolher?

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

A falência ovariana prematura é definida quando a mulher entra na menopausa antes dos 40 anos, sendo necessário a realização da prevenção das complicações decorrentes da diminuição hormonal, dentre elas a perda de massa óssea. Essa prevenção pode ser realizada através da terapia de reposição hormonal em baixa dosagem (TRH) ou do uso de anticoncepcional oral combinado (ACO).

Leia também: Novas perspectivas no tratamento da síndrome dos ovários policísticos em adolescentes não obesas

Todavia, de acordo com um estudo brasileiro publicado na Reuters Health em junho de 2020, evidenciou-se que o uso de ACO na falência ovariana prematura está associado a uma menor perda de densidade mineral óssea (DMO) quando comparado com TRH. Segundo uma das autoras, Dra. Cristina Laguna Benetti-Pinto (Universidade de Campinas, Brasil), apesar de existir uma forte recomendação do uso de estrogênios naturais, essa for de TRH não supre todas as necessidades e/ou não é um tratamento com boa adesão.

Segundo a Dra., as evidencias mostram que o ACO tende a ser visto pelas mulheres como uma boa opção de tratamento devido a simplicidade do método e por ser socialmente mais aceitável, associado a isso, algumas mulheres que ainda possuem risco de engravidar desejam o efeito contraceptivo do método. Porém, segundo ela, ainda faltam estudos que comparem os efeitos quanto a DMO e outros regimes posológicos.

Mulher que sofre de falência ovariana prematura

Método do estudo

O estudo comparou ACO contínuo (30 microgramas de etinilestradiol + levonorgestrel) com: TRH baixa dose contínuo (estrogênio conjugado 0,625 mg + medroxiprogesterona ou estradiol 1 mg + noretisterona), TRH alta dose contínuo (estrogênio conjugado 1,25 mg + medroxiprogesterona ou estradiol 2 mg + noretisterona) e tibolona 2,5 mg; As variáveis avaliadas foram a DMO da coluna lombar, fêmur e colo do fêmur através de densitometria óssea realizada em intervalo de 1 a 2 anos, na população de 119 mulheres com idade média de 30 anos.

Saiba mais: Como a terapia hormonal pode retardar a progressão da aterosclerose?

O grupo de usuárias de ACO apresentaram um aumento de massa óssea na coluna lombar e fêmur, apresentando um aumento médio na DMO da coluna lombar de 2,5% contra 1,8% em usuárias de TRH com altas doses, o aumento da DMO no fêmur nas mulheres em vigência de ACO contínuo foi de 2,4% contra 0,9%,2,2% e 0,02% para TRH em altas doses, tibolona e sem tratamento — respectivamente.

Mensagem final

Todavia, apesar dos resultados animadores é fundamental reforçar que para o uso do ACO é necessário orientação médica devendo ser individualizado caso a caso, sendo ainda necessário mais estudos para ser prescrita de rotina.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.