Coronavírus

Fatores sociodemográficos influenciam na incidência e na mortalidade por Covid-19?

Tempo de leitura: 2 min.

Para lidar melhor com a atual pandemia — e com as próximas —, em termos de medidas de saúde pública, é necessário identificar os fatores de risco relacionados a piores desfechos da doença. Assim, torna-se possível o direcionamento de esforços para prevenir e mitigar esses fatores, diminuindo o impacto epidêmico na população. Sabe-se que muitos desses fatores de risco são de ordem biológica e patológica, como comorbidades e doenças de base. Contudo, cada vez mais estudos apontam para a importância dos determinantes sociodemográficos na evolução da Covid-19 nas populações.

Leia também: Covid-19: vacinação em pacientes com insuficiência adrenal

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Estudo recente

No intuito de contribuir com essa linha de investigação, pesquisadores do Departamento de Medicina Interna da Universidade de Michigan, nos EUA, desenvolveram um estudo sobre a associação entre fatores de risco sociodemográficos, a nível populacional local, e a incidência e mortalidade por Covid-19. O estudo transversal comparou esses dados sobre a doença coletados da base de dados da Johns Hopkins University Center for System Science and Engineering, no período de 25 de março a 29 de julho de 2020. com o Índice de Vulnerabilidade Social (SVI, Social Vulnerability Index) de condados dos 50 estados do país.

O SVI é um índice desenvolvido pela Centers for Disease Control (CDC), dos EUA, composto por um escore de 0 a 1, em que quanto mais perto o resultado for de 1, mais vulnerável é a população local. Esse índice leva em consideração, em seu cálculo, os seguintes fatores sociodemográficos: taxas de pobreza e desemprego, renda per capita, nível educacional, composição familiar (idosos, pais solteiros, jovens etc), presença de pessoas com deficiências, presença de minorias étnico-raciais e linguísticas, estruturas do domicílio e do transporte local.

Saiba mais: Transtornos mentais possuem relação com quadros mais graves de Covid-19?

No período estudado, houve um total de 4.289.283 casos de Covid-19 e 147.074 mortes, em um total de 3.137 condados. Percebeu-se uma significativa associação entre valores mais altos do SVI e o aumento de incidência e mortalidade por Covid-19. Um aumento de 0,1 no escore do SVI representou um aumento de 14,3% nas taxas de incidência e de 13,7% nas taxas de mortalidade. Condados com escore de 0,5 no SVI foram estimados como tendo 604 casos e 15 mortes por 100.000 habitantes, enquanto que aqueles com escore de 0,6 tiveram a estimativa de ter 691 casos e 18 mortes por 100.000 habitantes. Isso equivale a um excesso de 87 casos e 3 mortes a cada 100.000 habitantes devido a um aumento de 0,1 no escore do SVI. Além disso, analisando a evolução semanal dessas mesmas taxas, um escore do SVI maior em 0,1 representa um incremento de 0,9% e de 0,5% no aumento cumulativo das taxas de incidência e mortalidade, respectivamente, a cada semana. A associação foi especialmente mais significativa na análise dos componentes do SVI referentes a variáveis étnico-raciais e de não proficiência da língua inglesa.

Mensagem final

Os resultados do estudo trazem à tona discussões a respeito de equidade. Políticas de saúde devem ser direcionadas às pessoas com maior risco de adoecimento, levando-se em consideração aspectos sócio-econômico-demográficos. A abordagem dos problemas sociodemográficos pelas autoridades deve ser preventiva e constante, no sentido em que se apresentam como fatores de risco para diversos tipos de adoecimento, além da Covid-19. Políticas sociais devem ser entendidas como políticas de saúde — e vice-versa —, uma vez que ambos os aspectos estão intimamente relacionados. Entendendo saúde como um conceito ampliado, que envolve aspectos além dos biomédicos; e o acesso a serviços de saúde como um direito do cidadão e um dever do estado, deve-se buscar a integralidade através de ações preventivas, além das curativas, também nos aspectos sociais e nas condições de vida da população. O estudo fornece mais evidências de que, para atuar com qualidade em saúde é preciso combater iniquidades sociais.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Karmakar M, Lantz PM, Tipirneni R. Association of Social and Demographic Factors With Covid-19 Incidence and Death Rates in the US. JAMA Netw Open. 2021;4(1):e2036462. doi:1001/jamanetworkopen.2020.36462
Compartilhar
Publicado por
Renato Bergallo
Tags: Covid-19

Posts recentes

Efeito das lentes de contato rígidas gás permeáveis no Ceratocone

O uso de lentes de contato é uma das medidas muito utilizadas na reabilitação visual…

6 horas atrás

Whitebook: Intoxicação por cloroquina no ECG

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook vamos falar um pouco sobre a…

10 horas atrás

O paciente como um todo: entendendo o indivíduo, a família e o contexto

A experiência que cada paciente tem é única e esse entendimento, pelo médico, é fundamental…

1 dia atrás

As aplicabilidades da escala de coma de Glasgow [podcast]

No episódio de hoje, Felipe Nobrega comenta sobre o uso da escala de coma de…

1 dia atrás

Tempo mínimo de tratamento para a pneumonia adquirida na comunidade: o estudo PCT

A duração difundida do tratamento antimicrobiano para pneumonia adquirida na comunidade, de 5 a 10…

1 dia atrás

Modelo de predição de parto prematuro para mulheres em trabalho de parto prematuro

O paradigma envolvendo o parto prematuro é a dificuldade de diagnóstico, uma vez que seus…

1 dia atrás