FDA altera indicação de tratamento para Alzheimer nos Estados Unidos

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

O Food and Drug Administration, (FDA), a agência regulatória dos Estados Unidos, reduziu o uso do Aldhelm para os pacientes de Alzheimer depois de ter recebido fortes críticas por sua ampla aprovação do medicamento no mês passado, sem prova de benefício claro contra a doença.

O Aduhelm, que tem a substância ativa aducanumabe, desenvolvido pelas farmacêuticas Biogen e Eisai, foi liberado no início de junho para qualquer indivíduo que tivesse o diagnóstico desse tipo de demência. Entretanto, essa nova decisão determina que o aducanumabe está indicado apenas para os pacientes com os sintomas mais leves, que afetam a memória e a capacidade de raciocínio, o que reduziu drasticamente o número de pessoas que poderá se beneficiar dessa nova terapia

Leia também: Aducanumabe para Alzheimer: controvérsias do medicamento aprovado pela FDA

O novo rótulo do remédio recomenda que o tratamento seja usado apenas para pacientes de Alzheimer com comprometimento cognitivo leve ou demência leve, o grupo que foi testado em ensaios clínicos. A Biogen estimou que cerca de 1,5 milhão de indivíduos nos Estados Unidos seriam elegíveis para o Aduhelm, que custa US$ 56 mil por ano.

FDA altera indicação de tratamento para Alzheimer nos Estados Unidos

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Aprovação acelerada

O FDA aprovou o medicamento sob aprovação acelerada, que permite que medicamentos que ainda não mostraram que podem ajudar os pacientes a serem aprovados se tiverem um efeito substancial em um biomarcador de uma enfermidade.

A agência reconheceu no mês passado que não havia evidências convincentes de que Aduhelm retardou o declínio cognitivo dos pacientes. Em vez disso, baseou sua aprovação na capacidade do medicamento de reduzir os níveis de uma proteína chamada beta-amiloide, que se acumula em placas no cérebro de pacientes com Alzheimer.

Mas muitos especialistas em Alzheimer afirmam que não há evidências sólidas de que a redução dos níveis de amiloide tenha algum efeito sobre os problemas cognitivos das pessoas.

Por causa de seu preço e ampla aprovação, alguns analistas temem que Aduhelm possa adicionar dezenas de bilhões em novas despesas ao sistema de saúde americano. O Alzheimer afeta cerca de 6 milhões de americanos, a grande maioria com idade suficiente para se qualificar para o Medicare, programa de saúde do governo federal.

Saiba mais: Whitebook: Doença de Alzheimer

Dois comitês do Congresso na Câmara iniciaram uma investigação sobre a revisão do medicamento pelo FDA. E legisladores do Senado pediram audiências sobre o custo do medicamento e o impacto sobre os gastos federais.

Muitos hospitais americanos já declararam que planejam limitar o uso do medicamento a pacientes com doença em estágio inicial. Os médicos ainda podem prescrever o medicamento para pacientes com Alzheimer mais avançados, embora as seguradoras possam se recusar a pagar por ele, citando o rótulo do FDA.

E no Brasil?

Estima-se que 45 milhões de pessoas tenham algum tipo de demência no mundo, sendo 2 milhões delas no Brasil. Com o envelhecimento da população mundial, esse número deve duplicar a cada 20 anos.

Em março deste ano, a Biogen anunciou que também pediu a aprovação do aducanumabe para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Até o momento, ainda não houve nenhuma resposta oficial da Anvisa sobre o caso e se a medicação também será liberada no Brasil.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autor(a):

Referências bibliográficas:

Cadastre-se ou faça login para acessar esse e outros conteúdos na íntegra
Cadastrar Fazer login
Veja mais beneficios de ser usuário do Portal PEBMED: Veja mais beneficios de ser usuário
do Portal PEBMED:
7 dias grátis com o Whitebook Aplicativo feito para você, médico, desenhado para trazer segurança e objetividade à sua decisão clínica.
Acesso gratuito ao Nursebook Acesse informações fundamentais para o seu dia a dia como anamnese, semiologia.
Acesso gratuito Fórum Espaço destinado à troca de experiências e comentários construtivos a respeito de temas relacionados à Medicina e à Saúde.
Acesso ilimitado Tenha acesso a noticias, estudos, atualizacoes e mais conteúdos escritos e revisados por especialistas
Teste seus conhecimentos Responda nossos quizes e estude de forma simples e divertida
Conteúdos personalizados Receba por email estudos, atualizações, novas condutas e outros conteúdos segmentados por especialidades

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Nossos conteúdos informam panoramas recentes da medicina.

Caso tenha interesse em divulgar seu currículo na internet, se conectar com pacientes e aumentar seus diferenciais, crie um perfil gratuito no AgendarConsulta, o site parceiro da PEBMED.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar