Categorias: ColunistasPediatria

Febre e dor em membros na Pediatria: como avaliar os diagnósticos diferenciais?

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

A febre é uma das queixas mais comuns nos atendimentos realizados em setores de emergência pediátrica, compreendendo uma gama de diagnósticos benignos ou não. Quando a febre vem acompanhada de dor em articulações ou membros, o rol de diagnósticos diferenciais se estreita, mas, ainda assim, a doença pode não ser evidente.

Os diagnósticos mais comuns realizados nesse cenário incluem osteomielite, artrite séptica, malignidades (osteossarcomas, leucemias), celulites, doenças reumatológicas (sinovites transitórias, artrite idiopática juvenil) e dor de crescimento concomitante com febre de outras causas.

A importância de se obter elementos que auxiliem no diagnóstico correto não pode ser subestimada, uma vez que algumas dessas causas exigem internação hospitalar e tratamento imediato, enquanto outras podem ser acompanhadas e manejadas adequadamente em ambulatório.

Alguns dados importantes na avaliação desse pacientes incluem:

* Hemograma completo: a presença de leucocitose, embora não estatisticamente relevante, sugere doenças infecciosas como osteomielite e artrite séptica.
* Marcadores inflamatórios: a velocidade de hemossedimentação (VHS) acima de 36 mm/h e a proteína C reativa > 60 mg/L sugerem diagnósticos de osteomielite ou artrite séptica.
* Radiografia do membro acometido: embora não apresente sensibilidade alta, é considerada uma boa opção como rastreio inicial desses pacientes. Porém, caso a suspeita clínica de doença grave seja alta, considerar o uso de outras modalidades de exame de imagem.
* Ressonância magnética do membro acometido: costuma ser uma excelente opção, principalmente em pacientes que retornam à emergência após terem sido avaliados e liberados. Consegue diferenciar entre inúmeros tipos de lesão, porém tem como desvantagens a necessidade de sedação e os custos associados ao exame.
* Febre: considerar o relato de febre, mesmo que não seja demonstrada no atendimento de emergência, uma vez que outros fatores, como o uso de antitérmicos administrados pelos familiares, podem atrapalhar essa avaliação.
* Dificuldade para suportar peso no membro acometido: relaciona-se significativamente com diagnósticos de osteomielite, artrite séptica e abscessos. Deve ser pesquisado em todas as crianças.

Mais da autora: ‘Choque séptico pediátrico – você sabe tratar? Veja nova diretriz’

Muitas vezes, mesmo com o uso de critérios objetivos, o diagnóstico pode ser difícil de ser realizado, principalmente em casos de doenças malignas ou reumatológicas. Nesses casos, o diagnóstico usualmente é fechado durante o acompanhamento da criança e o uso de outras modalidades diagnósticas mais avançadas e que normalmente não se encontram disponíveis no ambiente de emergência.

Deve-se lembrar sempre, porém, que a avaliação clínica do paciente é de grande valia, pois doenças infecciosas graves podem apresentar comprometimento do estado geral, dentre outras alterações. Sendo assim, embora exames laboratoriais e de imagem sejam de fundamental importância, não substituem a avaliação do médico, e esse deve apresentar suspeição elevada para esses diagnósticos, a fim de oferecer tratamento precoce e adequado com redução de sequelas futuras.

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autora:

Referências:

  • VARDIABASIS, NV; SCHLECHTER, JA. Definitive diagnosis of children presenting to a pediatric emergency department with fever and extremity pain. The Journal of Emergency Medicine, Vol. 53, No. 3, pp. 306–312, 2017.
Compartilhar
Publicado por
Dolores Henriques

Posts recentes

Superinfecção bacteriana em pacientes com pneumonia grave por Covid-19

A real incidência e impacto das complicações por infecção badcteriana nos pacientes intubados por formas…

16 minutos atrás

Aumento de casos de puberdade precoce tem relação com a pandemia?

O crescimento incomum da puberdade precoce foi identificado por pesquisadores ao compararem os números de…

2 horas atrás

Intubação na escassez de sedativo: quais as alternativas medicamentosas? [podcast]

Neste episódio, o Dr. Filipe Amado falará sobre como realizar intubação no cenário de escassez…

16 horas atrás

Diagnóstico de mieloma múltiplo: o papel dos exames de imagem

O mieloma múltiplo (MM) é uma neoplasia hematológica que resulta da proliferação clonal de plasmócitos…

17 horas atrás

5 mnemônicos para salvar o plantão

Os mnemônicos, que já são consagrados como estratégia de estudo, também podem nos ajudar na…

18 horas atrás

Tapentadol x Oxicodona para controle da dor pós-operatória

A busca por um opioide com maior perfil de segurança para dor pós-operatória é altamente…

19 horas atrás