Fenilbutirato de sódio-taurursodiol e Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

Medicação aprovada no Canadá e pelo FDA nos EUA retarda a deterioração clínica em pacientes com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA).

O fenilbutirato de sódio é um inibidor da histona desacetilase que reduz uma resposta adaptativa ao estresse no retículo endoplasmático. O taurursodiol (também conhecido como ursodoxicoltaurina) parece aumentar o limiar de apoptose celular, mantendo a integridade mitocondrial através da redução da permeabilidade da membrana. Uma coformulação de ambos os agentes, fenibutirato de sódio-taurursodiol (PB-TURSO), é usada para reduzir a morte celular neuronal.

Nesse sentido, foi demonstrado que o PB-TURSO retarda a deterioração clínica em pacientes com ELA. Ele foi aprovado condicionalmente para uso no Canadá em junho de 2022 e pela Food and Drug Administration (FDA), dos Estados Unidos, para todos os pacientes com ELA em setembro de 2022.

Fenilbutirato de sódio-taurursodiol e Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

Análises recentes da eficácia na Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

O PB-TURSO foi avaliado em um estudo controlado por placebo de 137 pacientes com ELA que estavam dentro de 18 meses do início dos sintomas. Mais de 75% dos pacientes também estavam tomando riluzol ou edaravona (28% estavam em uso de ambos) e a pontuação mediana da escala de classificação funcional ALS revisada (ALSFRS-R) foi 36 (a pontuação máxima é 48). Com 24 semanas de acompanhamento, aqueles tratados com PB-TURSO mostraram uma taxa mais lenta de declínio no ALSFRS-R do que aqueles tratados com placebo.

Leia também: Paciente com paralisia total se comunica usando um implante cerebral em novo estudo clínico

Em uma análise subsequente de pacientes que continuaram o tratamento aberto (até 35 meses), aqueles originalmente randomizados para PB-TURSO tiveram um tempo médio maior para traqueostomia/ventilação assistida permanente em 7,3 meses.

Um grande estudo confirmatório avaliando ainda mais a eficácia e segurança do PB-TURSO por 48 semanas está em andamento nos Estados Unidos e na Europa.

Uma ampla gama de agentes direcionados a diferentes aspectos da fisiopatologia da Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) está sendo estudada na ELA esporádica e familiar, em busca de um tratamento com maior impacto na progressão da doença e na qualidade de vida dos pacientes. Dessa forma, esse processo continua a ser um desafio para a comunidade científica.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo

Especialidades