Saúde & Tecnologia

Fusão dos métodos SOAP e ALICIA FREDUSAH na consulta médica

Tempo de leitura: 2 min.

Para realizar-se uma boa consulta médica pode-se utilizar o excelente método SOAP, que auxilia na condução de cada caso. Método este disseminado em grande parte do país e utilizado por vários médicos que buscam uma melhor qualidade em suas práticas diárias.

Independente do tempo disponível e o utilizado, o SOAP contribui ao profissional na organização do pensamento clínico e agilização da abordagem adequada, aportando uma melhor qualidade à atuação.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Métodos para consulta médica

Recordando, o acrônimo SOAP divide a consulta em:

  1. Subjetivo = Onde o paciente descreve o que sucede, o motivo da consulta; e as impressões do médico.
  2. Objetivo = Onde o médico capta dados mais objetivos em exames físico e complementares.
  3. Avaliação = Analisa-se os dados coletados para a definição do problema.
  4. Plano = Traça-se possíveis novas avaliações, tratamentos, seguimento e prevenções.

Agora, existe também o acrônimo ALICIA FREDUSAH, utilizado amplamente no mundo hispano-hablante, ou seja, de língua espanhola, para poder coletar detalhadamente informações subjetivas trazidas pelo paciente e eventualmente eliminar perdas de informações importantes.

Leia também: Saiba como abordar o alcoolismo em uma consulta

O momento ideal de sua aplicação situa entre o Subjetivo e o Objetivo do SOAP, e destrincha cada queixa da seguinte forma:

  1. Aparição = Quando apareceu o sintoma principal? Agudo ou crônico?
  2. Localização = Anatomicamente, onde encontra-se a queixa? Universal, localizado?
  3. Irradiação = Para onde dissemina-se a queixa? Há variação de localização?
  4. Característica = À quê se assemelha? É lancinante, hipocorado, flácida, laxo? Algo o altera?
  5. Intensidade = Leve, moderada, intensa?
  6. Alívio = Têm alívio? Espontâneo ou trás medicação?
  7. Frequência = A cada quanto tempo recidiva?Anual, diário?
  8. Duração = Quando presente, quanto tempo dura a queixa? Minutos, horas?
  9. Sintomas Acompanhantes = O quê mais se apresenta? Quais demais queixas complementam a principal
  10. Horário = Hora aproximada de aparição dos sintomas.

Mais do autor: Fitoterápicos: uma arma que pode ser usada no campo

Logo, ao realizar a união dos métodos de abordagem na anamnese, obtêm-se uma melhor tática de investigação para desenvolvimento de uma consulta de excelência, podendo ser utilizada a qualquer momento.

Autor:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Henri Furtado Carneiro

Posts recentes

Intubação na escassez de sedativo: quais as alternativas medicamentosas? [podcast]

Neste episódio, o Dr. Filipe Amado falará sobre como realizar intubação no cenário de escassez…

10 horas atrás

Diagnóstico de mieloma múltiplo: o papel dos exames de imagem

O mieloma múltiplo (MM) é uma neoplasia hematológica que resulta da proliferação clonal de plasmócitos…

11 horas atrás

5 mnemônicos para salvar o plantão

Os mnemônicos, que já são consagrados como estratégia de estudo, também podem nos ajudar na…

12 horas atrás

Tapentadol x Oxicodona para controle da dor pós-operatória

A busca por um opioide com maior perfil de segurança para dor pós-operatória é altamente…

13 horas atrás

Dor no ombro após cirurgia de vesícula: foi a posição?

A dor no ombro é uma queixa bastante frequente após a cirurgia laparoscópica. Foi estudada…

14 horas atrás

Micofenolato de mofetila no manejo inicial da púrpura trombocitopênica imune

Púrpura trombocitopênica imune é uma condição autoimune que autoanticorpos antiplaquetários promovem a destruição das plaquetas…

15 horas atrás