Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cirurgia / Gastrectomia vertical (GV) ou by-pass gástrico (BPG) no tratamento da obesidade
Cirurgiões decidem sobre tipos de cirurgia bariátrica para tratamento da obesidade: gastrectomia vertical e by-pass.

Gastrectomia vertical (GV) ou by-pass gástrico (BPG) no tratamento da obesidade

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

A cirurgia bariátrica continua como uma importante forma de tratamento da obesidade e apesar das inovações medicamentosas, a cirurgia continua a apresentar resultados mais duradouros. Atualmente a comunidade cirúrgica convergiu para 2 principais tipos de cirurgia: gastrectomia vertical e by-pass, com diversos pontos ainda sem uma resposta precisa.

A quantidade de cirurgia bariátrica tem aumentado ao longo dos anos e desde 2014 o número de gastrectomias verticais tem suplantado as cirurgias de by-pass, mesmo sem possuírem dados a longo prazo sobre a sua efetividade.

Um estudo multicêntrico aberto finlandês randomizou pacientes obesos para serem tratados com gastrectomia (GV) vertical ou by-pass gástrico (BPG) e observar seus resultados a longo prazo.  As cirurgias ocorreram entre 2008 e 2010, e o último acompanhamento dos pacientes até 2015.

Leia também: Quais os fatores de risco para anemia ferropriva após cirurgia bariátrica?

Entre as diversas análises, o desfecho principal seria a perda de peso medida em percentual de perda do excesso de peso, considerando o IMC 25 como ideal. Além disto, como desfechos secundários a análise das comorbidades associadas e questionários de qualidade de vida relacionada  especificamente a doença e outro em relação a saúde geral do paciente.

Resultado

Inicialmente foram randomizados 240 pacientes, sendo 121 GV e 119, BPG, porém ao longo do acompanhamento  ocorreram mais algumas exclusões e assim permaneceram 91 pacientes em cada grupo.

A perda do excesso, apesar de um pouco maior no grupo BPG, e com significância estatística, não representou significância clínica na análise. As complicações relacionadas a cirurgia no período de observação entre 30 dias e 7 anos de pós-operatório também não apresentaram diferenças significativas.

De forma semelhante a análise da qualidade de vida relacionada a doença ao longo do acompanhamento não apresentou diferença entre os grupos. A análise de ambos os grupos demostrou uma melhora evolutiva da qualidade de vida ao longo dos anos de acompanhamento.

Saiba mais: Cirurgias bariátricas: qual procedimento tem melhor resultado no diabetes tipo 2?

Na análise da qualidade de vida da saúde global, ambos grupos apresentaram evolução bastante semelhante e não apresentaram nenhuma diferença. No entanto a análise dos pacientes do estudo com a população geral da Finlândia e fazendo pareamento por idade de mostrou que tanto no início da observação quanto após 7 anos os pacientes do estudo apresentaram pontuações piores que a população geral (p < 0,001).

Discussão

Ambos os procedimentos demostraram perda de peso duradoura aos 7 anos de observação, com uma vantagem para o BPG.  Um outro ponto bastante importante observado neste estudo foi a análise da qualidade de vida dos pacientes que também não demostrou diferença entre os grupos, embora terem apresentado uma importante melhora quando comparada aos questionários iniciais.

Conclusão

Os procedimentos BPG e GV não são equivalentes quando analisado a perda de peso, no entanto sem uma diferença clínica significativa. Tanto o by-pass gástrico quanto a gastrectomia vertical apresentam significativa melhora da qualidade de vida dos pacientes em níveis semelhantes.

Para Levar Para Casa

Apesar dos estudos tentarem comparar os dois métodos como sendo intercambiáveis, a realidade não pode ser encarada de forma tão simples. Particularidades inerentes a cada paciente tem fundamental importância na escolha da técnica, entre eles a presença de sintomas de refluxo, diabetes e até mesmo idade.

A escolha da técnica a ser adotada não pode ficar a cargo exclusivamente do cirurgião, porém de uma equipe interdisciplinar onde todos os fatores serão analisados e ponderados. Os melhores resultados são obtidos quando há uma real integração de todos os pontos.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

  • Salminem P, et al. Effect of Laparoscopic Sleeve Gastrectomy vs Laparoscopic Roux-en-Y Gastric Bypass on Weight Loss at 5 Years Among Patients With Morbid Obesity: The SLEEVEPASS Randomized Clinical Trial. JAMA2018 Jan 16;319(3):241-254. doi: 10.1001/jama.2017.20313.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.