Ginecologia e Obstetrícia

Gestantes em trabalho de parto com suspeita de coronavírus: como acompanhar?

Tempo de leitura: 3 min.

Segundo as últimas atualizações do Covid-19 e gravidez, as mulheres gestantes não parecem ser mais suscetíveis às consequências da infecção pelo novo coronavírus do que a população em geral.

Os dados são limitados, mas deve-se considerar especialmente as mulheres grávidas com doenças concomitantes que possam estar infectadas com Covid-19 até que a base de evidências forneça informações mais claras. Até o momento, não existem mortes confirmadas em mulheres grávidas.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Coronavírus no trabalho de parto

As considerações a seguir se aplicam às mulheres em trabalho de parto espontâneo ou induzido de acordo com a última publicação do Royal College of Obstetricians & Gynaecologist (RCOG):

  • Quando uma gestante com suspeita ou confirmação para Covid-19 é admitida na sala de parto, e equipe multiprofissional deve ser informada (obstetra, anestesista, doula, neonatologista e enfermeira responsável);
  • Devem ser feitos esforços para minimizar o número de funcionários que entram na sala e as unidades devem desenvolver uma política local especificando as pessoas que atuarão nos cenários de emergência;
  • Os parceiros(as) assintomáticos devem ser tratados como possivelmente infectados e solicitados a usar uma máscara e lavar as mãos frequentemente. Se sintomáticos, eles devem permanecer isolados e não comparecer à unidade;
  • As observações e avaliações maternas devem ser contínuas conforme a prática padrão, com a adição de saturação horária de oxigênio – procurar manter a saturação de oxigênio >94%;
  • Se a mulher tiver sinais de sepse, investigar e tratar de acordo com as orientações protocolares da unidade sobre sepse na gravidez, mas também deve ser considerado o Covid-19 ativo como causa de sepse e investigar de acordo com as orientações;
  • Dada a taxa de comprometimento fetal relatada na série de casos chinesa, a recomendação atual é de monitoramento fetal contínuo durante o trabalho de parto. Essa recomendação pode ser alterada à medida que mais evidências se tornam disponíveis;
  • Atualmente, não existem evidências que favoreçam um modo de nascimento em detrimento de outro e, portanto, o modo de nascimento deve ser discutido com a mulher, levando em consideração suas preferências, indicações obstétricas de intervenção e quadro clínico da mãe;
  • O modo de nascimento não deve ser influenciado pela presença de Covid-19, a menos que a condição respiratória da mulher exija um parto urgente;
  • O uso de banheiras de parto no hospital deve ser evitado em casos suspeitos ou confirmados, dada a incapacidade de usar equipamento de proteção adequado para a equipe de saúde durante o parto na água;
  • Não há evidências de que a anestesia peridural ou raquidiana seja contraindicada na presença de coronavírus. A analgesia peridural deve, portanto, ser recomendada antes ou no início do trabalho de parto a mulheres com suspeita /confirmação de COVID-19, a fim de minimizar a necessidade de anestesia geral, se for necessário um parto urgente;
  • Dada a falta de evidência em contrário, o pinçamento tardio do cordão ainda é recomendado após o nascimento, desde que não tenham outras contra-indicações. O bebê pode ser limpo e seco normalmente, enquanto o cordão ainda estiver intacto;
  • Em caso de piora dos sintomas da mãe, deve ser avaliado individualmente os riscos e benefícios da continuação do trabalho de parto, em comparação com o parto cesariano de emergência, se for provável que isso ajude os esforços para o tratamento da mãe.

Todas essas recomendações estão em constantes mudanças, por isso mantenha-se informado no nosso portal.

Leia também:

Autora:

Referência bibliográfica:

  • Coronavirus (COVID-19) infection and pregnancy. Version 3: Published Wednesday 18 March 2020 – guidance for healthcare professionals on coronavirus (COVID-19) infection in pregnancy, published by the RCOG, Royal College of Midwives, Royal College of Paediatrics and Child Health, Public Health England and Health Protection Scotland.
Compartilhar
Publicado por
Gabriella Iuorno Hayasaki

Posts recentes

Efeito das lentes de contato rígidas gás permeáveis no Ceratocone

O uso de lentes de contato é uma das medidas muito utilizadas na reabilitação visual…

2 horas atrás

Whitebook: Intoxicação por cloroquina no ECG

Em nossa publicação semanal de conteúdos compartilhados do Whitebook vamos falar um pouco sobre a…

6 horas atrás

O paciente como um todo: entendendo o indivíduo, a família e o contexto

A experiência que cada paciente tem é única e esse entendimento, pelo médico, é fundamental…

24 horas atrás

As aplicabilidades da escala de coma de Glasgow [podcast]

No episódio de hoje, Felipe Nobrega comenta sobre o uso da escala de coma de…

1 dia atrás

Tempo mínimo de tratamento para a pneumonia adquirida na comunidade: o estudo PCT

A duração difundida do tratamento antimicrobiano para pneumonia adquirida na comunidade, de 5 a 10…

1 dia atrás

Modelo de predição de parto prematuro para mulheres em trabalho de parto prematuro

O paradigma envolvendo o parto prematuro é a dificuldade de diagnóstico, uma vez que seus…

1 dia atrás