Oftalmologia

Glaucoma pode ser fator de risco para desenvolvimento de doenças da superfície ocular?

Tempo de leitura: 2 min.

Pacientes com glaucoma estão mais propensos a desenvolver doenças da superfície ocular, segundo um novo estudo coordenado por uma equipe de médicos da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Os pesquisadores do Departamento de Oftalmologia e Ciências Visuais da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp) Renata Portela, Carolina Gracitelli, Denise de Freitas e Augusto Paranhos Jr. Decidiram levantar a incidência de algumas enfermidades relacionadas à superfície ocular entre pessoas com glaucoma e comparando-a com a tendência de manifestação entre os voluntários com catarata.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Como foi realizado o estudo sobre glaucoma

Para o estudo, foram avaliadas 57 pessoas, sendo 30 delas portadoras de glaucoma e 27 de catarata. Elas responderam a alguns questionários, como o Índice de Doenças da Superfície Ocular (OSDI) e o Questionário de Função Visual do National Eye Institute (NEI VFQ), exames clínicos e análises específicas através de um ceratógrafo, que é um topógrafo de córnea que possui uma câmera de alta densidade e um sistema de iluminação que permite estudar a superfície ocular e a dinâmica palpebral.

Com a ajuda do ceratógrafo, os pesquisadores da Unifesp conseguiram viabilizar o primeiro estudo utilizando esse aparelho em pacientes com glaucoma para investigar a doença de superfície nestes pacientes.

Leia também: Como suspeitar de Glaucoma?

Enquanto os questionários avaliaram a qualidade de vida dos pacientes e a sua percepção quanto a doenças da superfície dos olhos, os exames clínicos detectaram o tempo de ruptura das lágrimas (BUT), a quantidade de hiperemia na conjuntiva e a quantidade ceratite na córnea.

Resultados e conclusões

De modo geral, os resultados apontaram para uma pior qualidade de vida dos pacientes com glaucoma, além de uma maior percepção de doença de superfície no grupo com glaucoma, medido através dos resultados do questionário de Índice de Doenças da Superfície Ocular.

Assim, o questionário OSDI revelou uma taxa geral de prevalência de enfermidades da superfície ocular de 71% no grupo de glaucoma, contra 29% no grupo de catarata.

Os resultados indicaram que medicamentos de uso tópico, indispensáveis a essas pessoas, podem agravar outros incômodos nos olhos, como o ressecamento e a visão turva.

Além disso, os pacientes com glaucoma apresentaram índices mais altos de hiperemia conjuntival e de presença de ceratite.

“Os resultados do estudo não apenas confirmam a alta prevalência de achados clínicos de OSD em pacientes com glaucoma, mas também revelam novos parâmetros objetivos medidos pela análise pelo ceratógrafo. Neste momento, com a ajuda do médico Gustavo Samico, já estamos coletando dados comparativos para relação entre as doenças de superfície ocular e número de medicações que cada grupo de pacientes com glaucoma usam. Temos uma tendência a subestimar a queixa de doença de superfície nos nossos pacientes com glaucoma e cada vez mais devemos prestar atenção nisso”, comemora Carolina Gracitelli.

Glaucoma

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o glaucoma é a segunda causa de cegueira no mundo (12,3%), superado apenas pela catarata (47,8 %), sendo a primeira causa de cegueira irreversível.

Apesar das causas de cegueira no mundo variarem de acordo com as condições socioeconômicas e geográficas de cada população, o glaucoma mantém-se como uma das principais causas, independente da população avaliada.

Estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam o crescimento de portadores de glaucoma de 60 milhões para 80 milhões de pessoas na próxima década no mundo.

No Brasil, cerca de 2% da população é portadora e, em muitos casos, desconhecem e não tratam. Apesar da expectativa sombria, o tratamento para o glaucoma evoluiu bastante nos últimos anos.

*Esse artigo foi revisado pela equipe médica da PEBMED

Autora:

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
Úrsula Neves
Tags: glaucoma

Posts recentes

Origens e fundamentos da MBE – Parte 1: Relação entre o tratamento precoce com antibióticos para sepse e ida à feira

Nesse artigo, vamos analisar mais detalhadamente o primeiro princípio fundamental da medicina baseada em evidências…

57 minutos atrás

Infecção puerperal e sepse materna: um evento prevenível?

A sepse puerperal é cinco causas mais frequentes de morte materna no mundo, sendo responsável…

15 horas atrás

Podcast Integrado: O papel do SUS para o profissional de saúde [podcast]

Confira o podcast dos canais da PEBMED sobre o papel do SUS para o profissional…

16 horas atrás

O que pode te ajudar no tratamento do paciente séptico?

Como manejar o paciente séptico do ponto de vista hemodinâmico ao longo das próximas horas…

17 horas atrás

SBIm se posiciona sobre a suspensão da vacinação contra a Covid-19 em adolescentes sem comorbidades

Em 15 de setembro, o Ministério da Saúde (MS) ordenou que a suspensão da vacinação…

18 horas atrás

Ministério da Saúde recomenda suspensão da vacinação de adolescentes sem comorbidades

O Ministério da Saúde emitiu uma nota técnica recomendando a suspensão da vacinação de adolescentes…

19 horas atrás