Glúten e Risco de Neoplasias Gastrointestinais

A possível relação entre o glúten e processos inflamatórios intestinais, sistêmicos e neoplasias, motivou sua crescente restrição de consumo.

Nos últimos anos, o glúten foi transformado no maior vilão alimentar e muitas dietas da moda propuseram sua restrição para perda ponderal, diminuição da inflamação intestinal e até prevenção de neoplasias gastrointestinais. Mas será que existe risco na ingestão do glúten para pessoas sem doença celíaca? Um artigo recente, de excelente qualidade científica, publicado por Wang Y et al (2022), buscou responder esta questão.

Leia também: A introdução precoce de glúten na dieta pode reduzir a prevalência de doença celíaca

Glúten e Risco de Neoplasias Gastrointestinais

O que é o glúten?

Glúten é o componente proteico do trigo, centeio e cevada, comumente consumido nas dietas ocidentais. Sua ingestão tem sido relacionada a condições patológicas do trato gastrointestinal. A ingestão de produtos sem glúten aumentou rapidamente nas últimas três décadas devido a possíveis benefícios à saúde, popularizados pela mídia e pelo marketing da indústria alimentícia.

O que o glúten pode causar em pacientes com Doença Celíaca?

A doença celíaca é uma doença autoimune crônica e sistêmica, caracterizada por enteropatia sensível ao glúten em indivíduos geneticamente predispostos. Nesses pacientes, o glúten desencadeia uma reação imunológica que leva a alterações patológicas do intestino delgado, em especial das vilosidades intestinais, podendo aumentar o risco a longo prazo de câncer.

De acordo com os dados do Global Cancer Observatory (2020), as neoplasias do trato gastrointestinal foram responsáveis por cerca de 30% dos novos casos e 39% das mortes por todos os tipos de câncer, em 2020. A dieta é um dos principais fatores de risco modificáveis para estes cânceres intestinais. Numerosos estudos demonstraram que a ingestão de grãos e de fibras de cereais estão inversamente associadas ao risco de lesões malignas do trato gastrointestinal, incluindo o câncer gástrico e o câncer colorretal.

Devido ao seu alto teor de prolina, o glúten não pode ser completamente digerido por proteases humanas. Por sua vez, uma dieta sem glúten pode resolver os sintomas e normalizar a mucosa intestinal de pacientes com doença celíaca, diminuindo o risco de complicações patológicas. Os potenciais mecanismos subjacentes ao desenvolvimento de neoplasias envolvem inflamação crônica, estresse oxidativo e alterações nas vias de sinalização oncogênica. Logo, uma dieta sem glúten poderia reduzir os danos intestinais e reduzir o estresse oxidativo em celíacos.

O glúten aumenta o risco de neoplasia em pacientes sem doença celíaca?

Em estudo realizado por Wang et al (2022), examinou-se a associação entre a ingestão de glúten e o risco de neoplasias do sistema digestivo em adultos norte-americanos livres de doença celíaca. Foram usados dados dietéticos adquiridos por meio de questionários de frequência alimentar e informações de três grandes estudos. O estudo tipo coorte realizado por Wang et al (2022), até onde sabemos, é o primeiro a investigar de forma abrangente a associação da ingestão de glúten com o risco de câncer do aparelho digestivo, em uma população sem diagnóstico de doença celíaca.

Em outro estudo recente, Um et al (2020) descobriu que não houve associação entre a ingestão de glúten e o risco geral de câncer colorretal, embora tenha sido potencialmente associada a risco aumentado de câncer de cólon proximal. Da mesma forma, o estudo de Wang et al (2022) sugeriu ausência de associação entre a ingestão de glúten e o risco de câncer colorretal, bem como de esôfago, intestino delgado e fígado. Tais achados, portanto, não sustentam a hipótese que a ingestão de glúten na dieta contribui para o desenvolvimento de câncer do aparelho digestivo em indivíduos sem Doença Celíaca.

Saiba mais: Abordagem diagnóstica e terapêutica da síndrome do intestino irritável e da diarreia funcional

Nos pacientes sem Doença Celíaca a restrição de glúten é prejudicial?

Vários estudos têm indicado que evitar o glúten pode piorar a qualidade alimentar da dieta da população ocidental. Indivíduos que aderem a uma dieta estrita sem glúten têm demonstrado ingestão inadequada de minerais e vitaminas, incluindo cálcio, zinco, folato e vitamina B12. Além disso, os produtos gluten-free tendem a apresentar menor teor proteico e maior quantidade de gordura saturada, sódio e colesterol do que produtos equivalentes com glúten. Estudos recentes também relataram que indivíduos em uma dieta sem glúten apresentaram níveis mais altos de metais pesados e toxinas no sangue e na urina, como chumbo, mercúrio, cádmio e arsênico do que indivíduos sem restrição de glúten. Isso provavelmente se deve à maior ingestão de arroz, que tende a acumular mais essas toxinas do que outras plantações.

Existem algumas limitações deste estudo. Primeiro, os participantes eram predominantemente leucodermos e profissionais da área de saúde dos Estados Unidos, o que limita a generalização dos resultados para outras populações, embora seja improvável que o mecanismo subjacente à relação dieta-câncer se diferencie substancialmente entre populações.

Mensagem Prática do estudo

Em resumo, a ingestão de glúten não foi associada a maior risco de câncer do sistema digestivo, em adultos sem Doença Celíaca. Conclui-se que é improvável que a restrição do glúten na dieta seja benéfica para a prevenção de neoplasias do sistema digestivo na população geral.

 

Artigo escrito em parceria com:

  • Danielle Martins Fernandes e Souza: Especialização em Gastroenterologia pelo Hospital Lifecenter. Especialização em Clínica Médica pelo Hospital Mater Dei. Título de Especialista em Clínica Médica pela AMB. Lattes: http://lattes.cnpq.br/9277963606660241

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  • Holmes G, Prior P, Lane M, et al. Malignancy in coeliac disease– effect of a gluten free diet. Gut 1989;30:333–338.
  • Sung H, Ferlay J, Siegel RL, et al. Global cancer statistics 2020: GLOBOCAN estimates of incidence and mortality worldwide for 36 cancers in 185 countries. CA Cancer J Clin 2021;71:209–249.
  • Um CY, Campbell PT, Carter B, et al. Association between grains, gluten and the risk of colorectal cancer in the Cancer Prevention Study-II Nutrition Cohort. Eur J Nutr 2020; 59:1739–1749.
  • Wang Y et al. Gluten Intake and Risk of Digestive System Cancers in 3 Large Prospective Cohort Studies. Clinical Gastroenterology and Hepatology. 2022;20:1986–1996. DOI: 10.1016/j.cgh.2021.11.016  

Especialidades