Ginecologia e Obstetrícia

Gravidade da febre intraparto e resultados neonatais

Tempo de leitura: 2 min.

A infecção é uma das principais causas de morbidade e mortalidade materna e neonatal. Poucos estudos abrangem a gravidade da febre intraparto e os resultados neonatais. Por este motivo, hoje trago um artigo para discussão que foi publicado em maio de 2022 no American Journal of Obstetrics and Gynecology.

Estudo

Os autores fizeram uma análise secundária de um estudo de coorte prospectivo. O objetivo foi de testar a associação entre a gravidade da febre intraparto e a duração da temperatura máxima até o parto com a morbidade neonatal e materna.

As pacientes selecionadas apresentavam gestações a termo, únicas, e foram admitidas para indução do trabalho de parto ou trabalho de parto espontâneo com febre intraparto (≥38°C). Elas foram divididas em três grupos de temperaturas máximas durante o trabalho de parto: afebril (<38ºC), febre leve (≥38 – ≤39ºC) e febre grave (>39ºC). O desfecho primário foi a morbidade neonatal composta (pH da artéria umbilical <7,1, ventilação mecânica, desconforto respiratório, aspiração de mecônio com hipertensão pulmonar, hipoglicemia, internação em unidade de terapia intensiva neonatal e APGAR <7 em cinco minutos). Os desfechos secundários foram morbidade neurológica neonatal composta (encefalopatia hipóxico-isquêmica, tratamento de hipotermia e convulsões) e morbidade materna composta (hemorragia pós-parto, endometrite e transfusão de concentrado de hemácias materna).

Das 8.132 pacientes incluídos, 278 (3,4%) apresentaram febre leve e 74 (0,9%) tiveram febre grave. A incidência de morbidade neonatal composta aumentou com a gravidade da febre intraparto (afebril 5,4% vs leve 18,0% vs grave 29,7%, p <0,01). Após o ajuste para fatores de confusão, houve aumento das chances de morbidade neonatal composta com febre grave em comparação com febre leve (aOR 1,93 [IC 95% 1,07, 3,48]). Febres graves permaneceram associadas à morbidade neonatal composta em comparação com febres leves após contabilizar a duração entre a temperatura máxima intraparto e o parto (aHR 2,05 [IC95% 1,23, 3,43]). A morbidade neurológica neonatal composta e a morbidade materna composta não foram diferentes entre febres leves e graves.

Leia também: Hiperglicemia no início da gestação pode aumentar riscos na gravidez?

Conclusões

A morbidade neonatal composta correlaciona-se com a gravidade da febre intraparto de uma forma potencialmente dose-dependente. Esse risco é independente da duração da temperatura máxima intraparto até o parto, sugerindo que o manejo clínico de uma febre intraparto, em termos de tempo ou modo de parto, não deve ser afetado pela distância entre a temperatura máxima e o parto antecipado.  Mas é um sinal de alerta para cuidados especiais tanto para o recém nascido, quanto para a puérpera, pois a febre intraparto aumenta a morbidade e mortalidade materna e neonatal.

Compartilhar
Publicado por
Letícia Suzano Lelis Bellusci

Posts recentes

Quando pensar em traumatismo por abuso em crianças? (caso clínico)

Como reconhecer um caso de traumatismo por abuso em crianças? No clinical drops, você recebe…

13 horas atrás

WONCA 2022: Congresso abre discussões sobre importância da Medicina da Família em tempos atuais

Acompanhe a cobertura completa do congresso internacional de medicina de família (WONCA 2022) aqui no…

17 horas atrás

O impacto de dez comorbidades na mortalidade por SDRA

Estima-se que a síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) representa 10,4% do total de internações…

17 horas atrás

CDC aprova o uso da vacina Moderna contra covid-19 para crianças de 6 a 17 anos

O CDC aprovou, por unanimidade, o uso da vacina contra covid-19 da Moderna para crianças…

19 horas atrás

Qual o melhor tratamento para a artrite reumatoide? Estudo de vida real compara DMARDs biológicos e sintéticos alvo específicos

Estudo que comparou a efetividade de quatro diferentes bDMARDs e tsDMARDs no tratamento da artrite…

21 horas atrás

Caso raro: em cirurgia inédita no Brasil, médica queima tumor de bebê dentro do útero materno

Em cirurgia inédita no Brasil, um bebê de 29 semanas de gestação passou por um…

22 horas atrás