Oftalmologia

Gravidez: o que acontece com as doenças oculares preexistentes?

Tempo de leitura: 3 min.

Sabemos que, além das alterações que podem se desenvolver durante a gravidez, doenças oculares preexistentes também podem ser afetadas ou ter maior progressão nesta fase.

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas
Cadastrar Login

Retinopatia diabética

Um exemplo disso é a retinopatia diabética. A gravidez é um fator de risco para progressão e gravidade da retinopatia. Os fatores para progressão incluem a duração da diabetes, o controle glicêmico e a presença de hipertensão.

A duração é um dos fatores mais importantes. Quanto maior, maior a chance de desenvolver retinopatia diabética. O controle glicêmico pobre (maior HbA1c) no momento da concepção também é ligado a uma maior tendência de desenvolver retinopatia. Níveis de glicose controlados no momento da concepção reduzem o risco de aborto espontâneo e morbimortalidade fetais.

Leia também: Profilaxia da conjuntivite neonatal: recomendações da Sociedade Brasileira de Pediatria

Todas as pacientes diabéticas devem passar por controle glicêmico rigoroso pré-concepção. Elas devem ser avaliadas com fundoscopia. Pacientes sem retinopatia ou com retinopatia não proliferativa moderada devem ser reexaminadas a cada três a 12 meses. Pacientes com retinopatia diabética não proliferativa grave ou proliferativa devem ser avaliadas a cada um a três meses.

Doença de Graves

Outra doença que pode ser uma causa importante de hipertireodismo na gravidez é a doença de Graves. Geralmente agrava no primeiro trimestre ou logo após o parto. Melhora no segundo e terceiro trimestres. Raramente o feto pode ser afetado por causa da passagem de IgG pela placenta.

As gestantes com orbitopatia de Graves são tratadas da mesma forma que as não gestantes. Mães com doença de Graves ativa devem ser tratadas com medicações antitireoidianas pois a morbimortalidade fetal é alta se não forem tratadas.

Glaucoma

A paciente grávida com glaucoma pode ser um desafio entre o controle da doença e o risco dos possíveis efeitos teratogênicos na criança. A pressão intraocular diminui durante a gravidez. Na maioria dos casos por esse motivo o glaucoma não tem uma grande tendência a evolução. Existe a discussão entre tratar e não tratar. Pode ser orientada a instilação das medicações com oclusão do ponto lacrimal para evitar os possíveis efeitos da absorção sistêmica.

Pseudotumor cerebral

Doença mais vista em pacientes obesas em idade reprodutiva, associada com aumento da pressão intracraniana. Tem maior chance de ocorrer no primeiro trimestre da gestação, com quadro de cefaleia. As manifestações oftalmológicas incluem embaçamento visual, diplopia, escotoma, fotopsia e dor retrobulbar. Papiledema geralmente é bilateral mas pode ser unilateral ou ausente em alguns casos.

O papiledema geralmente cursa com obscurecimento da visão transitório (cegueira que dura em torno de 30 segundos em um ou ambos os olhos que pode se relacionar a alterações ortostáticas da paciente). Algumas pacientes também se queixam de perda visual no quadrante nasal inferior que progride para o campo visual central. O objetivo do tratamento é aliviar os sintomas e preservar a visão.

Veja também: Gravidez: o que o oftalmologista deve saber sobre alterações oculares?

Condições inflamatórias

As desordens inflamatórias como a sarcoidose a outras espondiloartropatias com manifestações sistêmicas e oculares diminuem durante a gravidez pelo aumento dos corticosteroides endógenos. Isso é benéfico para mulheres com uveítes por exemplo, pois diminui a necessidade de imunossupressores que poderiam ter efeito teratogênico para o feto.

Toxoplasmose

Mães com infecções como toxoplasmose e outras TORCH devem ser monitoradas de perto pois essas são as maiores causas de inflamação ocular neonatal. Poucos casos de reativação de toxoplasmose ocular são vistos durante a gravidez. O tratamento com espiramicina quando necessário se mostrou seguro durante a gestação.

Ceratocone

As alterações hormonais durante a gestação podem afetar a biomecânica da córnea negativamente. A gravidez é considerada um fator de risco para progressão do ceratocone. O acompanhamento pré-concepção é muito importante e em alguns casos pode ser necessária a realização de crosslinking antes da gestação para evitar a grande progressão que pode ocorrer.

Autora:

Referências bibliográficas:

  • Morya, Arvind K et al. “Motherhood: What every ophthalmologist needs to know.” Indian journal of ophthalmology vol. 68,8 (2020): 1526-1532. doi: 10.4103/ijo.IJO_2033_19
Compartilhar
Publicado por
Juliana Rosa

Posts recentes

Tempo mínimo de tratamento para a pneumonia adquirida na comunidade: o estudo PCT

A duração difundida do tratamento antimicrobiano para pneumonia adquirida na comunidade, de 5 a 10…

3 horas atrás

Modelo de predição de parto prematuro para mulheres em trabalho de parto prematuro

O paradigma envolvendo o parto prematuro é a dificuldade de diagnóstico, uma vez que seus…

5 horas atrás

O coping religioso/espiritual como dimensão do cuidar

Coping religioso e espiritual está diretamente associado à saúde e à qualidade de vida. A…

6 horas atrás

Síndrome Metabólica e Colangiocarcinoma: destaques em Medicina Interna

Mais de 80 conteúdos publicados esta semana. Destaque para Medicina Interna, com Síndrome Metabólica e…

22 horas atrás

PEBMED e Saúde Global: Como aumentar a receita do consultório e na clínica

No episódio de hoje, Rodrigo Lima destaca os passos fundamentais para conseguir o aumento da…

23 horas atrás

Hepatite C: diagnóstico e manejo

No Brasil, entre os anos de 1999 e 2018, foram notificados 359.673 casos de hepatite…

1 dia atrás