Ginecologia e Obstetrícia

Guideline de atividade física na gravidez

Tempo de leitura: 2 min.

A atividade física, salvo em raras exceções, é importante para o bem estar de todas as pessoas. Desde a infância para prevenção de obesidade, promover interação social, os benefícios são enormes. Na adolescência e idade adulta proporciona bem estar, controle de peso, prevenção de diabetes tipo 2, melhora de controle pressórico nos hipertensos, entre outros. Na gestação também não poderia ser diferente. Desde que mãe e feto estejam com boa evolução, sem contraindicações médicas, a prática de atividade física na gravidez é muito bem-vinda.

Leia também: TOC na gravidez e no pós-parto é frequente?

Vantagens

Se a atual gestante já era ativa, a continuidade de suas práticas, talvez com algumas adaptações para o período gravídico trazem muitos benefícios:

  • preparo da musculatura pélvica-perineal para o parto. Recuperação mais rápida puerperal;
  • menor risco de diabetes gestacional;
  • menos dor lombar e pélvica;
  • menor incidência de incontinência urinária;
  • melhora da saúde mental, com menor risco de depressão pós-parto.

O Departamento de Saúde do Governo Australiano em sua página da internet, sugere para as gestantes aptas a manterem suas atividades físicas (ou para aquelas que, após avaliação obstétrica, estejam liberadas) a realização de exercícios na maioria dos dias da semana, se possível até diariamente, de forma a completar a semana com (atividade total semanal):

  1. 2,5 a 5,0 horas de atividade física de moderada intensidade;
  2. 1,25 a 2,5 horas de atividade física de grande intensidade;
  3. uma combinação equivalente de atividades moderadas e intensas.

A gestante deve realizar atividades de fortalecimento muscular pelo menos 2 dias por semana. Procurar realizar atividades de fortalecimento, como treinamento leve de resistência ou exercícios de peso corporal. Fazer qualquer coisa é sempre melhor que ficar parada mesmo durante a gravidez.

O que fazer:

  1. caminhadas leves;
  2. spinning;
  3. natação;
  4. dança;
  5. atividades de resistência leve.

Associado a esses, não esquecer de exercícios de trabalho para o assoalho pélvico. A rotina pode começar na gravidez e tornar-se hábito para prevenção de incontinência urinária para o climatério.

A intensidade pode ser difícil de calibrar. Como saber se a intensidade está adequada? Uma das formas é conversar durante a atividade. Se você for capaz de conversar durante a atividade física, pode considerar intensidade moderada, se não conseguir, já estará com grande intensidade.

Saiba mais: Ministério da Saúde recomenda que mulheres adiem a gravidez devido à pandemia

Observar a redução de tempo que fica sentada e evitar longos períodos sentada ou em pé demais.

Por último, a grande pergunta para as mamães que saíram da maternidade e estão com vontade de voltar para a academia: quando posso voltar a malhar doutor? O tempo para o retorno é individual, mas em média, a puérpera pode tentar retornar a atividades leves a partir de 6 semanas após o parto. E com orientações ir retomando suas atividades físicas ao padrão pré-gravídicos.

Autor(a):

Referências bibliográficas:

Compartilhar
Publicado por
João Marcelo Martins Coluna

Posts recentes

20 de janeiro – Dia Nacional da Parteira Tradicional

O dia 20 de janeiro é considerado o Dia Nacional da Parteira Tradicional, em homenagem…

2 horas atrás

Casos de diabetes no Brasil aumentam 26,61% em dez anos, revela levantamento

Nos últimos dez anos houve um aumento de 26,61% no número de casos de diabetes…

2 horas atrás

Mão-pé-boca: doença do verão

No verão, o número de casos de crianças com a doença mão-pé-boca aumenta. O blog…

16 horas atrás

Sobrecarga médica no cenário atual da Covid-19

No episódio de hoje do podcast da PEBMED, confira sobre o cenário atual da Covid-19…

17 horas atrás

Medicina Baseada em Evidências: como não afundar no oceano de informações?

A 7 edição da Revista PEBMED será sobre Medicina Baseada em Evidências. Aqui, mapeamos os caminhos…

18 horas atrás

Encefalopatia hepática encoberta: o que é?

A encefalopatia hepática é uma alteração metabólica e reversível de déficit cognitivo ou alteração de…

19 horas atrás