Categorias: Neurologia

Hemorragia cerebral: você conhece os efeitos da reabilitação?

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Após uma hemorragia intracerebral, a reabilitação melhora o resultado funcional e reduz a perda de tecido crônico, mas os mecanismos ainda não são completamente compreendidos.

Para investigar essa questão, pesquisadores realizaram um estudo com roedores. A hemorragia cerebral foi induzida em ratos com colagenase e eles foram randomizados para reabilitação enriquecida ou intervenção de controle a partir do dia 7.

Foram utilizadas técnicas de imagem biospectroscópica para determinar com precisão as alterações elementares e moleculares no dia 14. O teor de hemoglobina foi avaliado com espectroscopia Raman. Imagens de raios X mapearam ferro, cloro, potássio, cálcio e zinco. A agregação de proteínas, um marcador de estresse oxidativo, e a distribuição de outras macromoléculas também foram avaliadas.

Um segundo teste estimou o volume de hematoma com um ensaio espectrofotométrico no 21º dia.

As melhores condutas médicas você encontra no Whitebook. Baixe o aplicativo #1 dos médicos brasileiros. Clique aqui!

Na primeira experiência, a reabilitação reduziu o teor de hemoglobina do hematoma (p = 0,004) e a quantidade de ferro peri-hematoma (p <0,001). O dano oxidativo foi altamente localizado na fronteira hematoma/peri-hematoma e foi diminuído pela reabilitação (p = 0,004).

O conteúdo lipídico na região peri-hematoma foi aumentado pela reabilitação (p = 0,016). Ela reduziu também o tamanho dos depósitos de cálcio (p = 0,040) e atenuou a homeostase persistente de cloreto (p <0,001), mas não de potássio (p = 0,060). O segundo estudo confirmou que a reabilitação diminuiu o volume de hematoma (p = 0,024).

Veja também: ‘Novas diretrizes: reversão dos anticoagulantes na hemorragia cerebral’

Nos testes com camundongos, a reabilitação acelerou a depuração de componentes tóxicos do sangue, diminuiu o estresse oxidativo crônico e atenuou a homeostase iônica persistente. Estes efeitos podem estar por trás da neuroproteção induzida pela reabilitação e melhor recuperação da função. As farmacoterapias visando esses mecanismos podem melhorar ainda mais o desfecho do paciente.

Referências:

  • Rehabilitation Augments Hematoma Clearance and Attenuates Oxidative Injury and Ion Dyshomeostasis After Brain Hemorrhage. Michael R. Williamson, Kristen Dietrich, Mark J. Hackett, Sally Caine, Colby A. Nadeau, Jasmine R. Aziz, Helen Nichol, Phyllis G. Paterson, Frederick Colbourne. Stroke, 2016 (https://doi.org/10.1161/STROKEAHA.116.015404)
Compartilhar
Publicado por
Vanessa Thees

Posts recentes

ACC.21: o que já sabemos sobre anticoagulantes em pacientes com Covid-19?

Uma sessão inteira do congresso do ACC 2021 foi dedicada à discussão o uso de anticoagulantes…

8 horas atrás

ACC 2021: dapagliflozina seria benéfico em pacientes com Covid-19 e fatores de risco?

Um estudo que avaliou o uso da dapagliflozina na Covid-19 em pacientes com fatores de…

9 horas atrás

ATS 2021: síndrome pós-Covid-19 e reabilitação pulmonar

A síndrome pós-Covid-19 e seu manejo foram temas de uma das sessões do congresso da…

11 horas atrás

ATS 2021: novidades na abordagem de tromboembolismo pulmonar

Uma das temáticas abordadas no ATS 2021 foram as novidades em tromboembolismo pulmonar (TEP), que…

12 horas atrás

ATS 2021: abordagem de nódulos e massas pulmonares – práticas atuais

Um dos principais assuntos discutidos no congresso da American Thoracic Society, ATS 2021, foi nódulos…

15 horas atrás

ACC 2021: oclusão do apêndice atrial em cirurgia cardíaca + anticoagulação pode reduzir risco de AVE?

O estudo LAAOS 3 avaliou se a oclusão do apêndice atrial esquerdo, adicionada à posterior…

1 dia atrás