Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Colunistas / Hemorroida: como melhorar a qualidade de vida do paciente?
hemorroida

Hemorroida: como melhorar a qualidade de vida do paciente?

Acesse para ver o conteúdo
Esse conteúdo é exclusivo para usuários do Portal PEBMED.

Para continuar lendo, faça seu login ou inscreva-se gratuitamente.

Preencha os dados abaixo para completar seu cadastro.

Ao clicar em inscreva-se, você concorda em receber notícias e novidades da medicina por e-mail. Pensando no seu bem estar, a PEBMED se compromete a não usar suas informações de contato para enviar qualquer tipo de SPAM.

Inscreva-se ou

Seja bem vindo

Voltar para o portal

Tempo de leitura: 3 minutos.

O envelhecimento está relacionado ao desenvolvimento de algumas condições que pioram nossa qualidade de vida. Como por exemplo, as hemorroidas, vasos dilatados localizados na porção externa de reto e ânus com capacidade de tornar cada movimento intestinal uma experiência intensamente dolorosa. Entenda um pouco mais sobre essa condição, através das perguntas que seguem, muito comuns entre os pacientes.

Existem tipos diferentes de hemorroidas?

Sim. Existe o tipo interno, no reto. E externo, identificada no ânus. A dor e o sangramento podem ser causados pelo conteúdo fecal passando pelo plexo hemorroidário.

Quais são os sintomas clássicos?

Dor retal, coceira, sangramento e, possivelmente, prolapso (protrusão de hemorróidas no canal anal). Sua ocorrência não aumenta taxas de mortalidade, raramente são perigosas, porém aumentam muito a morbidade, por serem altamente incômodas e recorrentes.

Como diminuir o sofrimento dos que possuem hemorroidas?

Dra. Jacqueline wolf, gastroenterologista e professora de medicina do centro médico beth israel deaconess, afiliada à harvard, relaciona as seguintes medidas:

  1. Adicione fibra à sua dieta: a medida mais importante é adicionar fibras a dieta, melhor feito com adição de alimentos, mas também possível com suplementação. Experimente um suplemento de fibra de casca de psyllium, como o metamucil ou um equivalente genérico, como o metamucil ou equivalentes genéricos. Se o psyllium causar gases, tente um suplemento contendo dextrina de trigo ou metilcelulose.
  2. Lubrificação: misture uma colher de sopa de óleo mineral com geleia de maçã ou iogurte. Coma no café da manhã ou no almoço. Isso permite que as fezes deslizem pela hemorroida com mais facilidade. Mas não faça isso por um longo tempo, para evitar sujar suas roupas pelo excesso de óleo que pode escorrer pelo ânus.
  3. Não se atrase: a vontade de evacuar deve ser seguido, necessariamente, pela evacuação, não espere por um momento mais conveniente. A demora pode levar a longo prazo a constipação, o que agrava os sintomas das hemorroidas.
  4. Apoie seus pés: os pés não podem ficar suspensos, sem apoio, enquanto evacua. Elevar os pés um pouco, inclusive, com um banquinho quando se senta no vaso sanitário muda a posição do reto de uma maneira que pode facilitar a passagem das fezes.
  5. Tente banho de assento: não ignore o alívio oferecido pelos banhos de assento. Usando uma bacia que te caiba, molhe a área inflamada em água morna por 10 a 15 minutos, duas a três vezes ao dia.
  6. Medicamentos: existem medicamentos vendidos sob prescrição que podem te oferecer alívio. Procure um proctologista. Há também produtos sob venda livre, como almofadas infundidas com hamamélis e cremes suaves, como a icônica marca preparation h e seus equivalentes genéricos.
  7. Quando cirurgia é uma opção: quando as hemorroidas persistem, independente das medidas conservadoras já tomadas; quando o plexo começa a sangrar; quando essa condição passa a dificultar sobremaneira a vida do paciente. Duas técnicas minimamente invasivas usadas são: laser e ligadura elástica. Há também a hemorroidectomia, indicada para alguns pacientes.

Leia mais: Nova diretriz para hemorroidas e mais notícias médicas da semana

Esse assunto não é muito debatido nas redes sociais, os pacientes tem vergonha de reconhecer que sofrem desse mal. Apenas discussões abertas assim, farão que esse tema deixe de ser considerado tabu. É importante abordar esse tema, porque apesar de não haver impacto nas taxas de mortalidade, devemos pensar e valorizar igualmente a qualidade de vida, muito comprometida em quem sofre dessa condição. Para saber mais, leia o material da referência usada nesse trabalho.

É médico e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

  • Pendick D. 6 self-help tips for hemorrhoid flare-ups. 2013. Havard Health Publishing. Harvard Medical School. Trusted advice for a healthier life.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.