Hepatite D: o que o médico deve saber?

A hepatite D é uma hepatite viral decorrente de um vírus defectivo, que depende da infecção pelo vírus da hepatite B para se replicar.

O vírus da hepatite D (HDV) é um vírus RNA, que depende do vírus da hepatite B (HBV) para infectar os hepatócitos e replicar. Afeta cerca de 12 a 72 milhões de pessoas no mundo.  

A infecção por esse vírus pode ocorrer de 2 formas: 

  • Coinfecção: Infecção aguda pelos vírus HBV e HDV.  
  • Superinfecção: Infecção pelo HDV em paciente com hepatite B crônica.  

Veja também: Retrospectiva 2023: o que abordamos sobre HIV/AIDS no Portal?

hepatite D

Epidemiologia

A infecção por HDV é mais prevalente em países da África Subsaariana, Ásia Central e Europa Oriental, especialmente em Benin, Gabão, Mauritânia, Nauru e Mongólia. 

Existe maior prevalência da infecção pelo HDV em alguns grupos, como: pacientes com doença hepática avançada, usuários de drogas injetáveis, profissionais do sexo, homens que fazem sexo com homens, pacientes em hemodiálise e pessoas que vivem com HIV. 

Prevenção

A coinfecção pode ser prevenida através da vacinação universal contra hepatite B. Sabe-se que a combinação de vacina contra hepatite B e imunoglobulina contra hepatite B para recém-nascidos de mães infectadas por HBV e HDV reduz a transmissão do vírus da hepatite B e, por consequência, da hepatite D.  

Todavia, não existe vacina eficaz em proteger a superinfecção nos indivíduos com hepatite B crônica. Recomendam-se medidas para prevenir transmissão parenteral e sexual. 

Manifestações clínicas

Coinfecção: Pode se manifestar como hepatite aguda, com maior risco de insuficiência hepática do que na infecção por hepatite B isolada. Existe tendência à clareamento viral, em cerca de 95% dos casos. 

Superinfecção: Pode se manifestar como uma hepatite aguda em paciente com hepatite B crônica desconhecida ou exacerbação de doença hepática crônica em pacientes sabiamente infectados. Geralmente cursa com infecção crônica pelo HDV em 90% dos casos, demonstrada por carga viral positiva por mais de 6 meses. O HDV interfere com a replicação do HBV-DNA, no geral, cursando com baixo nível sérico de HBV-DNA.  Cursa com progressão mais rápida para cirrose hepática e aumentando a mortalidade por descompensação de doença hepática e por carcinoma hepatocelular (CHC). 

Existem fatores associados a pior prognóstico, como: genótipo do HDV (genótipo 1); níveis séricos elevados de HBV-DNA; uso de álcool (> 2 doses/dia em homens e > 1 dose/dia em mulheres); obesidade e diabetes. 

Estudos demonstram um risco aumentado de CHC nessa população 1,3 a 2,8 vezes maior que na hepatite B crônica isolada.  

Diagnóstico

  • Co-infecção (aguda)

Presença de HbsAg, anti Hbc IgM e RNA HDV. Anti -HDV IgM e IgG podem demorar meses para serem detectados. Avaliar outras causas de hepatites agudas.  

Recomenda-se dosar a carga viral de HDV em pacientes com hepatite B aguda, principalmente se insuficiência hepática aguda e/ou fator de risco para infecção de HDV. 

  • Superinfecção (crônica)   

Pacientes com hepatite B previamente diagnosticada (HbsAg, anti Hbc IgG) que apresentem elevação de ALT ou exacerbação da doença hepática devem ser testados para hepatite D (triagem com anti-HDV e confirmação com HDV-RNA). Além disso, devem ser avaliadas outras causas como hepatites A e C, hepatite autoimune, lesão hepática induzida por drogas, uso de álcool, etc. 

Os pacientes devem ainda ser testados para outras infecções, como: hepatite A, hepatite C, HIV. Devem também ser estratificados em relação ao grau de fibrose, através de escores como APRI e FIB 4 e de métodos não invasivos como elastografia hepática. A biópsia hepática é um método invasivo, ainda considerada como padrão-ouro, sendo no geral reservada para dúvida diagnóstica. 

Screening

A diretriz americana (AASLD) recomenda testar pacientes com HbsAg positivo, com alto risco de infecção por hepatite D, incluindo: coinfectados com HIV, usuários de drogas injetáveis, homens que fazem sexo com homens e imigrantes de áreas com alta endemicidade. Já a sociedade europeia recomenda rastreio universal. Todavia, estima-se que a infecção por HDV é subdiagnosticada, visto baixas taxas de triagem tanto nos EUA (9-13%), quanto na Europa (8-35%).  

Leia ainda: Hepatite C na população negra dos EUA

Tratamento

O objetivo do tratamento é reduzir evolução para cirrose, descompensação de doença hepática, incidência de CHC e mortalidade por causa hepática, através da inibição da replicação do HDV.   

Pacientes com hepatite D crônica com elevação de ALT e/ou evidência de doença hepática compensada devem ser considerados para tratamento antiviral (interferon alfa ou bulevertida).   

Interferon α atua inibindo replicação e ativando resposta imunológica contra o HDV, com alguns estudos demonstrando maior clearence viral ao final do tratamento com essa droga. Todavia, apresenta diversos eventos adversos, como: fadiga, depressão, citopenias hematológicas, risco de exacerbação de doenças autoimunes subjacentes. Esse medicamento é contraindicado em pacientes com doença hepática descompensada, pois pode precipitar exacerbação da doença e predisposição a infecções graves.  

O interferon λ é capaz de induzir atividade antiviral semelhante ao interferon α, com menor incidência de efeitos colaterais. Existem estudos em fase 2 favoráveis a seu uso na hepatite D.  

Bulevirtida é um lipopeptídeo que atua bloqueando a interação entre HDV e hepatócitos, administrado via subcutânea diariamente. Apresenta boa tolerância.  Estudos em fase 2 mostraram que até 77% dos pacientes alcançaram um declínio de 2 log ou mais após 24 semanas de bulevirtida em monoterapia, com taxas de sucessos maiores em comboterapia com interferon α peguilado.  

Existem outras drogas em desenvolvimento como lonafarnib em combinação com ritonavir e terapia gênica. 

Saiba mais: Fatores de risco e desfechos de infecção por SARS-CoV-2 em pessoas vivendo com HIV

Mensagens práticas

A hepatite D é uma hepatite viral decorrente de um vírus defectivo, que depende da infecção pelo vírus da hepatite B para se replicar. A infecção pelo HDV pode ocorrer de forma concomitante ao HBV (coinfecção) com tendência à clearence viral ou pode ocorrer em pacientes com hepatite B crônica (superinfecção), com tendência à cronificação e pior prognóstico. 

Apesar dos esforços de rastreamento dessa doença pelas sociedades de hepatologia, estima-se que seja uma infecção subdiagnosticada. Dessa maneira, há pouco arsenal terapêutico disponível. 

O maior conhecimento dessa condição permite diagnóstico adequado, devendo motivar mais estudos para o tratamento da hepatite D crônica. 

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  • Alfaiate D, Clément S, Gomes D, Goossens N, Negro F. Chronic hepatitis D and hepatocellular carcinoma: a systematic review and meta-analysis of observational studies. J Hepatol. 2020;73(3): 533-539. DOI: 10.1016/j.jhep.2020.02.030.
  • Asselah T, Arama SS, Bogomolov P, et al. Safety and efficacy of bulevirtide monotherapy and in combination with peginterferon alfa-2a in patients with chronic hepatitis delta: 24 weeks interim data of MYR204 phase 2b study.J Hepatol. 2021;75(suppl 2):S291. July 2, 2021. Accessed October 17, 2023  
  • Chang TE, Su CW, Huang YS, Huang YH, Hou MC, Wu JC. Hepatitis D virus dual infection increased the risk of hepatocellular carcinoma compared with hepatitis B virus mono infection: a meta-analysis.J Chin Med Assoc. 2022;85(1):30- 41. DOI:10.1097/JCMA.0000000000000606.
  • European Association for the Study of the Liver. Electronic address: [email protected]; European Association for the Study of the Liver. EASL clinical practice guidelines on hepatitis delta virus.J Hepatol. 2023;79(2):433-460. DOI: 10.1016/j. jhep.2023.05.001.
  • Kamal H, Fornes R, Simin J, et al. Risk of hepatocellular carcinoma in hepatitis B and D virus co-infected patients: a systematic review and meta-analysis of longitudinal studies.J Viral Hepat. 2021;28(10):1431-1442. DOI:10.1111/jvh.13577.
  • Lampertico P, Roulot D, Wedemeyer H. Bulevirtide with or without pegIFNα for patients with compensated chronic hepatitis delta: from clinical trials to real-world studies.J Hepatol. 2022; 77(5):1422-1430. DOI: 10.1016/j.jhep.2022.06.010.  
  • Lok AS, Negro F, Asselah T, Farci P, Rizzetto M. Endpoints and New Options for Treatment of Chronic Hepatitis D. Hepatology. 2021 Dec;74(6):3479-3485. DOI: 10.1002/hep.32082. Epub 2021 Sep 16. PMID: 34331781; PMCID: PMC9293075.
  • Terrault NA, Lok ASF, McMahon BJ, et al. Update on prevention, diagnosis, and treatment of chronic hepatitis B: AASLD 2018 hepatitis B guidance. Hepatology. 2018;67(4):1560-1599. DOI: 10.1002/hep.29800. 
  • Wedemeyer H, Schöneweis K, Bogomolov PO, et al. 48 weeks of high dose (10 Mg) bulevirtide as monotherapy or with peginterferon alfa-2a in patients with chronic HBV/HDV co-infection. J Hepatol. 2020;73(suppl 1):S52–S53. DOI: 10.1016/ S0168-8278(20)30651-6.