Hepatologia

Hepatite: Existe risco pós-vacina contra covid-19?

Tempo de leitura: 3 min.

Alguns relatos de caso de lesão hepática semelhante à hepatite autoimune foram relatados após a vacinação contra o vírus SARS-CoV-2. Sabe-se que as vacinas contra covid-19 desencadeiam resposta imune mediada por interferon, o que em tese poderia aumentar o risco de doenças autoimunes induzidas pela vacina.  Efe e colaboradores realizaram estudo multicêntrico para avaliar as características clínicas, a resposta ao tratamento e os resultados da lesão hepática após a vacinação contra o SARS-CoV-2.

Métodos

Foram coletados de maneira retrospectiva dados de pacientes que desenvolveram lesão hepática após vacinação contra covid-19 em 18 países. O tipo de lesão hepática foi avaliado pelo valor R. Definiu-se lesão hepática aguda como elevação de alanina ou aspartato aminotransferase (ALT ou AST) ≥ 5x limite superior do normal (LSN) e/ou fosfatase alcalina (FA) ≥ 2x LSN ou ALT/AST≥ 3x LSN e bilirrubina ≥ 2x LSN. A lesão hepática foi classificada como hepatocelular se a razão R fosse > 5, como misto se 2-5 e como colestático se < 2. A gravidade da lesão hepática foi categorizada como:

  • (1) leve se as elevações das enzimas séricas preencheram critérios para lesão hepática, mas a concentração de bilirrubina permaneceu <2x LSN;
  • (2) moderada se  bilirrubina ≥2x LSN ou hepatite sintomática;
  • (3) grave se concentração de bilirrubina ≥2x LSN e sinais de insuficiência hepática (RNI ≥1,5, ascite e/ou encefalopatia) ou outra insuficiência de órgãos secundária a lesão hepática;
  • (4) fatal se morte por doença hepática ou necessidade de transplante de fígado. O escore simplificado foi utilizado para diagnóstico de hepatite autoimune (HAI).

Resultados

Foram identificados 87 pacientes (63% do sexo feminino), com idade mediana de 48 (variação: 18–79) anos na apresentação. A lesão hepática foi diagnosticada em média 15 (intervalo: 3-65) dias após a vacinação. Cinquenta e um casos (59%) foram atribuídos à vacina Pfizer-BioNTech (BNT162b2), 20 (23%) à vacina Oxford-AstraZeneca (ChAdOX1 nCoV-19) e 16 (18%) à vacina da Moderna (mRNA -1273). A lesão hepática foi predominantemente hepatocelular (84%) e 57% dos pacientes apresentaram características de hepatite imunomediada. Vinte e quatro pacientes (28%) já apresentavam doenças autoimunes antes da vacinação. Autoanticorpos foram estudados em 83 (95%) pacientes. Dentre estes, o anticorpo anti-núcleo (FAN) foi positivo em 56 (67%), o anti-músculo liso em 15 (18%) e o anti-mitocôndria em cinco (6%). Ambos anti-SLA e anti-citosol hepático tipo 1 foram detectados em um paciente. O nível de IgG foi medido em 79 (91%) pacientes, sendo observada hipergamaglobulinemia em 53 (67%) destes. Os picos de AST x LSN e ALT x LSN foram de 15,4 (1,8-250) e 16,7(3,1-203,7), respectivamente. Quarenta e quatro pacientes foram biopsiados. Desses, 34 (77%) receberiam diagnóstico de HAI provável/definitiva de acordo com os critérios simplificados. Entre os 35 casos não submetidos a biópsia hepática, 12 (34%) ainda atingiram um escore de HAI provável. Corticosteroides foram administrados a 46 (53%) pacientes, mais frequentemente para aqueles com lesão hepática grau 3-4 (88,9% vs 43,5% para lesão hepática grau 1-2, p=0,001) ou com hepatite imunomediada (71,1% vs 38,2% sem lesão imunomediada, p=0,003).

Um segundo imunossupressor (azatioprina ou micofenolato) foi associado para 11 indivíduos. Todos os pacientes apresentaram resolução da lesão hepática, exceto um homem (1,1%) que desenvolveu insuficiência hepática e foi submetido a transplante hepático. Dois pacientes que desenvolveram lesão hepática após a vacina da Oxford-AstraZeneca, não apresentaram alterações ao receberem a vacina da Pfizer-BioNTech na segunda dose da vacina. Por outro lado, um paciente com lesão hepática leve após a primeira dose da vacina Pfizer-BioNTech, apresentou hepatite grave após uma segunda dose da mesma vacina.

A corticoterapia foi retirada durante o período de observação em 12 (26%) pacientes após a resolução bioquímica completa. Nenhum deles teve uma recaída durante o acompanhamento (44-140 dias). O tempo médio entre o início da lesão hepática até a normalização das aminotransferases foi de 46 (15-185) dias, sem diferença estatisticamente significativa entre os tratados com corticosteroides e os não tratados (60 vs. 39, p=0,085).

Hepatite desconhecida em crianças: orientações do Ministério da Saúde

Mensagens práticas

O mecanismo exato da lesão hepática induzida pela vacina contra SARS-CoV-2 não é conhecido, mas acredita-se que seja associado a uma resposta imune desregulada desencadeada pela semelhança molecular entre a proteína S e proteínas específicas do fígado. Como mensagens práticas, esse estudo deixa claro que:

  • A vacina contra covid-19 pode induzir hepatite imunomediada de padrão hepatocelular, com positivação de autoanticorpos.
  • Caso um paciente desenvolva hepatite após a vacinação, deve-se evitar utilizar a mesma vacina em eventuais doses subsequentes.
  • A resolução espontânea é comum, a resposta aos corticoesteróides boa e o prognóstico favorável.
  • O desenho do estudo não permite concluir se existe maior risco de hepatite com um determinado subtipo de vacina.
Compartilhar
Publicado por
Guilherme Grossi Cançado

Posts recentes

Quando pensar em traumatismo por abuso em crianças? (caso clínico)

Como reconhecer um caso de traumatismo por abuso em crianças? No clinical drops, você recebe…

13 horas atrás

WONCA 2022: Congresso abre discussões sobre importância da Medicina da Família em tempos atuais

Acompanhe a cobertura completa do congresso internacional de medicina de família (WONCA 2022) aqui no…

17 horas atrás

O impacto de dez comorbidades na mortalidade por SDRA

Estima-se que a síndrome do desconforto respiratório agudo (SDRA) representa 10,4% do total de internações…

17 horas atrás

CDC aprova o uso da vacina Moderna contra covid-19 para crianças de 6 a 17 anos

O CDC aprovou, por unanimidade, o uso da vacina contra covid-19 da Moderna para crianças…

19 horas atrás

Qual o melhor tratamento para a artrite reumatoide? Estudo de vida real compara DMARDs biológicos e sintéticos alvo específicos

Estudo que comparou a efetividade de quatro diferentes bDMARDs e tsDMARDs no tratamento da artrite…

21 horas atrás

Caso raro: em cirurgia inédita no Brasil, médica queima tumor de bebê dentro do útero materno

Em cirurgia inédita no Brasil, um bebê de 29 semanas de gestação passou por um…

22 horas atrás