Página Principal > Colunistas > Herpes labial: nova medicação promete tratar feridas em até dois dias
estetoscópio médico

Herpes labial: nova medicação promete tratar feridas em até dois dias

Tempo de leitura: 2 minutos.

Uma descoberta acidental pode ajudar a reduzir o tempo de desconforto causado pelo herpes labial e salvar o dia de muita gente. Está em fase de testes, e sem previsão de comercialização, um gel à base de anestésico para uso de 8/8h, que age na estrutura genética do vírus e acelera o tempo de cicatrização.

A notícia é ótima para quem sofre de herpes, pois os medicamentos disponíveis no mercado, em geral, têm uma menor comodidade posológica e as feridas ainda permanecem visíveis até 7 a 14 dias. O famoso aciclovir, por exemplo, é prescrito para ser tomado cinco vezes ao dia (complicado, né?).

Em entrevista publicada pelo jornal Folha de S. Paulo na sexta-feira, dia 5 de janeiro, Vinícius Pedrazzi, professor de Odontologia da USP, explicou que estava com dificuldades para colocar uma prótese ortodôntica em uma paciente, porque ela estava sentindo dores decorrentes de uma ferida causada herpes. Então, aplicou um anestésico no local e, horas após o procedimento, recebeu uma ligação da paciente dizendo que a ferida havia desaparecido.

A curiosidade sobre o fato o fez iniciar estudos que levou ao desenvolvimento do gel. A pesquisa de Pedrazzi, que têm apoio da Fapesp e do Cnpq, é conduzida com 115 pacientes e resultados preliminares mostram que em menos de 20% dos pacientes não há sucesso total (sumir todas as lesões e não haver recidiva), mas que mesmo nesses casos há melhora do quadro clínico.

A notícia do novo creme já está na boca do povo, mas o pesquisador afirma não querer apressar o processo para não colocar pacientes em risco. Nos resta esperar a conclusão dos estudos, análise dos resultados, publicação de artigos, produção e comercialização do medicamento. Faltam muitas etapas, mas já tem muita gente ansiosa pela liberação (só cuidado para o herpes não aparecer!).

É médico e também quer ser colunista da PEBMED? Clique aqui e inscreva-se!

Autora:

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.