Hidrocele na criança

A hidrocele em sua maioria é congênita, mas pode ser adquirida em caso de patologias inflamatórias do escroto.

Este conteúdo foi desenvolvido por médicos, com objetivo de orientar médicos, estudantes de medicina e profissionais de saúde em seu dia a dia profissional. Ele não deve ser utilizado por pessoas que não estejam nestes grupos citados, bem como suas condutas servem como orientações para tomadas de decisão por escolha médica.

Para saber mais, recomendamos a leitura dos termos de uso dos nossos produtos.

Consiste no acúmulo de líquido no escroto e/ou no canal inguinal nos meninos e no canal inguinal nas meninas pela não obliteração do conduto peritônio-vaginal ao nascimento.

Veja também: Erisipela na Pedriatria

Com o conduto aberto, pode passar além de líquido peritoneal, vísceras abdominais. Nesse último caso, resultaria em hérnia inguinal. Logo, o que diferencia a hidrocele da hérnia é o que entra pelo conduto peritônio-vaginal.

No que concerne à classificação, a hidrocele pode ser comunicante ou não comunicante. Na primeira, o conduto peritônio-vaginal está patente em todo o seu comprimento desde a cavidade abdominal até a bolsa escrotal/grandes lábios, mas com passagem apenas de líquido peritoneal que fica oscilando durante o dia. Na hidrocele não comunicante, por sua vez, há a persistência do conduto peritônio-vaginal de modo segmentar, sem comunicação com a cavidade do abdome.

Cabe destacar ainda que a hidrocele em sua maioria é congênita, mas pode ser adquirida em caso de patologias inflamatórias do escroto como torção testicular e epididimite.

Clinicamente, há o aumento do volume escrotal de modo indolor e ao exame físico evidencia-se a transluminação de bolsa escrotal positiva. Tal exame é negativo em caso de hérnia.

Por fim, é válido ressaltar que a maioria das hidroceles não comunicantes costuma ter resolução espontânea até o final do primeiro ano de vida. Por outro lado, as comunicantes necessitam de intervenção cirúrgica.

hidrocele

Abordagem Terapêutica

O tratamento cirúrgico está indicado também para os pacientes com hidrocele após 18 meses de vida ou hidrocele idiopática não comunicante com sintomas ou com comprometimento da pele do saco escrotal.

A cirurgia padrão para a correção da hidrocele consiste na realização de uma inguinotomia seguida da identificação do conduto peritônio-vaginal patente, ligadura/fechamento do conduto e liberação do líquido acumulado na túnica vaginal testicular.

A cirurgia minimamente invasiva, com abordagem laparoscópica, tem sido descrita em alguns centros, porém com uso ainda limitado na prática devido à falta de evidências que mostrem benefício maior com relação à cirurgia convencional.

Complicações:

  • Infecção;
  • Sangramento;
  • Lesão do cordão espermático;
  • Hidrocele residual (melhora no pós-operatório).

Saiba mais: Encoprese: conheça o conteúdo disponível no Whitebook!

Quer saber mais sobre a hidrocele na pediatria? Acesse agora mesmo no Whitebook! Basta seguir este caminho após abrir o WB no seu navegador ou pelo app: Condutas Pediátricas Icone de proximo Cirurgia Pediátrica Icone de proximo Hidrocele em Pediatria.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo

Selecione o motivo:
Errado
Incompleto
Desatualizado
Confuso
Outros

Sucesso!

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Avaliar artigo

Dê sua nota para esse conteúdo.

Você avaliou esse artigo

Sua avaliação foi registrada com sucesso.

Baixe o Whitebook Tenha o melhor suporte
na sua tomada de decisão.
Referências bibliográficas: Ícone de seta para baixo
  •  Sociedade Brasileira de Pediatria. Tratado de Pediatria - SBP. 5a ed. Barueri: Manole, 2022.
  • Kliegman R et al. Nelson – Tratado de Pediatria. 20a ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2018.

Especialidades