Hiperaldosteronismo primário: uma revisão sobre o diagnóstico - PEBMED

Hiperaldosteronismo primário: uma revisão sobre o diagnóstico

Sua avaliação é fundamental para que a gente continue melhorando o Portal Pebmed

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Uma causa comum e curável de hipertensão arterial sistêmica (HAS), o hiperaldosteronismo primário (HPA) é caracterizado por HAS com baixos níveis de renina plasmática e altos níveis plasmáticos de aldosterona. Estes últimos são inadequadamente alto para o volume e pressão arterial.

Apesar das consequências e sua ocorrência comum, o HAP raramente é diagnosticado pois mimetiza a HAS essencial e cerca de 50% dos pacientes com adenoma produtor de aldosterona (APA) e 82% dos pacientes com HAP bilateral são normocalêmicos. Portanto, hipocalemia não é de modo algum uma condição sine qua non para pesquisar HAP.

médica escrevendo em pronturário de paciente com hiperaldosteronismo primário, com tablet para consulta ao lado

Tome as melhores decisões clinicas, atualize-se. Cadastre-se e acesse gratuitamente conteúdo de medicina escrito e revisado por especialistas

Hiperaldosteronismo primário

Clinicamente, o HAP pode ser dividido em operável e não operável, como veremos adiante. A adrenalectomia, quando guiada pelo cateterismo de veias adrenais cura o hiperaldosteronismo e resolve ou melhora hipertensão arterial, com melhores desfechos, quando o diagnóstico é feito precocemente.

Formas de aldosteronismo primário

Curável cirurgicamente:

  • Adenoma produtor de aldosterona (APA): unilateral/bilateral;
  • Multinodular primário unilateral hiperplasia adrenocortical;
  • Tumor secretor de aldosterona no ovário;
  • APA ou BAH com concomitante feocromocitoma;
  • Carcinoma produtor de aldosterona.

Não curável cirurgicamente:

  • Hiperplasia adrenal bilateral (HAB);
  • APA unilateral com HAB;
  • Hiperaldosteronismo familiar tipo II-V;
  • Hiperaldosteronismo familiar tipo I.

Outra razão negligenciada pela qual a AP está subdetectado é sua investigação apenas quando a concentração de aldosterona plasmática (AP) excede um valor maior que 15 ng/dL (416 pmol/L). Isso contrasta com pelo menos três fatos:

  1. A existência documentada de casos em que o único indício da doença é a renina plasmática baixa. Estes casos de HAP normoaldosteronêmico estão atualmente diagnosticados como primário com baixa renina;
  2. A secreção pulsátil de aldosterona que, além de tudo, é influenciado pela ingestão de sal. Uma ingestão de Na <75 e >300 mEq/dia, alteram o valor de AP;
  3. A sensibilidade amplamente variável do rim e seus vasos à aldosterona em todas as etnias e indivíduos. Alguns grupos étnicos HAP pode se manifestar-se apenas elevações leves do AP.

cadastro portal

Estratégia de triagem

Em 2016, os requisitos para triagem para HAP de pacientes hipertensos foram ampliados.

  1. Hipertensão resistente a medicamentos pelas definições atuais;
  2. Hipertensão sisto-diastólica (PA> 150/100 mm Hg confirmada em medidas repetidas);
  3. Hipocalemia espontânea ou induzida por diuréticos;
  4. Massa adrenal descoberta incidentalmente (incidentaloma);
  5. Apneia obstrutiva do sono;
  6. História familiar de AF e/ou hipertensão de início precoce ou acidente vascular cerebral em tenra idade
  7. Fibrilação atrial inexplicável;
  8. Evidência de lesão de órgãos mediada pela hipertensão (HVE, disfunção diastólica, microalbuminúria, doença renal crônica) acima do esperado com base no valores de PA.

Hipertensão resistente a medicamentos pelas definições atuais:

  1. Pacientes com hipertensão sustentada > 180/> 110 mmHg;
  2. Hipertensão associada à hipocalemia, espontânea ou induzida por diuréticos;
  3. Hipertensão resistente ao tratamento com 3 classes de anti-hipertensivos, incluindo um diurético, ou controlada (<140/90) com mais de 4 fármacos anti-hipertensivos.

Diagnóstico

Algoritmo para diagnostico de HAP

 

Fatores que afetam o RAR

1. Níveis séricos de potássio

A hipocalemia diminui a secreção de aldosterona. Para evitar falso-negativos, corrija a hipocalemia.

2. Aldosterona plasmática (AP)

Fisiologicamente, uma baixa ingestão de sal e/ou agentes diuréticos podem levar a um alto valor de AP. Meça a excreção urinária de sódio por 24 horas para estimar a ingestão de sal.

Retire os diuréticos pelo menos quatro semanas antes do teste, pois eles aumentam a renina e, se causam hipocalemia, AP pode ser artificialmente baixo.

3. Renina

Fixar o nível mais baixo desta é uma prática comum.

Posição do paciente em amostra de sangue: mantenha o paciente em decúbito dorsal ou sentado por 60 minutos antes da amostragem. Dada a meia-vida plasmática ou renina plasmática e aldosterona (aproximadamente 15 min), desta vez, eles levarão seus valores aos valores basais.

Manipulação das amostras do sangue: esteja ciente de que o manuseio e o armazenamento de amostras de plasma são diferentes.

4. Drogas permitidas

Bloqueador alfa: doxazosina e bloqueadores dos canais de cálcio de ação prolongada.

Bloqueadores dos canais de cálcio de ação prolongada também podem ser permitidos, se necessário, para controlar a pressão arterial e hipocalemia.

Mais da autora: Nova diretriz para câncer de tireoide: o que mudou? [parte 2]

Exclusão de HAP

Para afastar falsos-positivos da RAR durante a triagem: o teste de carga oral de sódio, o teste de infusão de solução salina, o teste de desafio com captopril e a fludrocortisona com teste de carga de sal. Eles são os testes “confirmatórios”, embora funcionem como “testes de exclusão”.

Teste da furosemida: 40 mg EV

  • Colher renina após 2 horas de deambulação;
  • É positivo se a APR for <2 ng/mL/h (R < 24 mUI/mL).

Teste da sobrecarga salina:

  • Dosar aldosterona após à infusão de 2L de SF 0,9% em 4 horas;
  • A <5,0 ng/dL exclui o diagnóstico de hiperaldosteronismo primário;
  • A 5- 10 ng/dL é inconclusivo e A >10 ng/dL confirma o diagnóstico.

Teste do captopril:

  • Administrar 50 mg de captopril oral após o paciente ter permanecido sentado ou em pé por pelo menos 1 hora
  • Dosar R, A e cortisol nos tempos 0, 60 e 120 min;
  • Positivo se não houver queda;
  • >30% da A ou se A >12 ng/dL.

Teste da fludrocortisona

  • Administra-se 0,1 mg de fludrocortisona a cada 6 horas, por 4 dias;
  • Suplementos de potássio, para manter os níveis de K+ próximos a 4 mEq/L (medidos 3 a 4 vezes/dia);
  • Suplementos de sódio 30 mEq 3 vezes/dia junto às refeições e ingestão dietética liberal, manter excreção urinária de sódio ≥3 mEq/kg;
  • 4º dia dosadas a CAP e a APR às 10h, com o paciente sentado, e o cortisol plasmático às 7h e às 10h;
  • CAP > 6 ng/dℓ confirma o diagnóstico de HAP, se APR esteja < 1 ng/mL/h, e o valor do cortisol sérico às 10h seja inferior àquele dosado às 7h.

Imagem

Exame de imagem de escolha tomografia computadorizada (TC) por ser menos propenso a artefatos de movimento, é recomendado em todos os pacientes para excluir um carcinoma produtor de aldosterona e identificar drenagem venosa adrenal, oferecendo assim um guia para o cateterismo de veia suprarrenal.

A avaliação dos adenomas micro-adrenais é a principal limitação da imagem adrenal, tanto a tomografia computadorizada como a ressonância magnética.

Acompanhamento

Nos pacientes adrenalectomizados necessitam de acompanhamento regular é necessário um novo teste bioquímico, para confirmação da cura bioquímica após a cirurgia.

Autor:

Referência bibliográfica:

  • Rossi GP. Primary Aldosteronism. JACC State-of-the-Art Review. Journal of the American College of Cardiology. Volume 74, Issue 22, December 2019. DOI: 10.1016/j.jacc.2019.09.057

O Portal PEBMED é destinado para médicos e profissionais de saúde. Seu conteúdo tem o objetivo de informar panoramas recentes da medicina, devendo ser interpretado por profissionais capacitados.

Para diagnósticos e esclarecimentos, busque orientação profissional. Você pode agendar uma consulta aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Entrar | Cadastrar