Pebmed - Notícias e Atualizações em Medicina
Cadastre-se grátis
Home / Cardiologia / Hipertensão arterial em pacientes negros: combinações terapêuticas
foco nas mãos do médico aferindo pressão arterial em paciente com hipertensão

Hipertensão arterial em pacientes negros: combinações terapêuticas

Quer acessar esse e outros conteúdos na íntegra?

Cadastrar Grátis

Faça seu login ou cadastre-se gratuitamente para ter acesso ilimitado a todos os artigos, casos clínicos e ferramentas do Portal PEBMED

O estudo CREOLE, publicado em março deste ano, na revista The New England Journal of Medicine comparou as duplas terapias anti-hipertensivas em pacientes negros africanos.

Sabemos que a redução da pressão arterial diminui morbimortalidade das doenças cardiovasculares. Pacientes negros africanos tem alta prevalência de hipertensão e, muitas vezes, necessitam de mais de um medicamento para o controle da pressão arterial.

O estudo, randomizado, multicêntrico, prospectivo, unicego, controlado, de não inferioridade, fez a comparação entre combinações de três classes terapêutica, um bloqueador do canal de cálcio (anlodipino), um inibidor da enzima conversora de angiotensiva (perindopril) e um diurético tiazídico (hidroclorotiazida):

  • Anlodipino + hidroclorotiazida;
  • Anlodipino + perindopril;
  • Perindopril + hidroclorotiazida.

Os pacientes do estudo tinham idade entre 30 e 79 anos, sem tratamento prévio para hipertensão arterial sistêmica e com pressão arterial sistólica entre 150 e 179 mmHg, ou com pressão arterial sistólica entre 140 e 159 naqueles já em monoterapia. Foram excluídos pacientes com doença cardiovascular conhecida, HAS secundária e gravidez.

O desfecho primário foi avaliar a variação média da pressão arterial sistólica no monitoramento ambulatorial da pressão arterial (MAPA) em seis meses e o desfecho secundário a variação média da pressão arterial diastólica diurna e noturna em seis meses.

Foram triados 890 pacientes, destes 728 designados para os três grupos: 244 para o grupo que recebeu anlodipino + hidroclorotiazida, 243 para grupo que recebeu anlodipino + perindopril e 241 pacientes para grupo perindopril + hidroclorotiazida. Dos pacientes completaram o exames 698 (95,9%), 621 (85,3%) foram submetidos a MAPA em seis meses. 107 pacientes não foram submetidos devido a retirada do consentimento, perda no seguimento, excluídos por violações do protocolo e a própria recusa do paciente.

Mais do autor: Modelo Utstein para parada cardíaca no hospital

Segundo o estudo, com pacientes negros na África subsariana ou subsaariana, a combinação com anlodipino + hidroclorotiazida ou perindopril foi mais eficaz do que a perindopril + hidroclorotiazida para redução da pressão arterial.

Receba as principais novidades em Cardiologia no seu Whatsapp! Inscreva-se em nosso grupo!

Autor:

Referência bibliográfica:

  • Ojji DB et al. Comparison of Dual Therapies for Lowering Blood Pressure in Black Africans. N Eng J Med 2019. DOI: 10.1056/NEJMoa1901113.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

×

Adicione o Portal PEBMED à tela inicial do seu celular: Clique em Salvar na Home Salvar na Home e "adicionar à tela de início".

Esse site utiliza cookies. Para saber mais sobre como usamos cookies, consulte nossa política.