Ginecologia e Obstetrícia

Hipertensão arterial pulmonar associada à broncodisplasia em RNs prematuros extremos

Tempo de leitura: 2 min.

Sabemos de longa data que a hipertensão arterial pulmonar (HAP) continua sendo um grande desafio na vida dos neonatologistas, principalmente quando essa surge como complicação da broncodisplasia pulmonar (BDP).

Um estudo de coorte-retrospectivo publicado esse ano teve como objetivo determinar a sobrevida e evolução da HAP em recém-nascidos (RN) prematuros extremos com idade gestacional (IG) corrigida maior que 36 semanas.

Leia também: Consumo de leite materno por prematuros está associado ao melhor desempenho cardíaco?

Metodologia

Para tal estudo, foram selecionados 28 RN prematuros extremos menores que 30 semanas ou peso ao nascer < 1.000 g que evoluíram com HAP acima de 36 semanas de IG. O diagnóstico da HAP foi feito através de ecocardiografia. Os principais desfechos foram sobrevivência, taxa de mortalidade e resolução da HAP.

Todos os pacientes selecionados para esse estudo tinham o diagnóstico de BDP, sendo 82% graves. Onze crianças (39%) evoluíram para óbito durante o acompanhamento, devido à combinação de BDP e HAP em oito crianças, à BDP em duas e à sepse em uma.

Saiba mais: AAP 2021: progressão lenta vs rápida da dieta em prematuros com baixo peso ao nascer

As taxas de sobrevivência em 1, 3 e 7 meses a partir de 36 semanas de IG corrigida foram 89%, 70% e 58%, respectivamente. Em 16 dos 17 bebês sobreviventes, a HAP foi resolvida ao longo do tempo, com uma taxa de resolução entre 1 e 2 anos de idade corrigida (IC) de 47% e 79%, respectivamente. Aos 2 anos e meio de IC, a taxa de resolução foi de 94%.

Conclusão

As conclusões desse estudo foram: RN prematuros extremos com HAP e BDP tiveram uma taxa de sobrevivência de 58% aos 6 meses de idade corrigida IC. A pressão supra sistêmica da artéria pulmonar foi associada a um desfecho desfavorável. E RN que sobreviveram além da IC de 6 meses apresentaram excelente sobrevida e resolução da hipertensão arterial pulmonar em quase todos os casos. Ainda são necessários estudos prospectivos de acompanhamento para investigar se a resolução da HAP nesses bebês pode ser melhorada por terapias multimodais, incluindo tratamentos respiratórios, nutricionais e cardiovasculares.

Referências bibliográficas:

  • Arjaans S, et al. Fate of pulmonary hypertension associated with bronchopulmonary dysplasia beyond 36 weeks postmenstrual age. Arch Dis Child Fetal Neonatal. Ed 2021;106:F45–F50. doi:10.1136/archdischild-2019-318531
Compartilhar
Publicado por
Larissa Pires Marquite da Silva

Posts recentes

Modelo de reconhecimento de caligrafia para detectar doença de Parkinson é desenvolvido por adolescentes americanos

Foi publicado um estudo sobre o aprendizado de máquina baseado em um conjunto de algoritmos…

10 horas atrás

Highlights do ATS 2022 [podcast]

Confira os destaques do ATS 2022, um dos maiores encontros em pneumologia, cirurgia torácica e…

11 horas atrás

PEBMED e ILAS: terapia antimicrobiana na sepse [podcast]

Neste episódio, saiba mais sobre a terapia antimicrobiana na sepse. Confira!

11 horas atrás

Fernanda Pautasso esclarece os principais aspectos sobre enfermeiro navegador

Convidamos a Enfermeira Mestre Fernanda Pautasso para bater um papo super interessante sobre enfermeiro navegador.

12 horas atrás

Resultados da denervação seletiva para rizartrose

A rizartrose é extremamente comum, com prevalência estimada em 15% dos pacientes acima de 30…

14 horas atrás

Há como predizer quem vai ter uma parada cardiorrespiratória (PCR) em FV ou TV?

Estudo buscou desenvolver um algoritmo para identificar quem teria maior risco de parada cardiorrespiratória (PCR)…

15 horas atrás