Ginecologia e Obstetrícia

Histerectomia minimamente invasiva ou aberta nas pacientes com alto risco de câncer de endométrio?

Tempo de leitura: 2 min.

É evidente que a histerectomia minimamente invasiva, seja laparoscópica ou via vaginal, é uma técnica superior a histerectomia aberta. Afinal, temos uma menor chance de complicações pós-operatórias, se utilizada a técnica adequada. Porém, em caso de alto risco de câncer de endométrio, a técnica minimamente invasiva também é segura e mais indicada?

Leia também: Câncer cervical: qual é o melhor método para realizar a histerectomia?

Estudo recente

Em dezembro de 2021 foi publicado um estudo multicêntrico de propensão combinada com objetivo de responder à pergunta acima.  Comparando sobreviventes livres da doença após a realização de histerectomia minimamente invasiva e histerectomia aberta, em pacientes com alto risco de câncer de endométrio.

Das 626 pacientes elegíveis para a pesquisa, 263 (42%) foram submetidas à cirurgia minimamente invasiva e 363 (58%) à cirurgia aberta. Na coorte pareada, não houve diferença nas taxas de sobrevida livre de doença em 5 anos entre a cirurgia aberta e a cirurgia minimamente invasiva. Além disso, a cirurgia minimamente invasiva não foi associada à pior sobrevida livre de doença ou taxa de recorrência em comparação com a cirurgia aberta. Outra dúvida importante que foi esclarecida, foi em relação ao uso de manipulador uterino. Este não foi associado a pior sobrevida livre de doença ou taxa de recorrência do câncer endometrial.

Saiba mais: Devemos realizar ooforectomia bilateral durante a histerectomia por doença benigna?

Conclusão

Os autores, do artigo em questão, concluíram que não houve diferença nos resultados oncológicos comparando a cirurgia minimamente invasiva e aberta entre pacientes com câncer endometrial de alto risco. Por isso, podemos indicar a via minimamente invasiva para esse tipo de paciente. Afinal, os benefícios dessa técnica é superior a técnica aberta. Visto que diminui tempo de internação, diminui complicações pós-operatórias e proporciona um retorno às atividades habituais mais cedo quando comparada a via abdominal aberta.

Referências bibliográficas:

  • Segarra-Vidal B, Dinoi G, Zorrilla-Vaca A, Mariani A, Student V, Garcia NA, Llueca AA, Ramirez PT. Minimally Invasive Compared With Open Hysterectomy in High-Risk Endometrial Cancer, Obstetrics & Gynecology. Obstet Gynecol. 2021 Dec 1;138(6):828-837.
    doi: 10.1097/AOG.0000000000004606.
Compartilhar
Publicado por
Letícia Suzano Lelis Bellusci

Posts recentes

Monkeypox e Epididimite são os destaques da semana no Whitebook

Monkeypox e Epididimite são os novos conteúdos do Whitebook. Confira a lista completa com os…

17 horas atrás

Síndrome pós-COVID-19: quais os desafios nos cuidados nutricionais?

Neste artigo, veja em detalhes o que os estudos recentes têm apontado acerca dos cuidados…

20 horas atrás

As taxas de infecção aumentam com o uso de técnicas de esterilização de uso imediato?

Neste estudo, confira se a esterilização a vapor de uso imediato aumenta as chances de…

21 horas atrás

Fazirsiran para doença hepática associada a deficiência de alfa-1-anti-tripsina

A doença hepática pode ser causada por uma deficiência de alfa-1-antitripsina (A1AT). Conheça estudo sobre…

22 horas atrás

Probiótico na diarreia infantil: estudo mostra potencial benefício de uso relacionado a antibióticos

Estudo concluiu que o probiótico reduziu o risco geral de diarreia em crianças durante e…

23 horas atrás

Amniotomia na indução de parto de nulíparas: qual o melhor momento de realização?

A indução de parto é uma forma de produzir trabalho de parto de forma artificial…

1 dia atrás