Infectologia

HIV: segundo caso de cura é relatado após transplante de células-tronco

Tempo de leitura: [rt_reading_time] minutos.

Foi publicado este mês na Revista Nature um caso de um paciente que, aparentemente, está livre do HIV após transplante de células-tronco, com substituição dos seus glóbulos brancos por versões resistentes ao HIV. Há 12 anos, este método já havia sido usado em outro paciente. Porém, os pesquisadores alertam que ainda é cedo para dizer que eles foram completamente curados.

Identificado apenas como ‘paciente de Londres’, o indivíduo foi submetido a um transplante de células tronco em maio de 2016 por causa de um linfoma de Hodgkin. Ele teve sua terapia antirretroviral interrompida em setembro de 2017, sem nenhum sinal de que o vírus retornasse 18 meses depois. Conforme reportagem da Nature, a técnica de células-tronco foi usada pela primeira vez há 10 anos em Timothy Ray Brown, conhecido como “paciente de Berlim”, que ainda está livre do vírus.

A chave para o desfecho positivo destes dois casos está na escolha dos doadores da medula óssea, que apresentavam mutação no gene CCR5, que confere às pessoas resistência ao HIV. A mutação, que está presente em cerca de 1% das pessoas de descendência europeia, codifica um receptor que fica na superfície dos glóbulos brancos envolvidos na resposta imune do corpo. Normalmente, o HIV se liga a esses receptores e ataca as células, mas uma deleção no gene CCR5 impede que os receptores funcionem adequadamente.

Leia maisQual é a relação entre o vírus do HIV e as doenças psiquiátricas?

Em entrevista ao jornal Nature, Ravindra Gupta, médico infectologista da Universidade de Cambridge, Reino Unido, responsável pelo caso, disse que “ainda não é possível dizer se o paciente foi curado. Isso só pode ser demonstrado se o sangue do paciente permanecer livre do HIV por mais tempo”.

Sobre a realização deste tipo de tratamento em pacientes com HIV que não tenham uma outra doença que exija transplante de medula óssea, os pesquisadores apontam que provavelmente não seria um procedimento adequado. Isso porque transplante de medula é uma terapia complexa que pode ter complicações fatais e, em geral, a maioria das pessoas com HIV responde bem ao tratamento com antirretrovirais. Porém, há uma expectativa de que o artigo estimule um interesse renovado nas terapias genéticas que visem o CCR5, o que poderia ser aplicado a um grupo muito mais amplo de pacientes.

É médico ou enfermeiro e também quer ser colunista do Portal da PEBMED? Inscreva-se aqui!

Autor:

Referências:

Compartilhar
Publicado por
Dayanna de Oliveira Quintanilha
Tags: hiv

Posts recentes

Blog do Nurse: Bloco de Enfermagem Cirúrgica ganha atualização!

Nursebook recebeu atualizações no Bloco de Enfermagem Cirúrgica entre outras. Confira a lista completa!

4 horas atrás

Anemia megaloblástica na gestação – Parte 2

Segunda parte do artigo sobre anemia megaloblástica, a segunda principal causa de anemia durante a…

7 horas atrás

10 mitos relacionados ao diagnóstico e tratamento das infecções do trato urinário – Parte I

Confira 10 mitos relacionados ao diagnóstico e tratamento das infecções do trato urinário e os…

9 horas atrás

Glicocorticoide em pacientes com angiopatia amiloide cerebral

Embora a terapia com glicocorticoides seja mais frequentemente usada nesse cenário, tratamentos imunossupressores também têm…

10 horas atrás

Vírus respiratórios: quais são eles?

É extremamente importante estar atento a outras possibilidades de vírus respiratórios que não o SARS-CoV-2,…

10 horas atrás

Microbioma pulmonar: a importância da flora bacteriana nos pulmões

Estudos recentes mostram que o microbioma pulmonar pode ser mais semelhante ao microbioma gástrico quando…

11 horas atrás